Arquivo da tag: facebook

Discussão sobre notícias falsas

As eleições municipais no Brasil foram repletas de boatos contra as candidaturas do PSOL.

Luciana Genro foi atacada o tempo todo por compartilhamentos de notícias falsas que a acusavam de todo tipo de absurdo. Marcelo Freixo chegou até a ter que lançar um site “A Verdade sobre Freixo” devido à enorme quantidade de farsas.

É necessário pensarmos em formas de combater essa boataria.

Por um lado me parece interessante que a mídia americana, chocada com a vitória de Trump contra Clinton, esteja refletindo sobre isso e pressione o Facebook para combater esse tipo de desinformação.

Por outro, é necessário ter as ressalvas de que soluções como subir no ranking os sites da mídia tradicional pode ser nefasto para movimentos e mídia alternativa, e que uma abordagem anti-abuso baseada em feedback na própria plataforma tem que ser bem planejada para não possibilitar coisas como um grande número de robôs da direita censurar um conteúdo legítimo nosso denunciando como fake, por exemplo.

Update (16/11/2016, 19h47): Facebook e Google declaram guerra aos sites de notícias falsas

Publicado originalmente no Facebook.

A decisão da juíza que bloqueou o acesso de todo país ao WhatsApp é uma ameaça à nossa segurança.

Segundo o G1, ela pede que o Facebook implemente um backdoor para que mensagens sejam passadas para a justiça em tempo real ou que use algoritmos mais fracos que possam ser quebrados.

Argumenta que “se as decisões judiciais não podem ser efetivamente cumpridas, o serviço não poderá ser mais prestado, sob pena de privilegiar inúmeros indivíduos que se utilizam impunemente do aplicativo WhatsApp para prática de crimes diversos.”

Esse discurso é raso e desconsidera fundamentos de segurança digital e criptografia. Uma das melhores respostas a ele foi dada por Tim Cook quando o FBI pediu que a Apple hackeasse o iPhone de um suspeito no atentado de San Bernardino.

Abrir brechas de segurança num aplicativo usado por mais de 1 bilhão de pessoas coloca a segurança de todos nós em risco. Já os criminosos podem simplesmente usar outras ferramentas não tão populares para garantir a privacidade deles.

(E espero que esteja fora de questão proibir pessoas de rodarem os programas que quiserem para se comunicar)

Publicado originalmente no Facebook.

Redes sociais e democracia

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 5 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Há alguns meses, muitos administradores de páginas no Facebook reclamaram pela internet que suas páginas estavam começando a levar bem menos visitantes para os seus sites do que de costume. Em alguns casos, as entradas via Facebook teriam caído pela metade, mesmo com a quantidade de curtidas crescendo bastante.

Na época, comentou-se que essa queda no tráfego coincidiu com um novo recurso da rede social chamado “posts promovidos”, através do qual as empresas podem pagar ao Facebook para colocarem o seu conteúdo no feed de notícias de mais usuários.

A coincidência dos eventos fez com que parecesse que o Facebook estivesse artificialmente diminuindo o tráfego das páginas para ganhar dinheiro forçando seus donos a usarem o recurso de posts promovidos para voltarem a ter a quantidade de visitas que tinham anteriormente.

Porém, o Facebook insistiu que não estava fazendo nada do tipo. Ele estaria apenas tentando manter os feeds dos usuários sem tantos posts promocionais (que os usuários não gostariam de ver). Em outras palavras, a empresa de Mark Zuckerberg disse que está do lado dos usuários contra os anunciantes, embora esteja ganhando dinheiro no negócio.

Desculpa esfarrapada

Se o objetivo de fazer os posts de páginas serem menos visualizados era tornar o Facebook com menos posts de empresas e mais de pessoas, por que ao mesmo tempo criaram os posts promovidos? Se a empresa está disposta a investir dinheiro para fazer seu post ser visualizado, então tudo bem incomodar o usuário? E como ficam as páginas que não são de empresas, mas de organizações e comunidades que não têm dinheiro para investir na divulgação de posts?

As contradições foram se acumulando e há cerca de um mês tivemos outra novidade: o Facebook começou a liberar o recurso de promover posts não só mais para páginas (empresas, anunciantes), mas também para usuários “normais” (eu e você). Nos últimos dias, mais e mais usuários no Brasil têm tido acesso ao botão Promote nas suas atualizações de status. As atualizações promovidas certamente tomarão cada vez mais espaço das atualizações que você gostaria realmente de ver na sua rede social. Como fica aquela velha desculpa?

Computação vs. Dinheiro

Em geral, o que decide se o que publicamos no Facebook aparece ou não para cada um dos nossos amigos é um algoritmo chamado EdgeRank (se quiser saber mais, dê uma olhada neste site, em inglês) que avalia basicamente nosso grau de afinidade, a interação de outras pessoas com a publicação e há quanto tempo ela foi feita. Critérios computacionais razoáveis para não encher seu feed com zilhões de atualizações irrelevantes. De fato, estima-se que seus posts cheguem a apenas 12% dos seus amigos.

Com a mudança, criou-se uma variável (nada computacional) a mais aí nesse algoritmo: o dinheiro que o usuário tem e está disposto a pagar para promover sua publicação. A defesa do Facebook baseia-se no fato de que com o algoritmo tradicional pessoas com quem você não interage normalmente poderiam não ficar sabendo de uma notícia importante que você gostaria que todos ficassem sabendo como um casamento ou uma gravidez. A princípio, o argumento parece fazer sentido, mas a interação numa notícia como essas não deveria já aumentar o EdgeRank suficientemente para ela aparecer para todos os seus amigos? Se não aumenta, por que ficar com a solução fácil? Talvez o algoritmo devesse ser repensado. Faz sentido encontrar atualizações de status que não são relevantes para mim simplesmente porque um amigo virtual pagou para me mostrar?

Facebook na contramão da democracia

A lógica dos posts promovidos é a lógica dos anúncios da TV. Em vez de resolver problemas de ranqueamento com inteligência, inventa-se a variável dinheiro. Sua opinião é mais importante simplesmente porque você tem um megafone e os outros não.

O argumento do Facebook não gerou grandes polêmicas porque ele funciona dentro da mesma lógica que estamos acostumados a ver o mundo funcionar. Mas esse modo de pensar não deve parecer natural.

A internet é um meio de comunicação inovador e com potencial revolucionário por causa de suas características descentralizadas e democráticas, completamente opostas aos meios de comunicação que a mídia tradicional utiliza.

Posts promovidos podem parecer pequenos detalhes sem importância. Porém, pensar na utilidade de um recurso como esse na rede social mais utilizada do planeta (que tem cumprido papel tão importante em grandes mobilizações sociais) é muito importante para conhecermos seus limites. O convite a blogar ganha um novo argumento.

Escreva um blog e compartilhe suas ideias

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 5 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

O crescimento da internet em todo o planeta expressa a necessidade da nossa geração de experimentar meios de comunicação diferentes dos que a mídia tradicional nos propõem. A sociedade é cada vez mais dependente dessa rede, que conecta as pessoas das mais distantes localidades em tempo real.

A internet não é a mesma de dez anos atrás. Uma conexão hoje é condição necessária para a utilidade de um computador e a rede está cada vez mais presente em diferentes dispositivos, em especial nos celulares. A web é hoje o espaço das aplicações e dos serviços: um espaço virtual aparentemente infinito para onde você faz upload de toda a sua vida. Você usa a internet para ouvir músicas, baixar filmes, editar documentos, conversar com amigos, pagar contas, planejar viagens, organizar calendário, ver mapas, guardar fotos, entre muitos outros usos. Porém, o principal deles continua sendo compartilhar, ou seja, difundir ideias.

Compartilhar sempre foi o cerne da internet. Desde a criação dos primeiros sites pessoais, passando pelos blogs e por ferramentas que auxiliam a sua criação, chegando às mais diferentes ferramentas de redes sociais. Por isso, a disputa da rede é feita através das brigas em torno do compartilhamento: o que pode e não pode compartilhar, o anonimato necessário para compartilhar verdades inconvenientes, a neutralidade dos serviços contra o filtro do que passa e não passa pela rede.

Por um lado, temos aqueles que defendem uma internet mais restrita e com menos liberdade, isso é, com mais cara de TV. A censura do Wikileaks, juntamente com a perseguição a Julian Assange, e os projetos de lei SOPA/PIPA (EUA), Sinde (Espanha), Lerras (Colômbia) e Azeredo (Brasil) foram os casos que mais chamaram atenção nos últimos tempos.

Por outro lado, tecnologias estão sendo construídas e superadas em tempo recorde para tornar o compartilhamento mais fácil. Os levantes recentes no Oriente Médio demonstraram a eficácia da internet em ajudar ativistas políticos e sociais a organizarem protestos, disseminarem informações para o público e enviarem notícias de prisões e repressões ao restante do mundo. Do ponto de vista da tecnologia, o Facebook, pela sua capilaridade, é hoje a maior expressão da internet de curtir e compartilhar.

A rede de Mark Zuckerberg teve papel destacado em importantes acontecimentos sociais e políticos do ano passado. Há vários exemplos. Organização e divulgação dos protestos que culminaram na queda de Hosni Mubarak no Egito. Construção do movimento 15-M da juventude da Espanha e de outros movimentos de indignados por todo o planeta. Surgimento do movimento Occupy Wall Street nos EUA. Aqui no Brasil, difusão de diversos atos contra o aumento da passagem de ônibus, Marcha da Liberdade, Marcha das Vadias, Fora Ricardo Teixeira, entre outros.

A internet de hoje não é a mesma do ano passado. Pelo seu funcionamento democrático e pela sua dimensão global, ela muda muito rápido. Por isso, cabe a nós experimentar o tempo todo novas formas de explorar o ciberespaço para aproveitar todo o seu potencial viralizante e discutir ideias que nos auxiliem na construção de instrumentos de mudança social que organizem mais e mais pessoas ao redor do mundo.

Embora o Facebook seja uma ferramenta de utilidade incontestável, sua hegemonia tem me preocupado. Não pelo motivo que sempre leio por aí (o de estarmos compartilhando toda a nossa vida com uma empresa que não tem uma política de privacidade muito razoável), mas principalmente por outros dois: seu caráter efêmero e seus algoritmos que nos separam em bolhas.

Achar algo que você leu no mês passado no Facebook é um pesadelo. Ainda que você lembre quem foi que compartilhou ou em que grupo, você precisa andar e andar na barra de rolagem até fazer seu cooler começar a gritar de tanto processamento de JavaScript para encontrar o que você queria. No caso de querer encontrar comentários ou uma coisa que você não lembra quem foi que postou, é difícil até imaginar por onde começar. Os posts do Facebook não são indexados por sites de busca e suas mensagens vão ficando sufocadas embaixo de uma pilha que cresce quanto mais você usa a rede social. Por mais que exista a tentativa da linha do tempo para você navegar por anos e meses, é inegável que o Facebook é a rede social do que está acontecendo e não do que aconteceu.

Além disso, sua rede de amigos no Facebook é muito limitada. Primeiramente porque você só pode ter 5000 amigos (mais assinantes, é verdade), mas principalmente porque uma porcentagem muito pequena deles efetivamente vêem o que você posta. Vou dar um exemplo: De julho a outubro publiquei todos os dias atualizações de status sobre as eleições municipais no meu perfil divulgando as propostas dos meus candidatos. Na véspera das eleições, mandei e-mails e mensagens no Facebook para grande parte dos meus contatos pedindo voto neles. Várias pessoas ficaram felizes com a recomendação e disseram que até receberem a mensagem nem sabiam que eu estava envolvido na campanha do PSOL.

Faz sentido. O algoritmo do Facebook provavelmente seleciona postagens de temas que você se interessa (costuma postar, curtir, comentar, compartilhar) para você ler. Os posts sobre banana tendem a ser visualizados por quem gosta de banana. Aí você fica fazendo propaganda de bananas para seus amigos bananeiros. Bom para receber curtidas e melhorar sua auto-estima, ruim se você quer discutir as vantagens da banana com mais pessoas que não são do seu grupo de estudos sobre banana. Além de que tem um monte de gente que gosta de banana, mas nunca vai ver seus posts simplesmente porque não é seu amigo.

Passei os últimos anos escrevendo muito no Facebook. O Facebook certamente é uma ferramenta muito importante, mas estou convencido de que ele tem um potencial infinitamente maior se caminhar junto com a escrita de blogs. Posso citar pelo menos três motivos:

  1. Os blogs divulgam mensagens menos efêmeras e com mais conteúdo. Por isso, são espaços mais adequados à formulação e ao registro de ideias (que certamente não devem deixar de ir para as redes sociais para serem disseminadas nas bolhas).
  2. Os blogs são indexados pelo Google. Com isso, aparecem nos resultados das buscas de quem se interessa pelas coisas que escrevemos e seus links fortalecem os sites que queremos difundir para o mundo através do aumento do seu pagerank.
  3. Os blogs não só enviam mensagens, mas iniciam conversações. Posts em blogs geram não só reflexões, mas comentários, posts em outros blogs e discussões nas redes sociais.

Tenho uma rede de amigos que escreve coisas muito legais nas redes sociais. Debate os temas da atualidade, formula política, faz críticas inteligentes sobre uma porção de assuntos relevantes. Há muitas (bilhões, eu diria) pessoas que não leio no Facebook, que talvez leiam este post e que certamente também têm muito a contribuir para o saudável debate de ideias que precisamos travar o tempo todo para mudarmos as pessoas e mudarmos o mundo. Esses comentários merecem e precisam superar as fronteiras dos algoritmos do Facebook para gerar mais discussão e influenciar outras pessoas. Por isso, escrevo para fazer o convite: escreva um blog e compartilhe suas ideias!

Tem um blog? Compartilhe um link dele nos comentários.

TV e café da manhã

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

(originalmente publicado no Facebook na manhã da quinta-feira 09/02 — horários em UTC-8 — estou copiando pra cá pra registrar)

7:32 — Passou uma propaganda de car title loan aqui na TV que pareceu muito aquela propaganda “Refinancie sua casa” do filme “Capitalismo: uma história de amor” do Michael Moore.

7:39 — A pessoa fala um pouco no jornal e termina com: “Coloquei mais informações na minha página no Facebook.” Além dos Twitters dos editores que fazem comentários no rodapé da tela, várias vezes aparecer o letreiro “Acesse nosso Twitter (ou nossa página no Facebook) pra ver as breaking news.” e tal. Bem interessante. A televisão aqui tá muito voltada pras redes sociais.

7:50 — Rá! Descobri (pela internet) como abrir uma caixa de leite. Da próxima vez nem vou precisar de tesoura :)

Userscript para remover usuários de grupos do Facebook

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Já faz algum tempo que o Facebook tem um bug nas listas de membros dos grupos. As listas não mostram todos os membros do grupo. Mais: os membros que não aparecem na lista nem mesmo podem ser encontrados pelo formulário de busca de nomes. Quando você é administrador de um grupo, isso pode ser um grande inconveniente, porque na interface padrão do Facebook a lista de membros é o único lugar onde é possível excluir usuários de um grupo. Ou seja, os usuários que não aparecem lá são indeletáveis!


Só ali na lista de membros aparece esse X para excluir os membros do grupo.

Há alguns meses, escrevi um user script para o GreaseMonkey (extensão para o Firefox que permite que você crie esses pequenos scripts para serem rodados em páginas específicas) que busca ajudar os administradores de grupos a removerem esses membros fantasmas.

Não havia publicado até agora por vergonha (o script é bem feio, tanto o código como o resultado). Porém, acho que não pretendo perfumá-lo tão cedo, então resolvi liberá-lo aqui até pra inspirar quem quiser fazer coisas mais bonitas.

O funcionamento dele é muito simples: quando você entra num grupo (sendo ou não administrador — porque nem distingui isso no código), ele cria botões X do lado dos links para os perfis dos usuários que estão nessa página (e só nesses — outra coisa que nem me preocupei no script). Se você for administrador do grupo em questão, quando clica no X o Facebook abre aquela caixa perguntando se você quer mesmo excluir o membro em questão (e se quer baní-lo permanentemente).


Com o script, tem X em todo o lugar! (até onde não deve… hehe)

Sem mais enrolação, eis aqui o código para (des-)apreciação e aprimoramentos (por favor! :)):

// ==UserScript==
// @name Remove users from Facebook groups
// @description Remove usuarios que postam no grupo sem precisar procurar na lista de membros
// @author  Tiago Madeira <madeira@juntos.org.br>
// @include http*://www.facebook.com/groups/*
// @version 1.32
// ==/UserScript==
 
(function(){
    var as = document.getElementsByTagName("a");
    var gid = "";
 
    for (var i = 0; i < as.length; i++) {
        var a = as[i];
        var hovercard = a.getAttribute("data-hovercard");
        if (hovercard != null && hovercard != "") {
            uid = hovercard.replace(/.*id=/, '');
            if (gid != "") {
                var button = '<a class="mhm auxiliaryButton closeButton uiCloseButton" title="Remove" rel="dialog-post" href="/ajax/groups/members/remove.php?group_id=' + gid + '&uid=' + uid + '"></a>';
                a.innerHTML = a.innerHTML + " " + button;
            }
        }
        var pattern = new RegExp("(^| )groupsCleanProfilePic( |$)");
        if (pattern.test(a.className)) {
            gid = a.getAttribute("href").replace(/.*id=/, '');
        }
    }
})();

Ou o link direto para download (ou instalação no GreaseMonkey):

fb.group.remove.user.js (1.08kb)