Parado! Você está preso!

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Você é contra a redução da maioridade penal? Imagine um garoto de dezessete anos que pega o seu filho de cinco anos na porta da escola, leva-o para um lugar imundo, estupra-o e depois debocha da sua impunidade porque é menor de idade. Você ainda é contra a redução da maioridade penal? Acho que não.

Algemas

A maioridade penal é um assunto tão polêmico quanto a pena de morte. O Melo, do Verdade Absoluta, certa vez gerou uma discussão muito interessante no blog dele perguntando: Criança inocente ou criminoso sórdido?

É uma pergunta difícil de ser respondida a partir de quantos anos uma pessoa deve ser responsável pelas suas ações. Na verdade, se forem usar esse argumento de que o meio é que influencia o criminoso, nem um adulto de 50 anos seria responsabilizado pelo seu crime. Afinal, ele também nasceu. Ele também é fruto de uma sociedade com idéias formadas, também foi manipulado, também recebeu informações de todo o resto do mundo. Porém, eu acho que tem outra mais importante: pra quê serve a prisão?

A prisão é cruel. A pena de morte talvez seja menos cruel. De qualquer maneira, nenhuma das duas resolve absolutamente nada. Nenhuma das duas têm utilidade. Nenhuma das duas vai fazer o seu filho ser “desestuprado” ou ressucitar o menino que foi arrastado pelo carro (notícia que tá na moda).

E depois… Você também está preso. Ou acha que seguir esse monte de leis o faz “livre”? Você manda no quê? Quem é você, seu inútil? No fim, acho que a discussão de maioridade penal não serve pra coisa nenhuma. O buraco tá mais embaixo. Mas então, qual é a solução?

11 comentários sobre “Parado! Você está preso!

  1. Fica difícil falar sobre esse tipo de assunto, pois só no Brasil são mais de 170 milhões de pessoas e cada uma pensa diferente.
    Agora, um jovem comete um crime, as pessoas falam no meio, mas muitas vezes penso na família do criminoso. O que o faz agir desta forma? Deveria então os pais pagarem por esse crime? Já que a mente deste jovem infeliz, foi em muito construída pelos acontecimentos dentro de casa!
    Já sei! Deveriamos prender a Mídia, que influência cada vez mais os jovens deste Mundo.
    É bem complicado.
    Na Ásia (não lembro o país, mas acredito ser mais de um) aquele que comete um crime, perde um pedaço do corpo. Aquele que estupra perde o Bilau. Então eu pergunto: Você estupraria uma pessoa se soubesse que seria sua última relação sexual (a não ser que seja um homossexual e use a parte traseira)?
    A partir dos 14 já da pra condenar! E como fazem os muçulmanos, estuprou? Perde o Bilau! Quero ver estuprar alguém de novo!

    Como o assunto já observa, é pra pensar!

  2. Ainda bem que no Brasil, os estrupadores quando são presos tem as piores punições possiveis pelos proprios presidiarios
    Acho que o cortar o Bilau já está sendo feito lá, pois eu nunca soube de um caso que um ex-presidiario condenado por estrupo saiu!

  3. Solução? A reestruturação total e plena da sociedade. Das formas de subsistência, da educação (métodos e conteúdos), das escalas valorativas, do ser humano (ser como verbo…é complicado ser humano hoje em dia, com situações assim como estas citadas), das formas de governo (melhor seria o auto-governo…). Enfim…a solução pra isso tudo é o que muitos chamam de UTOPIA! Agora isso não quer dizer que já que eu acho que a solução total e plena é utópica devemos cruzar os braços e aceitar a impunidade que está por ai… Não, em absoluto. Acho que as transformações são possíveis sim, mas não acho que elas vão começar pelas estruturas. Acho que a primeira transformação tem que ser a íntima, subjetiva…o que demanda mais tempo, infelizmente. Mas de que adianta o contrário…Digamos que de uma hora pra outra implantam o socialismo no Brasil (longe de ser um sistema perfeito, mas acho que é melhor do que o que tá ai). Vai virar ditadura de cara, porque as pessoas (a grande maioria…quase todos, acho) não aprenderam, não sabem ser socialistas! Vai ser um regime imposto, autoritário… Seria diferente se o estabelecimento de um regime socialista no Brasil fosse resultado da demanda do próprio povo, das próprias pessoas, de seus projetos (hmmm…mas isso também soa utópico…).
    Deu nó! Vamos pensar sobre…
    Sobre a questão do controle, sem dúvida! Tu mesmo falaste do George Orwel, em 1984, hoje, lembra??? É isso…
    Agora a maioridade é uma piada…piada sem graça.

  4. Reestruturação total e plena da sociedade? Realmente isso é impossivelmente impossível! (Olha só).
    O Mundo gira em torno do dinheiro, isso é fato.
    E enquanto essas verdinhas existirem, NÃO será possível mudar!
    O dinheiro comanda o Mundo, o Mundo gira em torno disso!!!
    Socialismo? Como a Carol mesma disse, viraria ditadura, onde os ricos comandariam!
    A única coisa que nos resta é QUERER mudar! Porque fazê-lo está longe de ser algo possível.

  5. Discordo, John.

    Nas palavras de Raul Seixas: “Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.”

    Tem muita gente sonhando junto e ações já estão acontecendo. Realmente é complicado, mas não vejo como impossível. Para a sociedade mudar, a mudança deve partir dos indivíduos (não lembro quem disse isso, mas é um princípio anarquista). Até esse blog é uma tentativa de fazer mudança nos indivíduos ou pelo menos provocar que eles pensem. Creio que um dia conseguiremos atingir nosso objetivo.

    De qualquer maneira, no nível onde estamos eu acho que até o socialismo que acontece com a ditadura vale a pena. Eu dou todo meu apoio ao presidente venezuelano.

  6. Olá,

    Sou editora do Jornal de Debates (www.jornaldedebates.com.br), um
    jornal colaborativo na internet, que propõe diversos debates semanais.
    Encontrei no seu blog um post que fala sobre a maioridade penal, e gostaria de convidá-lo a escrever no nosso jornal sobre esse tema, ou mesmo replicar seu post, que se encaixa muito bem num dos debates desta semana.

    Qualquer dúvida, entre em contato

    Grata
    Gabriela Nardy
    gabriela@jornaldedebates.com.br
    Editora – Jornal de Debates

  7. Eh um tema muito complexo. Sei que gostaria de ter visto muito menor passar o resto da vida em cadeias brasileiras (q sao verdadeiros infernos).
    Sobre o primeiro comment, no líbano se corta 1 dedo quando a pessoa comete algum delito. Se fosse aqui, ia ter muita gente sem dedo nas maos. Coitado do nosso presidente…

    Maysa

  8. Acho que a coisa não é bem por aí:

    De qualquer maneira, no nível onde estamos eu acho que até o socialismo que acontece com a ditadura vale a pena.

    Quando pensamos em uma mudança na sociedade – apesar de eu achar impossível (o que vemos como mudanças são apenas a comparação dos rastros que as diferentes sociedades deixam ao longo do tempo) – é primordial que se pensem em liberdade.

    Não sou dos que acham a democracia a melhor forma de governo, porém, como dizia Oppenheimer: Por hora é o que temos e o que nos basta.
    Ter liberdade para pensar e agir, ainda que velada, é melhor que braços e bocas atadas.

  9. Sugiro a leitura do livro “O inocente” de John Grisham. Após a leitura, talvez mudemos algumas opiniões sobre a “pena de morte”. Penso que para certos crimes deveríamos instituir a prisão perpétua. Sem subsídios governamentais. Em lugares distantes. No caso de um erro, a sociedade poderia, ao menos, “desculpar-se”, o que não aconteceria no caso da pena de morte…Cortar partes do corpo? Acho mais conveniente aperfeiçoarmos as leis, tornando-as mais duras e, principalmente, cumprindo-as. (será que um psicopata pensa nas conseqüências de seus atos???

Deixe uma resposta