Arquivo da tag: maratona

Final mundial do ICPC no Egito é adiada

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Dear Participant,

The 2011 World Finals is postponed.

Contact your travel agent or airline for a refund or travel voucher.
Consular Travel Warnings should make it easier for you to avoid penalties.

The earliest date will be the last week of May.
Please block the last week of May on your calendar.

Please block the last week of June on your calendar.
The month of July and the first two weeks of August are also under consideration.

We hope to announce the date by February 10th.
We plan to announce both the place and date by February 28th.

I look forward to seeing every one at a spectacular World Finals later this year.

Bill

P.S.
If you need accommodations in Sharm El Sheikh from February 20 – March 5,
please contact .

Coordenadas homogêneas

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Conheci as coordenadas homogêneas por acaso. Era 2004, ganhei a modalidade iniciação da Olimpíada Brasileira de Informática e passei o inverno estudando C, acho que por dois motivos: interesse pelos problemas da modalidade programação e desejo de aproveitar bem o curso que os medalhistas fazem na UNICAMP; ou talvez fosse apenas falta do que fazer ou curiosidade mesmo. Não importa.

Confundo os cursos de 2004, 2005 e 2006, mas lembro que no primeiro aprendi com um monitor sobre recursão, representação de grafos e busca em profundidade. Lembro também que foi em 2004 que conheci o CLRS (livro que comprei alguns meses depois e tenho na cabeceira até hoje). Esse post, porém, é sobre um acontecimento mais aleatório relacionado a esse curso e, ouso afirmar, digno de figurar n’O Andar do Bêbado do Mlodinow.

O pessoal da modalidade programação ia tirar cópias de um livro do Stolfi e do Rezende, chamado “Fundamentos de Geometria Computacional” (dá pra baixar aqui). Nem sabia do que estavam tirando xerox, mas vi que era barato e que todos os mais velhos estavam querendo, então também pedi.

Folheei o livro, não entendi nada, deixei num canto e voltei a abrir alguns anos depois, não lembro exatamente quando. E foi aí que fez-se a luz. A primeira parte é sobre coordenadas homogêneas.

Coordenadas homogêneas? A ideia parece simples (até demais) pra ser poderosa. Basicamente você representa uma coordenada em (X, Y) \in \mathbb{R}^2 com uma tripla ordenada [w, x, y] tal que x = \frac{X}{w} e y = \frac{Y}{w}. A reta tem a mesma representação.

1
2
3
4
5
struct ponto {
	int w, x, y;
};
 
typedef ponto reta;

E o que isso tem demais? Você deixa de precisar de pontos flutuantes pra maioria das operações geométricas; ganha pontos no infinito (eles são a interseção entre retas paralelas!) que permitem fazer fórmulas sem preocupação com casos especiais, usar a mesma fórmula pra determinar uma reta gerada por dois pontos ou por um ponto e um vetor etc.; tem representações iguais (e dualidade) entre pontos e retas (e.g. interseção entre retas p e q = reta determinada por pontos p e q); e mais um monte de outras coisas.

Uau! Como eu não ouvi falar disso antes? Eu não sei a razão, mas, embora tenham várias vantagens, as coordenadas homogêneas não são muito populares na universidade, nem entre os maratonistas. No entanto, são usadas em projetos grandes que usam muita geometria (e.g. OpenGL).

Quero código! Vou mostrar como resolvi o problema Symmetry (2002 TopCoder Inv Round 4 – Division I, Level Three).

O enunciado é simples: Dados n (2 \leq n \leq 200) pontos inteiros (com coordenadas de -10000 a 10000) determinar quantas linhas de simetria existem entre eles.

Dá pra fazer em O(n^3) com a seguinte ideia:

  1. Crie uma árvore binária balanceada indexada por retas. (em C++, map <reta,int>)
  2. Para cada par de pontos, determine a reta de simetria entre eles e adicione 2 a essa reta na árvore binária. (O(n^2 log n))
  3. Para cada reta na árvore binária, adicione 1 para cada ponto que pertence a essa reta. (O(n^3))
  4. É fácil ver que a reta é uma reta de simetria do conjunto de pontos se e somente se seu valor na árvore binária for n.

O problema geométrico está no segundo passo: determinar a reta de simetria entre dois pontos. Sejam esses pontos p e q. É preciso:

  1. Determinar o ponto médio entre p e q.
  2. Determinar a reta que passa por p e q (o enunciado garante que p != q).
  3. Determinar uma reta (ou um vetor) perpendicular à reta do passo acima.
  4. Determinar a reta que passa pelo ponto médio e tem a direção do vetor perpendicular do passo 3.

Determinar o ponto médio sem usar ponto flutuante seria trivial de qualquer forma (basta multiplicar todas as coordenadas por dois), mas com coordenadas homogêneas isso é desnecessário. É fácil ver que o ponto médio m entre p = [w_0, x_0, y_0] e q = [w_1, x_1, y_1] é:

m = [ 2 w_0 w_1 , w_1 x_0 + w_0 x_1 , w_1 y_0 + w_0 q_1 ]

1
2
3
ponto ponto_medio(ponto p, ponto q) {
	return (ponto) { 2*p.w*q.w, q.w*p.x+q.x*p.w, q.w*p.y+q.y*p.w };
}

Três pontos [w_0, x_0, y_0], [w_1, x_1, y_1], [w_2, x_2, y_2] são colineares se

 \left| \begin{array}{ccc} w_0 & x_0 & y_0 \\ w_1 & x_1 & y_1 \\ w_2 & x_2 & y_2 \end{array} \right| = 0 ,

o que nos permite concluir que a reta r = \langle W, X, Y \rangle que passa por p = [ w_0, x_0, y_0 ] e q = [ w_1, x_1, y_1 ] é:

r = \langle +x_0 y_1 - y_0 x_1, -w_0 y_1 + w_1 y_0, w_0 x_1 - w_1 x_0\rangle.

1
2
3
ponto reta_determinada_por(ponto p, ponto q) {
	return (reta) { +p.x*q.y-q.x*p.y, -p.w*q.y+q.w*p.y, +p.w*q.x-q.w*p.x };
}

(um ponto [w, x, y] pertence a r se Ww + Xx + Yy = 0)

1
2
3
int ponto_na_reta(ponto p, reta r) {
	return p.w*r.w + p.x*r.x + p.y*r.y == 0;
}

Agora a parte mais legal: a fórmula para determinar uma reta que passa por dois pontos funciona com pontos no infinito (pensemos em pontos no infinito como vetores, porque eles tem direção mas tem w = 0): o resultado é a reta determinada por um ponto e uma direção. O vetor perpendicular à reta \langle W, X, Y \rangle é [ 0, X, Y ].

1
2
3
ponto ponto_infinito_na_reta_perpendicular(reta r) {
	return (reta) { 0, r.x, r.y };
}

E isso é tudo. Agora basta criar uma representação única da reta pra guardar na árvore binária.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
reta reformata_reta(reta r) {
	if (r.w < 0) {
		r.w = -r.w;
		r.x = -r.x;
		r.y = -r.y;
	} else if (r.w == 0) {
		if (r.x < 0) {
			r.x = -r.x;
			r.y = -r.y;
		} else if (r.x == 0 && r.y < 0) {
			r.y = -r.y;
		}
	}
	int d = gcd(r.w, gcd(abs(r.x), abs(r.y)));
	return (reta) { r.w/d, r.x/d, r.y/d };
}

Usando essas funções, primeiro e segundo passos da solução são:

map <reta,int> M;
for (int i = 0; i < n; i++) {
	for (int j = i+1; j < n; j++) {
		reta s = reformata_reta(reta_determinada_por(P[i], P[j]));
		ponto pm = ponto_medio(P[i], P[j]);
		ponto dir = ponto_infinito_na_reta_perpendicular(s);
		reta r = reformata_reta(reta_determinada_por(pm, dir));
		if (M.find(s) == M.end())
			M[s] = 0;
		if (M.find(r) == M.end())
			M[r] = 0;
		M[r]+= 2;
	}
}

Terceiro e o quarto são:

1
2
3
4
5
6
7
8
int output = 0;
for (map <reta,int>::iterator i = M.begin(); i != M.end(); i++) {
	for (int j = 0; j < n; j++)
		if (ponto_na_reta(P[j], i->first))
			i->second++;
	if (i->second == n)
		output++;
}

O código completo ficou com umas 90 linhas com comentários e linhas em branco e foi aceito na primeira submissão (ok, na verdade na segunda, mas não foi devido à geometria muito menos à precisão): symmetry.cpp. Não é lindo?