Arquivo da tag: godot

Em que Deus você acredita?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Uma pesquisa do Datafolha publicada hoje na Folha de São Paulo mostra que 97% dos brasileiros acreditam em Deus, 2% são agnósticos e 1% são ateus. Às vésperas da chegada do Papa Bento XVI no Brasil, 64% dos brasileiros se dizem católicos, 10% menos do que numa pesquisa realizada em 1996. 22% são evangélicos, 6% não possuem religião, 3% são espíritas e os outros 5% pertencem a outras religiões.

Acreditar em Deus… A minha professora de história me escreveu há algum tempo uma reflexão muito interessante:

Pessoalmente tenho dificuldades em definir “no que” acredito porque minhas concepções de divindade não condizem com algo que tenha uma forma definida… Não acredito no sagrado como uma coisa, mas convivo diariamente com coisas que, creio eu, são manifestações do sagrado… algo meio panteísta, entende? Não creio em um deus antropomórfico e centralista…creio que sou responsavel por meus atos e não abdico de nada por medo de um juízo final… Tenho dificuldade, no entanto, em definir com exatidão o que seria esse deus-tudo.

Falar em deus é totalmente subjetivo. Deus pode representar bons sentimentos, bons pensamentos, pode representar a humanidade… Creio que o problema da definição são as religiões que transformam Deus num “cara”, no Godot. Na minha humilde opinião, é ridículo temer um ser superior e fingir seguir leis que não são seguidas por ninguém.

Se o nosso país fosse mesmo cristão e católico não precisaríamos de governantes. A religião deveria governar todas as pessoas, porque ela já possui leis suficientes para isto. Vejam os 10 mandamentos, os sete pecados capitais… Para que haver julgamentos na Terra se todos têm certeza do Juízo Final?

Na época do Império Romano, o César era visto como um ser divino. Quando surgiu um cara dizendo ser Deus (aquele tal Jesus), César perseguiu todos os cristãos. Ele, com razão, não queria que adorassem o outro rei e as outras leis. Em 300 um fato que chama a atenção é a quantidade de vezes que os persas chamam Xerxes de divino.

A religião é o ópio do povo. Faz bem ter uma religião, participar de uma comunidade, então as pessoas acabam começando a acreditar em tudo o que é falado para elas… Como disse a Carol, igrejas são locais de paz. Como já disse Leonardo Boff, o problema da Igreja Católica é o alto escalão, mas os padres são pessoas boas que acreditam no que fazem, assim como os reais seguidores (que são menos que metade dos 64%).

Enfim, no que devemos acreditar? Bom… Justamente por religião ser uma crença não há nenhuma certeza. Creio que a religião dominante do nosso país e do mundo inteiro hoje é o cientificismo. Como já disse e repetiu o reverendo várias vezes: se acredita em Deus, não vá ao hospital. Fique em casa orando. Eu gosto da ciência, mas não acho que seja algo exato e acho que existem coisas além da ciência ou pelo menos muito longe de serem descobertas por ela. Então, na minha ingenuidade, prefiro acreditar nas pessoas sem adorar nenhum “deus a nossa imagem e semelhança” e nem um monte de caras loucos de roupa branca e óculos fundo-de-garrafa.

Criando um meme

O Mal Vicioso, melhor blog do Brasil, pela primeira vez resolveu criar um meme. E convida para responder a pergunta “Em que Deus você acredita?” os seguintes amigos blogueiros:

Onde anda Godot?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Três malacos acabaram de me inspirar para mais um post. Se minha cidade continuar do jeito que está, esse ano vocês verão vários posts sobre assaltos. A nova moda é roubar coisas do Tiago. Esses últimos foram mal-sucedidos… Eles achavam que eu tinha um celular decente, mas o cara deve ter se decepcionado com o que eu dei pra ele e jogou no chão.

Vamos julgar Deus?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Os nazistas venceram a Segunda Guerra mesmo sem o saber. Eles, sem sombra de dúvidas, provaram que Deus está morto, ou sendo otimista, está fora dos negócios. Com o extermínio sistemático de 6 milhões de judeus – o povo escolhido por Deus em pessoa eles mostraram a quem quiser ver que o Imperador está nú.

Quando Samuel Beckett escreveu “Esperando Godot”, ele estava sendo um pouco sacana e eu digo porquê: “God” como devem saber significa em inglês nada mais nada menos que “Deus”, enquanto o sufixo “-ot” em francês quando acrescentado ao final de uma frase a torna um diminutivo. Este é o motivo pelo qual Carlitos, o principal personagem de Charles Chaplin é Carlot na França. Parto do presuposto de que todos já estão de saco cheio de esperar pelo deusinho. Não trata-se de esperar. Trata-se de processá-lo.

Na verdade, 90% das pessoas em todo o mundo são ateus filhos-da-puta. Desculpe pelas palavras fortes mas quem disse que a verdade não dói? Eles somente dizem “acreditar”, mas tudo não passa de palavras vazias. Eles tem medo de perder todo o benefício social que possuem ao “acreditar” e não precisam se preocupar em serem criativas ou interessantes para serem aceitas na comunidade. Também não deixa de ser uma libertação para todas as crianças que são obrigadas a terem educação religiosa sem nunca tiverem tido uma chance de escolher.

Cada faceta da vida moderna foi planejada e realizada sem que houvesse qualquer meio de suporte invisível. Medicina, corporações, política. Nada disso funciona como se algum Deus fosse necessário a equação. No entanto cada vez mais este conceito tem sido usado para fazer as coisas erradas como se fossem certas. É hora de parar. Vamos julgar Godot.

(Rev. Ibrahim Cesar em “Julgando Godot” no Cabala 1001 Gatos de Schrödinger)

Brilhante, em especial o parágrafo sobre os “ateus filhos-da-puta”. A sociedade cria um Deus para usá-lo a seu favor justificando suas falhas e tornando todos os erros “perdoáveis”. Pouca gente tem coragem de assumir que não acredita em Deus ou que duvida de sua existência. Eu não estou em nenhum dos dois lados, mas vivo pensando e a única conclusão que eu já consegui chegar é que eu acredito num mundo melhor, na divindade das pessoas e na minha existência.

Embora o discordianismo seja ao mesmo tempo uma piada disfarçada de religião e uma religião disfarçada de piada, faço minhas as palavras do Rev. Ibrahim Cesar (não me perguntem quem é esse cara). Eu cheguei a conclusão de que o fato de Deus existir (ou não) não é importante… Por que não podemos apenas viver?