Arquivo da tag: gnu

Richard Stallman é um dos hackers mais importantes da história. Quando era estudante de doutorado em Ciência da Computação no MIT, viveu a transição dos dias em que todos os programas eram abertos para os dias em que as ideias computacionais se tornaram privatizáveis através do modelo do sofware proprietário.

Ao perceber que não tinha mais o direito de mexer no código da sua impressora para fazer ela funcionar como ele gostaria, nem poderia compartilhar os programas que gostava com seus amigos, o americano ficou preocupado com o que poderia ser a computação no futuro se esse modelo fosse o único. Não quis ser conivente. Imediatamente largou o doutorado, escreveu o sistema operacional GNU (os aplicativos que compõem o que é injustamente chamado somente de Linux e são usados na grande maioria dos grandes servidores do planeta) e lançou o GNU Manifesto, que deu origem ao software livre.

No final de 1985, Stallman fundou a Free Software Foundation (FSF) e pelos últimos quase 30 anos escreveu e viajou o mundo para divulgar o software livre e combater patentes de software, DRM e outros sistemas técnicos e legais que ameaçam a liberdade dos usuários de computador.


Julian Assange tornou-se o inimigo número 1 do imperialismo ao divulgar, através do WikiLeaks, informações que os grandes capitalistas não queriam ver divulgadas. Alguns exemplos são a explicação de mortes de civis no Iraque (incluindo o conhecido vídeo Collateral Murder, que mostra o ataque de dois helicópteros americanos a um grupo de civis em Bagdá e inclui a morte de dois jornalistas da Reuters e duas crianças), negócios diplomáticos e esquemas de corrupção envolvendo governos, bancos e grandes empresas.

O australiano encontra-se refugiado na Embaixada do Equador em Londres há mais de 1 ano. Se sair do conjunto de salas onde vive, no terceiro andar de um pequeno prédio, será imediatamente preso pela polícia britânica e extraditado para a Suécia, de onde pode ser enviado aos EUA. A situação não o fez parar de lutar. O WikiLeaks segue publicando e Assange acaba de criar o Partido WikiLeaks, na Austrália, pelo qual ele será candidato a senador nas eleições em setembro.

Além disso, lançou no final do ano passado o livro Cypherpunks (com Jacob Appelbaum, Jeremie Zimmermann e Andy Muller-Magoon), no qual discute a liberdade e o futuro da internet. O livro tem tudo a ver com os vazamentos de Edward Snowden e com a luta da qual Richard Stallman foi símbolo durante toda a sua vida. Num texto publicado há poucos dias no jornal The Guardian (que encontra-se traduzido aqui), ele fala sobre como a criptografia e o software livre são importantes na luta anti-imperialista.


O perfil do WikiLeaks no Twitter divulgou nesta madrugada que Richard Stallman e Julian Assange se encontraram ontem a noite para discutir a campanha pela liberdade de Edward Snowden e Bradley Manning.

Há uma tentativa constante de cooptar o movimento do software livre e separá-lo de outras lutas por liberdades fundamentais. Certa vez, ouvi de um ativista pelo software livre confrontado por perguntas sobre o mundo contínuo (aquele que indignou Pitágoras porque não cabe nem em infinitos bytes) que “sua luta é só para o software ser livre, não para todas as coisas”.

Por isso o encontro de Assange com Stallman é tão importante. Mais do que o encontro de dois homens, simboliza o encontro de movimentos com ideias que combinam e são fundamentais para construir outro mundo, mais livre e mais igualitário, que depende de ativistas hackers e não-hackers para se tornar real. É tempo de nos juntarmos e atuarmos em todas as frentes.

789758853

Destaques do 1º dia do 12º Fórum Internacional do Software Livre

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Seguem alguns registros aleatórios do que vi no primeiro dia (29/06) deste FISL em Porto Alegre.

Software livre

“Debater software livre não é discutir trocar Windows pra Linux. Isso é o de menos. Debater, e mais importante, militar pelo software livre, é criar redes para transformar o mundo.”

(Wilkens Lenon)

“A liberdade de software não é útil só pra quem escreve o programa, mas para todos, da mesma forma que a liberdade de imprensa não é útil só pra quem escreve, mas pra todos, porque você pode escolher o que escutar (ou o que usar).”

(Alexandre Oliva)

Cloud computing

“Onde há nuvem há tempestade. Computação em nuvem é pior do que computação privativa porque você não tem nenhuma das quatro liberdades. Mais que isso: além de não ter acesso ao programa, você não tem acesso aos seus dados.”

(Alexandre Oliva)

“Software livre rodando na nuvem é tão maléfico quanto software proprietário rodando na nuvem.”

(Rodrigo R. Silva)

Sobre Flash

“O Gnash é uma máquina virtual. O Gnash não é solução, nem que funcione. A solução é não precisar rodar uma aplicação alienígena no seu computador para assistir um vídeo.”

(Felipe Sanches)

Formatos fechados

“Delimitam, controlam, bloqueiam, aprisionam e criam dependência. Documentos não são como blocos de papel: daqui a 10 anos eu consigo ler o que está escrito num papel, mas dependo de uma empresa pra conseguir ler um formato fechado.”

(Sérgio Amadeu)

Além das citações

  1. Numa mesa sobre educação e inclusão digital, Sady Jacques mencionou que seria interessante ter fundamentos de ciência da computação nas escolas. É algo que eu acho muito importante e, entre o pessoal de OBI/Maratona, discutimos com frequência. Surgiu a ideia de lançar um abaixo-assinado.
  2. No Encontro de Hackers GNU+Linux-libre, foi discutida a importância de termos firmwares livres. Recomendou-se enviar e-mails para as empresas cobrando o código dos firmwares.
  3. Na audiência pública com Tarso Genro, Alexandre Oliva citou por minutos problemas que governos e pessoas tiveram confiando em software proprietário. São bons exemplos para habituais discussões. Não lembro de todos, mas aqui vão alguns: a guerra entre Argentina e Inglaterra em que os mísseis (comprados da França) não funcionavam contra navios ingleses; a Microsoft ter usado criptografia com apenas 40 bits nos computadores dos usuários durante anos, permitindo que o governo americano descriptografasse o que os usuários de Windows faziam; recentemente espionando conversas no Skype; o Gmail ter um backdoor para o governo dos EUA (que China usou para invadir recentemente); a Sony processando pessoas que descobriram como usar um computador para instalar o que quisessem nele (o Playstation 3); a Nintendo destruindo videogames a distância; a Amazon deletando e-books do Kindle a distância (ironicamente, o livro 1984); o iPhone e o Android anotando todos os lugares por onde o usuário passa junto com informações sobre redes sem fio e mandando para a Apple / o Google; o celular distribuído para crianças com câmera acionada pela sua escola.
  4. Na mesma audiência, Sérgio Amadeu falou da importância que tem os governos abrirem seus bancos de dados e todas as informações que têm em formato aberto e em redes P2P, sugerindo uma democracia radical em que todos os usuários da internet possam baixar rápido e processar as informações (data mining), de forma que grupos organizados (e desorganizados) possam controlar gastos e decisões públicas. Ideia interessante. Outras ideias interessantes da mesma fala, para pensar mais a respeito: analogia entre rede elétrica e a internet (alguém controla se você liga um liquidificador ou um chuveiro?); recursos educacionais abertos (professores remixam o material que usam); biotecnologia de garagem (nunca escrevi ou pesquisei muito sobre o tema, que é uma aplicação legal da cultura hacker fora do computador).

Você pode confiar no seu computador?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

De quem o seu computador deveria receber ordens? A maioria das pessoas pensam que seus computadores deveriam obedecer elas, não a outra pessoa. Com um plano que chamam de “computação confiável”, grande corporações de mídia (incluindo as companias de filmes e de gravação), junto com companhias de computação como a Microsoft e a Intel, estão planejando fazer o seu computador obedecer eles ao invés de você. (a versão da Microsoft deste esquema é chamada “Palladium”.) Programas proprietários já tiveram recursos mal intencionados antes, mas este plano fará isso universal.

Software proprietário significa, fundamentalmente, que você não controla o que ele faz; você não pode estudar o código-fonte, ou alterá-lo. Não é surpreendente que os homens de negócios espertos encontrem maneiras de usar o controle deles para pôr você em desvantagem. A Microsoft já fez isso várias vezes: uma versão do Windows foi planejada para relatar a Microsoft todos os programas instalados no seu disco rígido; uma atualização de “segurança” recente no Windows Media Player requeriu que os usuários aceitassem novas restrições. Mas a Microsoft não está sozinha: o programa de compartilhamento de música KaZaa foi projetado para que o parceiro de negócios do KaZaa pudesse alugar o uso do seu computador para os seus clientes. Esses recursos são freqüentemente secretos, mas até quando você sabe sobre eles é difícil de removê-los, já que você não tem o código-fonte.

No passado, esses eram incidentes isolados. “Computação confiável” fará isso impregnante. “Computação traiçoeira” é um nome mais apropriado, porque o plano foi feito para ter certeza que seu computador irá sistematicamente desobedecer você. De fato, ele foi projetado para fazer o seu computador parar de trabalhar como um computador para propósitos gerais. Toda operação pode necessitar permissão explícita.

A idéia técnica por trás da computação traiçoeira é que o computador inclua uma encriptação digital e um dispositivo de assinatura, e as chaves são guardadas em segredo de você. Programas proprietários usarão esse dispositivo para controlar que outros programas você pode rodar, que documentos ou dados você pode acessar, e que programas você pode passar para eles. Esses programas continuamente baixam novas regras de autorização através da internet, e obrigam essas regras a automaticamente funcionar. Se você não permitir que seu computador obtenha as novas regras periodicamente da internet, algumas capacidades irão automaticamente parar de funcionar.

É claro, Hollywood e as companhias de gravação planejam usar computação traiçoeira para “DRM” (Digital Restrictions Management), para que vídeos e músicas baixadas possam ser tocados apenas num computador espećifico. Compartilhar será totalmente impossível, a não ser usando os arquivos autorizados que você pegar dessas companias. Você, o público, deve ter a liberdade e a habilidade de compartilhar essas coisas. (Eu espero que alguém encontre uma maneira de produzir versões descriptografadas, e que faça upload e compartilhe elas, então DRM não terá sido um sucesso, mas isso não é uma desculpa para o sistema.)

Fazer o compartilhamento impossível é ruim o suficiente, mas pode ser pior. Existem planos para usar a mesma facilidade para e-mail e documentos – resultando em e-mail que aparece em duas semanas, ou documentos que só podem ser lidos nos computadores de uma companhia.

Imagine se você receber um e-mail do seu chefe dizendo a você alguma coisa que você acha arriscada; um mês depois, quando aquilo explode, você não pode usar o e-mail para mostrar que a decisão não foi sua. “Ter isso escrito” não protege você quando a ordem é escrita em tinta que desaparece.

Imagine se você recebe um e-mail do seu chefe declarando uma polícia que é ilegal ou moralmente vergonhoso, como rasgar as contas da sua empresa, ou permitir uma perigosa ameaça para o seu país a continuar sem verificação. Hoje você pode mandar isso para um jornalista e expôr a atividade. Com computação traiçoeira, o jornalista não poderá ler o documento; seu computador se recusará a obedecê-lo. Computação traiçoeira se torna um paraíso para a corrupção.

Processadores de texto como Microsoft Word podem usar sua computação traiçoeira para quando eles salvam os seus documentos, ter certeza que nenhum processador de texto concorrente possa lê-lo. Hoje nós precisamos descobrir os segredos do formato do Word por experimentos cansativos para fazer processadores de texto livres ler documentos do Word. Se o Word encriptar documentos usando computação traiçoeira quando você salva eles, a comunidade do software livre não terá a chance de desenvolver programas que leiam eles – e mais que isso, programas podem até ser proibidos pelo “Digital Millenium Copyright Act”.

Programas que usam computação traiçoeira continuarão baixando novas regras de autorização através da internet, e obrigando essas regras a funcionarem automaticamente. Se a Microsoft ou o governo dos Estados Unidos não gostar do que você disse num documento que você escreveu eles podem postar novas instruções dizendo para todos os computadores recusarem a deixar qualquer um ler aquele documento. Cada computador deverá obedecer quando baixar as novas instruções. Sua escrita estará sujeita ao estilo 1984 de retroactive erasure [1]. Você poderá não ser permitido para ler você mesmo.

Você pode pensar que você pode descobrir que coisas asquerosas uma aplicação de computação traiçoeira faz, estudar o quão ruins elas são, e decidir se quer aceitá-las. Seria ignorante e tolo aceitar, mas o ponto é que o negócio que você pensa que você está fazendo não continuará assim. Assim que você começar a depender do uso do programa, você está preso e eles sabem disso; então eles podem mudar o trato. Algumas aplicações irão automaticamente baixar atualizações que farão alguma coisa diferente – e eles não vão dar a você a opção de atualizar ou não.

Hoje você pode se prevenir de estar restrito pelo software proprietário não o utilizando. Se você usa GNU/Linux ou algum outro sistema operacional livre, e se você evita instalar aplicações proprietárias nele, então você está no comando de o que o seu computador faz. Se um programa livre tem um recurso mal intencionado, outros desenvolvedores na comunidade irão tirá-lo, e você poderá usar a versão corrigida. Você também pode rodar aplicações livres e programas em sistemas operacionais não-livres; isso não lhe dá liberdade completa, mas muitos usuários fazem isso.

Computação traiçoeira põe a existência de sistemas operacionais livres e aplicações livres em risco, porque você pode não estar habilitado a rodá-los. Algumas versões de computação traiçoeira irão precisar do sistema operacional para serem especificamente autorizados por uma companhia particular. Sistemas operacionais livres não poderiam ser instalados. Algumas versões de computação traiçoeira iriam requerir que todos os programas fossem autorizados pelo desenvolvedor do sistema operacional. Você não poderia rodar aplicações livres em qualquer sistema. Se você descobrir como, e dizer a alguém, isto poderia ser um crime.

Já existem propostas para as leis dos Estados Unidos que irão obrigar todos os computadores a suportarem computação traiçoeira, e para proibir que se conectem computadores velhos à internet. O CBDTPA (que chamamos de Consume But Don’t Try Programming Act – Consuma mas não tente o ato de programar) é um deles. Mas até se eles não forçarem você legalmente a usar computação traiçoeira, a pressão para aceitar será enorme. Hoje pessoas freqüentemente usam o formato do Word para comunicação, although isso causa vários tipos de problemas (veja “Nós podemos pôr um fim aos anexos de Word”). Se só uma máquina de computação traiçoeira puder ler os últimos documentos do Word, muitas pessoas mudarão para ele, se eles verem a situação apenas nos termos de uma ação individual (tudo ou nada). Para se opor a computação traiçoeira, nós precisamos nos juntar e confrontar a situação como uma escolha coletiva.

Para mais informações sobre computação traiçoeira, veja <http://www.cl.cam.ac.uk/users/rja14/tcpa-faq.html>.

Bloquear computação traiçoeira irá requerer um grande número de cidadãos para organizar. Nós precisamos da sua ajuda! A Eletronic Frountier Foundation e a Public Knowledge estão fazendo campanha contra computação traiçoeira, assim como o projeto Digital Speech, que é patrocinado pela FSF. Por favor visite estes sites, então você pode se cadastrar para ajudar o trabalho deles.

Você também pode ajudar escrevendo para os escritórios públicos da Intel, IBM, HP/Compaq, ou qualquer uma que você comprou um computador, explicando que você não quer ser pressionado para comprar um sistema de computação “confiável” então você não quer que eles produzam isso. Isso pode dar a luz ao poder do consumidor. Se você fizer isso por si mesmo, por favor mande cópias das suas cartas para as organizações acima.

Tentativa de tradução de Can you trust your computer?, de Richard Stallman, que achei lá no blog do Gustavo. O termo computação traiçoeira que eu usei na tradução é a treacherous computing – não encontrei tradução melhor para usar. Qualquer sugestão ou correção será bem-vinda. :)

[1] Parece-me uma referência ao livro do George Orwell. Não sei que termo devo usar para traduzir.

Linux NÃO é Windows

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Linux não está interessado em market share. Linux não tem clientes. Linux não tem acionistas, ou uma responsabilidade no rodapé. Linux não foi criado para fazer dinheiro. Linux não tem a meta de ser o sistema operacional mais popular e espalhado do planeta.

O que toda a comunidade do Linux quer é criar um sistema operacional realmente bom, cheio de recursos e livre. Se isso resultar em Linux ser um sistema bem popular, então isso é ótimo. Se isso resultar em Linux ter a interface mais intuitiva e amigável já criada, então isso é ótimo. Se isso resultar em Linux se tornar a base de uma indústria multi-bilionária, então isso é ótimo.

Isso é ótimo, mas não é o ponto. O ponto é fazer do Linux o melhor sistema operacional que a comunidade é capaz de fazer. Não para outra pessoa: para si mesmo. As tão comuns ameaças de “Linux nunca vai dominar os desktops a não ser que seja de tal maneira” são simplesmente irrelevantes: a comunidade do Linux não está tentando dominar o desktop. Eles realmente não se importam se ele ficar bom o suficiente para rodar em cima do seu desktop, desde que ele continue bom o suficiente para estar nos deles. Os gritões que odeiam a Microsoft, invejosos fanáticos pró-Linux, e fornecedores de software livre que fazem isso pra ganhar dinheiro podem falar alto, mas eles ainda são minoria.

Isso é o que a comunidade do Linux quer: um sistema operacional que pode ser instalado por qualquer pessoa que realmente o queira. Então, se você está considerando migrar pro Linux, primeiro pergunte a si mesmo se é isso mesmo que você quer.

Se você quer um sistema operacional que não seja seu motorista, mas que lhe dê as chaves, coloque você no banco de motorista, e espera que você saiba o que fazer: use Linux. Você vai ter que dedicar algum tempo para aprender como usá-lo, mas depois que você tiver aprendido, você terá um sistema operacional que você pode fazer sentar e dançar.

Se você realmente só quer Windows sem malware e problemas de segurança: leia sobre boas práticas de segurança; instale um bom firewall, detector de malware e anti-vírus; troque o Internet Explorer por um navegador mais seguro; e mantenha-se atualizado com atualizações de segurança. Há pessoas por aí (eu, inclusive) que têm usado Windows desde os tempos de 3.1 até o XP sem nunca terem sido infectados com um vírus ou malware: você pode fazer isso também. Não use Linux: ele vai falhar miseravelmente em ser o que você quer que ele seja.

Se você quer a segurança e a performance de um sistema operacional baseado em Unix, mas com uma atitude focada no cliente e uma interface famosa no mundo inteiro: compre um Mac. OS X é ótimo. Mas não use Linux: ele não vai fazer o que você quer que ele faça.

Não se trata apenas de “Por que eu deveria querer Linux?”. Se trata também de “Por que Linux deveria me querer?”

Tradução livre feita por mim da conclusão do Linux is NOT Windows, que é licenciada e pertence a Dominic Humphries.

Muito interessante o artigo do cara. Pensei em traduzir tudo, mas não tenho tempo pra isso nesse momento. Se vocês gostarem, quem sabe em janeiro eu traduza um item de cada vez e escreva vários artigos sobre isso…

Lembram que eu perguntei por que você usa o seu sistema operacional? Não foi uma pergunta pra mandar você usar algum sistema operacional específico, porque você é livre, mas para que você use o que você achar melhor sabendo fazer essa escolha.

Eu não quero usar um sistema operacional igual o Windows XP, com aqueles recursos chatos como fazer uma ação sempre que eu pluggo qualquer coisa no computador (meu pai, que usa Windows 98, sempre reclama: esse Windows XP fica abrindo um monte de coisa sem eu pedir nada!) e onde eu não controle. Eu não quero um motorista; Eu quero dirigir! E eu uso Linux porque ele me permite muitas coisas que o Windows não permite.

Quero aproveitar o artigo para citar o excelente Falcon Dark:

Nos últimos tempos os desenvolvedores dos vários sabores de GNU/Linux decidiram que era hora de desbancar o Microsoft Windows onde ele era forte: desktops domésticos e aplicações e desktops de pequenas e médias empresas. E o desenvolvimento do GNU/Linux e seus correlatos (como interfaces gráficas, programas, drivers, aplicações) passou então a seguir os passos do próprio Windows.

Gnome e KDE apresentam interfaces com funcionamento e look & feel semelhantes ao Windows. Os programas como navegadores de web (Firefox), office (OpenOffice) desenvolvimento (Eclipse, etc.) ainda que apresentem funcionalidades que seus competidores não possuam inspiram-se nas interfaces concorrentes para tratar o usuário. Tenho a impressão que isso dê-se pela idéia de que se o Firefox parecer bastante com o Internet Explorer o usuário migrará com mais facilidade, idem para o OpenOffice que em sua versão 2 abandonou sua identidade visual anterior para buscar uma identificação maior com o Microsoft Office.

Mesmo que isso proporcione uma maior facilidade de migração, traz consigo um problema. Ao seguir os passos de alguém, você está sempre atrás. Enquanto a Apple é conhecida por inovar nas interfaces de seus produtos e usa isso como seu grande diferencial as interfaces de GNU/Linux parecem sempre ser uma adaptação do desenho da última interface adotada no Windows. Fica a impressão que junto com os acertos repetiremos também todos os erros dos outros sistemas. Ser uma alternativa ao que já está implementado significa antes de tudo ser diferente do que já está implementado. As pessoas tendem a não enxergar diferenças entre coisas que são muito similares. E acabam por concluir que é igual.

E assim vai ser com tudo que os desenvolvedores Linux esperarem sair em outro sistema antes para ter certeza que dará certo. Seja com EFI, seja com novos sistemas de arquivos, com uma nova abordagem para a organização e uso do desktop, seja com um novo método de instalar programas. Se você quiser ser reconhecido por algo diferente e inovador, você deve fazer algo diferente e inovador.

O maior ponto fraco do GNU/Linux enquanto alternativa ao Windows hoje é esse: estar mais preocupado em implementar coisas que o Windows implementa do que implementar coisas novas que a Microsoft nem tenha avaliado ainda. Há muito o que fazer nessa área. Coisas como Personal Clustering ou Desktops Remotos, são coisas que em um futuro podem ser desejáveis para muitos usuários e que o GNU/Linux não poderia esperar o Windows trazer para também decidir implementar. A inovação deve estar sempre em prineiro lugar para que o Linux possa apresentar-se com um diferencial forte ao ser considerado alternativa ao Windows. E aí me dá uma saudade da Conectiva… ;-)

Tenho certeza que o Linux não decepcionará quem estiver disposto a perder um tempo pra aprender a dirigir. E para quem precisar de ajuda sempre haverá uma grande comunidade disposta a ajudar (eu inclusive). Vamos inovar! Vamos fazer o melhor sistema operacional do mundo, pra nós! Usuários não-preguiçosos de todo mundo, uni-vos!