Arquivo da tag: fnord

Calendário santo-discordiano no Fluxbox

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Acabei de implementar o calendário santo-discordiano no Fluxbox 1.1.1 (última versão).

Link para download do código: fluxbox-ddate-1.1.1-0.tar.bz2

Se você usa Arch Linux, não precisa baixar e compilar manualmente. Basta usar o pkgbuild que o Rev. Beraldo fez para o AUR: aur.archlinux.org/packages.php?ID=40364.

Se você usa Gentoo, não precisa baixar e compilar manualmente. Basta colocar o ebuild que eu fiz num overlay: fluxbox-ddate no Gentoo.

Versões compiladas .deb, .rpm, .tgz etc. e ebuilds, pkgbuilds etc. são bem vindos! Me passem que eu coloco um link aqui!

Como baixar e descompactar

Como você faria com qualquer outro pacote .tar.bz2…

$ wget http://tiagomadeira.com/wp-content/uploads/2010/08/fluxbox-ddate-1.1.1-0.tar.bz2
$ tar xjvf fluxbox-ddate-1.1.1-0.tar.bz2
$ cd fluxbox-ddate-1.1.1-0

Como compilar

Versão simples:

$ ./configure
$ make
$ make install

Versão complicada:

$ export CFLAGS=-O2 -march=native -msse4.1
$ export CXXFLAGS=$CFLAGS
$ ./configure --prefix=/usr --build=x86_64-pc-linux-gnu --host=x86_64-pc-linux-gnu --enable-nls --disable-xinerama --enable-xft --disable-gnome --enable-imlib2 --enable-slit --enable-toolbar --sysconfdir=/etc/X11/fluxbox
$ make -j3
$ make install

Encontre seu meio termo (ou use a simples) e divirta-se!

Como iniciar um Fluxbox

Inicie o X e peça pra ele abrir a versão que você compilou do Fluxbox da seguinte maneira:

$ startx /usr/local/bin/fluxbox -- :1

(Lembre-se de mudar /usr/local para o --prefix que usou no ./configure)

Esta linha funciona dentro de uma sessão do X (abre outra), por causa do -- :1.

Como usar a data discordiana

Clique com a tecla direita no relógio do seu Fluxbox e Edit clock format. Se você usar um formato de data convencional, do falso calendário (como deve estar usando no momento), nada de especial acontecerá. O segredo está no |fnord|.

Quando você coloca um |fnord| no formato, o Fluxbox interpretará tudo que veio antes como formato de data discordiano.

(Para escolher o formato de data ideal, você pode digitar man ddate num terminal.)

Exemplos de uso:

  • Formato: %c → Saída: Sat 28 Aug 2010 11:50:26 PM BRT
  • Formato: %e of %B of %Y|fnord| → Saída: 21st of Bureaucracy of 3176
  • Formato: %d %b %Y|fnord|, %H:%M:%S → Saída: 21 Bcy 3176, 23:50:26
  • Formato: %.|fnord| → Saída: All Hail Discordia!

Dúvidas, sugestões?

Contate a glândula pineal.

Como funciona o código?

O Fluxbox usa a função strftime para formatar a data do relógio. Isso acontece na linha 274 do arquivo src/ClockTool.cc. Modifiquei este trecho do código adicionando cerca de 23 linhas que separam a string do formato de data no |fnord| e passam o que vem antes dele como parâmetro para uma chamada de sistema pro ddate (sim, de fato pra próxima versão é melhor copiar o código do ddate ou reimplementar pra não ter este overhead) e o que vem depois continua indo pro strftime.

Ficou assim:

char s[255], u[255];
strcpy(s, m_timeformat->c_str());
char *t = strstr(s, "|fnord|");
time_string_len = 0;
if (t != NULL) {
	*t = '�';
	sprintf(u, "ddate +'%s'", s);
	FILE *ddate = popen(u, "r");
	if (fgets(time_string, 255, ddate)) {
		time_string_len = strlen(time_string);
		time_string[--time_string_len] = '�';
		fclose(ddate);
	}
	t+= 7;
} else {
	t = s;
}
time_string_len+= strftime(&time_string[time_string_len], 255 - time_string_len, t, time_type);

Known bugs

  1. Colocar ‘ (aspas simples) no lado esquerdo do |fnord| faz com que a data discordiana não apareça.
  2. Requer util-linux-ng e faz uma chamada de sistema ao ddate uma vez por segundo.
  3. Não trabalha ainda com horas métricas.
  4. … me informe se achar mais algum!

Screenshots

Screenshot 0

Screenshot 1

Screenshot 2

Um sermão sobre ética e amor

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

One day Mal-2 asked the messenger spirit Saint Gulik to approach the Goddess and request Her presence for some desperate advice. Shortly afterwards the radio came on by itself, and an ethereal female Voice said YES?

“O! Eris! Blessed Mother of Man! Queen of Chaos! Daughter of Discord! Concubine of Confusion! O! Exquisite Lady, I beseech You to lift a heavy burden from my heart!”

WHAT BOTHERS YOU, MAL? YOU DON’T SOUND WELL.

“I am filled with fear and tormented with terrible visions of pain. Everywhere people are hurting one another, the planet is rampant with injustices, whole societies plunder groups of their own people, mothers imprison sons, children perish while brothers war. O, woe.”

WHAT IS THE MATTER WITH THAT, IF IT IS WHAT YOU WANT TO DO?

“But nobody wants it! Everybody hates it.”

OH. WELL, THEN STOP.

At which moment She turned herself into an aspirin commercial and left The Polyfather stranded alone with his species.

Este texto é parte integrante do Principia Discordia. É proibido vendê-lo separadamente.

Lewis Carroll é discordiano

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Chega de enrolação. Criei coragem para falar e começarei pelo começo, continuarei depois até chegar ao fim e então pararei.

Alice in Wonderland

O Mal Vicioso vem lhes informar por meio deste post que “Alice no país das maravilhas” não é um livro para crianças por ser simples e não fazer sentido algum. Ele é simplesmente brilhante e talvez as crianças sejam as poucas que conseguem compreendê-lo por ainda estarem na ponta dos pêlos do coelho branco.

Qual a relação entre um corvo e uma escrivaninha? Não precisa responder, apenas pense.

O objetivo de Alice não é informar, mas confundir um pouco afim de fazer pensar. A história é uma grande operação mindfuck confabulada em 1894 e provavelmente inspirada pelo posterior Principia Discordia que foi escrito por Mal-2 nos anos 60.

A lógica do autor é absolutamente absurda e os diálogos e poemas nos levam a pensar: afinal, o que é o louco e o que é o padrão?

Nietzsche escreveu em “Além do bem e do mal” que a loucura é algo raro em indivíduos mas que em certas épocas e sociedades é a norma. Talvez nós é que sejamos loucos e os personagens maravilhosos sejam a realidade. Ou talvez sejamos nós os personagens maravilhosos. Quem sabe?

Operação Mindfuck neste sábado!

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Museu histórico de Itajaí

Na expectativa de difundir mais o nome da Deusa em Itajaí, o Rev. Schneider sugeriu que realizássemos mais uma operação mindfuck neste sábado, 23 de junho. A idéia é evocar coletivamente Éris na frente do museu histórico de Itajaí (aquela construção bonita que você pode ver na outra operação mindfuck) para que um busto comece a falar!

Vamos fazer isto sábado de manhã, porque é quando todo mundo sai para fazer compras… Tá todo mundo convidado. Sábado, às 9h00, no calçadão de Itajaí (rua Hercílio Luz), na frente do museu. Tragam seus Principias!

Viva a discórdia, todos salvem Éris!