Arquivo da tag: blogs

Escreva um blog e compartilhe suas ideias

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 5 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

O crescimento da internet em todo o planeta expressa a necessidade da nossa geração de experimentar meios de comunicação diferentes dos que a mídia tradicional nos propõem. A sociedade é cada vez mais dependente dessa rede, que conecta as pessoas das mais distantes localidades em tempo real.

A internet não é a mesma de dez anos atrás. Uma conexão hoje é condição necessária para a utilidade de um computador e a rede está cada vez mais presente em diferentes dispositivos, em especial nos celulares. A web é hoje o espaço das aplicações e dos serviços: um espaço virtual aparentemente infinito para onde você faz upload de toda a sua vida. Você usa a internet para ouvir músicas, baixar filmes, editar documentos, conversar com amigos, pagar contas, planejar viagens, organizar calendário, ver mapas, guardar fotos, entre muitos outros usos. Porém, o principal deles continua sendo compartilhar, ou seja, difundir ideias.

Compartilhar sempre foi o cerne da internet. Desde a criação dos primeiros sites pessoais, passando pelos blogs e por ferramentas que auxiliam a sua criação, chegando às mais diferentes ferramentas de redes sociais. Por isso, a disputa da rede é feita através das brigas em torno do compartilhamento: o que pode e não pode compartilhar, o anonimato necessário para compartilhar verdades inconvenientes, a neutralidade dos serviços contra o filtro do que passa e não passa pela rede.

Por um lado, temos aqueles que defendem uma internet mais restrita e com menos liberdade, isso é, com mais cara de TV. A censura do Wikileaks, juntamente com a perseguição a Julian Assange, e os projetos de lei SOPA/PIPA (EUA), Sinde (Espanha), Lerras (Colômbia) e Azeredo (Brasil) foram os casos que mais chamaram atenção nos últimos tempos.

Por outro lado, tecnologias estão sendo construídas e superadas em tempo recorde para tornar o compartilhamento mais fácil. Os levantes recentes no Oriente Médio demonstraram a eficácia da internet em ajudar ativistas políticos e sociais a organizarem protestos, disseminarem informações para o público e enviarem notícias de prisões e repressões ao restante do mundo. Do ponto de vista da tecnologia, o Facebook, pela sua capilaridade, é hoje a maior expressão da internet de curtir e compartilhar.

A rede de Mark Zuckerberg teve papel destacado em importantes acontecimentos sociais e políticos do ano passado. Há vários exemplos. Organização e divulgação dos protestos que culminaram na queda de Hosni Mubarak no Egito. Construção do movimento 15-M da juventude da Espanha e de outros movimentos de indignados por todo o planeta. Surgimento do movimento Occupy Wall Street nos EUA. Aqui no Brasil, difusão de diversos atos contra o aumento da passagem de ônibus, Marcha da Liberdade, Marcha das Vadias, Fora Ricardo Teixeira, entre outros.

A internet de hoje não é a mesma do ano passado. Pelo seu funcionamento democrático e pela sua dimensão global, ela muda muito rápido. Por isso, cabe a nós experimentar o tempo todo novas formas de explorar o ciberespaço para aproveitar todo o seu potencial viralizante e discutir ideias que nos auxiliem na construção de instrumentos de mudança social que organizem mais e mais pessoas ao redor do mundo.

Embora o Facebook seja uma ferramenta de utilidade incontestável, sua hegemonia tem me preocupado. Não pelo motivo que sempre leio por aí (o de estarmos compartilhando toda a nossa vida com uma empresa que não tem uma política de privacidade muito razoável), mas principalmente por outros dois: seu caráter efêmero e seus algoritmos que nos separam em bolhas.

Achar algo que você leu no mês passado no Facebook é um pesadelo. Ainda que você lembre quem foi que compartilhou ou em que grupo, você precisa andar e andar na barra de rolagem até fazer seu cooler começar a gritar de tanto processamento de JavaScript para encontrar o que você queria. No caso de querer encontrar comentários ou uma coisa que você não lembra quem foi que postou, é difícil até imaginar por onde começar. Os posts do Facebook não são indexados por sites de busca e suas mensagens vão ficando sufocadas embaixo de uma pilha que cresce quanto mais você usa a rede social. Por mais que exista a tentativa da linha do tempo para você navegar por anos e meses, é inegável que o Facebook é a rede social do que está acontecendo e não do que aconteceu.

Além disso, sua rede de amigos no Facebook é muito limitada. Primeiramente porque você só pode ter 5000 amigos (mais assinantes, é verdade), mas principalmente porque uma porcentagem muito pequena deles efetivamente vêem o que você posta. Vou dar um exemplo: De julho a outubro publiquei todos os dias atualizações de status sobre as eleições municipais no meu perfil divulgando as propostas dos meus candidatos. Na véspera das eleições, mandei e-mails e mensagens no Facebook para grande parte dos meus contatos pedindo voto neles. Várias pessoas ficaram felizes com a recomendação e disseram que até receberem a mensagem nem sabiam que eu estava envolvido na campanha do PSOL.

Faz sentido. O algoritmo do Facebook provavelmente seleciona postagens de temas que você se interessa (costuma postar, curtir, comentar, compartilhar) para você ler. Os posts sobre banana tendem a ser visualizados por quem gosta de banana. Aí você fica fazendo propaganda de bananas para seus amigos bananeiros. Bom para receber curtidas e melhorar sua auto-estima, ruim se você quer discutir as vantagens da banana com mais pessoas que não são do seu grupo de estudos sobre banana. Além de que tem um monte de gente que gosta de banana, mas nunca vai ver seus posts simplesmente porque não é seu amigo.

Passei os últimos anos escrevendo muito no Facebook. O Facebook certamente é uma ferramenta muito importante, mas estou convencido de que ele tem um potencial infinitamente maior se caminhar junto com a escrita de blogs. Posso citar pelo menos três motivos:

  1. Os blogs divulgam mensagens menos efêmeras e com mais conteúdo. Por isso, são espaços mais adequados à formulação e ao registro de ideias (que certamente não devem deixar de ir para as redes sociais para serem disseminadas nas bolhas).
  2. Os blogs são indexados pelo Google. Com isso, aparecem nos resultados das buscas de quem se interessa pelas coisas que escrevemos e seus links fortalecem os sites que queremos difundir para o mundo através do aumento do seu pagerank.
  3. Os blogs não só enviam mensagens, mas iniciam conversações. Posts em blogs geram não só reflexões, mas comentários, posts em outros blogs e discussões nas redes sociais.

Tenho uma rede de amigos que escreve coisas muito legais nas redes sociais. Debate os temas da atualidade, formula política, faz críticas inteligentes sobre uma porção de assuntos relevantes. Há muitas (bilhões, eu diria) pessoas que não leio no Facebook, que talvez leiam este post e que certamente também têm muito a contribuir para o saudável debate de ideias que precisamos travar o tempo todo para mudarmos as pessoas e mudarmos o mundo. Esses comentários merecem e precisam superar as fronteiras dos algoritmos do Facebook para gerar mais discussão e influenciar outras pessoas. Por isso, escrevo para fazer o convite: escreva um blog e compartilhe suas ideias!

Tem um blog? Compartilhe um link dele nos comentários.

Vamos botar a mão na massa?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Tem muita gente receosa com essa história de mudar o mundo criando um partido político: o PBlog. A idéia começou como uma brincadeira; foi se desenvolvendo e o Reverendo, sem mais demora, criou uma wiki e um grupo para o projeto.

Os pessimistas estão se preocupando com o lance dar errado e não conseguirmos fazer nada. É porque tem que conseguir as assinaturas, preparar a papelada, etc, etc. Mas sinceramente, que dê errado! Qual o problema? Pelo menos vou poder dizer que tentei mudar o mundo. Existe tanta gente criticando, mas essa é uma oportunidade única: uma chance de protestar contra a política ridícula do Brasil com uma manifestação pacífica e bem humorada que ainda ensinará a várias pessoas no mundo o que são blogs. Então, convoco-os… Blogueiros de todo mundo: uni-vos. Como disse John Lennon:

Para mudar o mundo dos engravatados devemos vestir as gravatas.

Come on, don’t be shy! Entre no grupo, na wiki, participe, se orgulhe por pelo menos tentar mudar alguma coisa.

Tag: Objetivos para 2007

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

O reverendo e o Felipe me convidaram pra participar da tag que está rolando por aí sobre os objetivos pra 2007. O Ibrahim disse que precisam ser cinco objetivos que podem se concretizar, então não vão ser tão interessantes como poderiam. Eu já postei “objetivos” como previsões para 2007, mas vão aqui de novo pra participar da brincadeira… e agora já estão atualizados.

Objetivo #1 – Blogs

Ganhar 50 dólares por mês com Adsense e 15 reais por mês com o Buscapé. É um objetivo bem “pé-no-chão”, que eu pretendo que aconteça desde janeiro. Em dezembro eu quero estar ganhando no mínimo 200 dólares por mês com o Adsense e 60 reais por mês com o Buscapé.

Objetivo #2 – Competições

Participar da Olimpíada Internacional de Informática na Croácia. Eu já tento há três anos e já cheguei perto de conseguir participar de uma olimpíada internacional em 2005. Creio que esse ano seja um bom momento para eu chegar lá, só preciso estudar mais.

Participar do Desafio Nacional Acadêmico e realizar o desafio com um desempenho melhor do que o do ano passado.

Objetivo #3 – Vestibular

Passar no vestibular na UNICAMP.

Objetivo #4 – Mal Vicioso

Fazer o Mal Vicioso deixar de ser um monólogo, ele deve se tornar um local de discussões. Todo comentário é um complemento importante ao post! Será que convém mudar o seu tema? Não sei, mas acho que ele deve ter mais interação.

Objetivo #5 – Todos os meus convidados devem aceitar a tag

Meu quinto objetivo é os convidados aceitarem a tag e publicarem seus cinco objetivos. E os convidados são…

(em ordem alfabética, não de importância ou algo do gênero)

  • Bruno Torres, um cara que leio há muito tempo. Escreve muito bem e fala de programação, desenvolvimento web e Linux.
  • Carol Peters. Além de a única mulher na minha lista, é uma filósofa, uma pessoa perfeita, cheia de idéias e pensamentos que visam melhorar o nosso mundo. A representação do divino na Terra. Tenho elogios pra mais de um post inteiro.
  • César Kawakami, excelente matemático e programador. Conheci ele nos cursos da OBI. Manja muito dessas ciências exatas e acabei de ver que ele passou no ITA. Parabéns!
  • Elcio Ferreira. Eu comecei a ler o fecha-TAG em 2005 pelo Tableless. Hoje é um dos meus blogs preferidos. O Elcio, além de falar sobre desenvolvimento web, fala bastante sobre as vantagens do Linux.
  • Vinicius Silva. Eu não sou muito de jogar, mas adoro ler sobre as novidades na tecnologia dos video-games. Eu sempre penso: “tenho que comprar um desses!”, mas nunca tenho tempo (tempo é dinheiro) pra isso. De qualquer maneira, o Oito Bits é um excelente site sobre jogos que eu gosto muito de ler e acho que ainda não estava participando da tag.

Qual é o segredo do sucesso?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Aquele problogger carioca falou sobre divulgar estatísticas de visita do blog para o público. Interessante… Não sei como esses caras conseguem tanta visita! E o Rafael já comenta falando de seus 490.000 unique visitors por semana… Exibido… ;)

Acho que problogger que tá interessado em anúncios diretos deve tornar pública a sua visitação. Eu ainda não tenho essa veleidade (só pra usar uma palavra nova, signifca pretensão), mas também não tenho vergonha de dizer que eu não passo de 250 unique visitors por dia com esse site, 100 no Mal Vicioso e uns 80 no Algoritmos… Até porque, pra esse último, esse número é ótimo, já que ele está sem ser atualizado há um ano.

Pelo menos, as visitas de todos eles estão num movimento progressivo acelerado… Mas eu preciso saber… Probloggers brasileiros, o que vocês fazem pra atrair tanta gente (além de escrever)?

Profissão antiga

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

“Blogueiros foram inventados em 300 a.d.C. e eram originalmente chamados ‘monges’. Como seus descendentes distantes, os monges tinham cortes de cabelo horríveis e nunca transavam.”

Tirei daqui

A Blogosfera Brasileira de 2006

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Ao invés de fazer uma retrospectiva de 2006, resolvi agradecer aos blogueiros brasileiros pelo magnífico trabalho que eles fizeram neste ano para participar da brincadeira do Darren Rowse. A nossa blogosfera está cada vez funcionando melhor e o ano que vem deve ser ainda melhor.

Eu resolvi escolher os 10 blogs da minha lista de feeds que eu mais gosto de ler. Não foi uma escolha fácil… No começo eu tinha separado quase 50 blogs, fui cortando e agora cheguei a 10. O critério foi não ter critérios. Escolhi os blogs que eu mais gosto de ler no momento, sobre temas variados. E coloquei-os em ordem alfabética…

Vale a pena ler o que esses caras escrevem! Confiram…

Os 10 melhores blogs

2007 será O Ano dos Blogs! Mesmo não estando nessa lista, se você está nos meus feeds é porque eu gosto do seu trabalho. Agradeço a todos os blogueiros brasileiros pelo o que eles estão fazendo com a internet: um espaço aberto, livre e democrático; com liberdade de expressão e discussão. Keep posting… :-)

Por que não comentam?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 11 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Eu estava precisando de férias… Agora estou voltando a ler, a escrever, a trabalhar e a estudar. Durmo tarde, acordo cedo, passo o dia fazendo várias coisas ao mesmo tempo, misturando lazer e o freelance que eu preciso acabar pro final do mês. É muito bom, dá uma sensação de estar aproveitando o tempo e aprendendo (algo que é difícil na escola – leia os comentários também) :-)

Voltei a atualizar meu blog, criei outro com a Carol, tem outro especificamente sobre algoritmos e olimpíadas que deve sair no final do mês (na real, se eu pegasse ele pra acabar hoje eu acabaria, mas eu quero esperar um pouco) e estou planejando outro com um amigo. :-) É muito bom escrever e é melhor ainda ler (que é o que mais motiva a escrever). Passo o dia lendo meus feeds sem compromisso e quando acho algo legal escrevo alguma coisa.

Preciso mudar o design desse blog, urgentemente! E também preciso colocar Adsense nele (não sou um Cardoso, mas meus pouco mais de 100 visitantes diários nesse blog podiam me render uma graninha boa, combinado aos adsenses dos outros).

Mas… A pergunta que eu venho fazer nesse post é: Por que as pessoas lêem e não comentam nos blogs?

O Analytics não mente e nem as pessoas que me dizem que leram e gostaram de um texto, e às vezes vêm comentar na vida real. Por que elas não podem comentar no site? As pessoas têm medo de dar suas opiniões e discutir na internet? Eu escrevo bastante merda aqui (veja meus últimos posts sobre o discordianismo e sobre Deus); vocês podem se sentir a vontade para discordar de mim e para discutir comigo. Ou pra concordar também! :-) Anyway, o blog tem uma razão pra permitir comentários; os comentários existem porque discussões são valorizadas em blog. Blogs não podem se tornar um monólogo!

Então, por favor, me expliquem comentando esse post: Por que as pessoas não comentam? E o que eu posso fazer pra elas comentarem? Façam a felicidade do meu dia, escrevam alguma coisa na caixinha aí em baixo. :-)