Arquivo da tag: apple

A decisão da juíza que bloqueou o acesso de todo país ao WhatsApp é uma ameaça à nossa segurança.

Segundo o G1, ela pede que o Facebook implemente um backdoor para que mensagens sejam passadas para a justiça em tempo real ou que use algoritmos mais fracos que possam ser quebrados.

Argumenta que “se as decisões judiciais não podem ser efetivamente cumpridas, o serviço não poderá ser mais prestado, sob pena de privilegiar inúmeros indivíduos que se utilizam impunemente do aplicativo WhatsApp para prática de crimes diversos.”

Esse discurso é raso e desconsidera fundamentos de segurança digital e criptografia. Uma das melhores respostas a ele foi dada por Tim Cook quando o FBI pediu que a Apple hackeasse o iPhone de um suspeito no atentado de San Bernardino.

Abrir brechas de segurança num aplicativo usado por mais de 1 bilhão de pessoas coloca a segurança de todos nós em risco. Já os criminosos podem simplesmente usar outras ferramentas não tão populares para garantir a privacidade deles.

(E espero que esteja fora de questão proibir pessoas de rodarem os programas que quiserem para se comunicar)

Publicado originalmente no Facebook.

Empresa

Originalmente publicado no Facebook às 21h45 (UTC-8) da quarta-feira 08/02. Um pouco modificado pra registrar no blog.

Até queria falar do sol e da manhã de carnaval (a canção do Orfeu Negro tocava na Starbucks, com letra em português, quando entrei lá hoje), das crianças que caminhavam pra escola, das moças de bicicleta que pilotavam na direção oposta, do piano de cauda numa casa com porta aberta (eu quase entrei pra tocar, mas fiquei com medo de ser preso), da forma diferente como as pessoas aqui se relacionam, do céu estrelado e dos olhos das ruas às 19h00, mas (maldito jet lag!) são só 21h20 e já estou morrendo de sono pra escrever sobre essas coisas românticas agora (e, além do mais, no Brasil acho que deve estar todo mundo dormindo mesmo, já que aí são 3h20).

Então: Agora que já deixei registrado que essas coisas aconteceram (estou me sentindo mais ou menos como quando cheguei em São Paulo notando essas coisas pequenas), escreverei sobre coisas mais diretas mesmo (também interessantes, na minha opinião) e, mais precisamente, sobre o estágio.

Voltei há pouco do primeiro dia na empresa. Fui muito bem recebido. Há gente de todo lugar. Almocei com um alemão, um búlgaro e um americano. Do meu lado senta um espanhol. Já conhecia daqui um egípcio. Conheci também um canadense. Todos muito simpáticos, aparentemente ótimos programadores, dispostos a conversar e a ensinar o que estão fazendo.

Meu desktop é o maior computador que já vi. A resolução é algo como 2560×1600. É quatro vezes a tela que estou acostumado (o louco é que todo mundo na empresa usa dois monitores desse tamanho!). Roda Ubuntu.

O laptop que me deram é um MacBook Pro (roda Mac).

Passei o dia configurando os computadores; resolvendo a papelada; conhecendo as pessoas; usando, conhecendo e lendo partes do código do imo.im (aliás, a partir de quando arranjar um celular acho que vou passar o dia online em todos os mensageiros instantâneos que uso pelo aplicativo do imo.im pra Android, que achei o máximo).

A empresa tem lanches e refrigerantes de graça. Todos os dias também oferece almoço ou jantar. É bem localizada e é perto de casa, tem várias bolas (de basquete, futebol, vôlei), uma mesa de sinuca, aparelhos de ginástica (falando nisso, me ofereceram academia), gostei bastante do ambiente.

Próximos passos mais burocráticos por lá: social security number, plano de saúde, resolver o complicado formulário W-4 e descobrir quanto vou pagar de imposto.

O mais importante e aí não mais burocrático: descobrir o que vou desenvolver. Me parece que vai ser bem legal.

Terminada a propaganda (acho que sou facilmente impressionável) e mudando de assunto pra algo ainda nerd (na verdade, mais nerd), mas não-tão-relacionado: amanhã às 8h00 (14h00 em São Paulo) tem single round match do TopCoder. Vou fazer antes de ir trabalhar se estiver acordado e disposto. (nota da reedição pro blog: não fui muito bem, mas paritcipei :)) Participem aí, pessoas que tão no acampamento em Campinas e demais maratonistas!

No mais, até me acostumar com a dinâmica da empresa e com o fuso horário, acho que só vou conseguir aproveitar bem o tempo livre do fim de semana.

Quero muito bolar uma estratégia pra me aproximar dos estudantes de Stanford pra ter com quem tomar uma cerveja conversando sobre aleatoriedades e descobrir como é a universidade aqui.

Por falar em Stanford, só hoje lembrei que é a universidade do grande Donald Knuth.

Melhor parar de escrever antes que eu caia em cima do teclado de sono e que o texto fique tão grande que ninguém leia.