Arquivo da categoria: Pensamentos aleatórios

Year Zero

Hoje de manhã o WikiLeaks começou a publicar a maior série de vazamentos da CIA da história, “Vault 7”.

A primeira parte, publicada hoje, se chama “Year Zero” e tem 8761 documentos da divisão hacker da CIA: mais páginas do que todos os vazamentos de Snowden sobre a NSA publicados desde 2013.

Como diz o release para a imprensa:

“Recently, the CIA lost control of the majority of its hacking arsenal including malware, viruses, trojans, weaponized “zero day” exploits, malware remote control systems and associated documentation. This extraordinary collection, which amounts to more than several hundred million lines of code, gives its possessor the entire hacking capacity of the CIA. The archive appears to have been circulated among former U.S. government hackers and contractors in an unauthorized manner, one of whom has provided WikiLeaks with portions of the archive. “Year Zero” introduces the scope and direction of the CIA’s global covert hacking program, its malware arsenal and dozens of “zero day” weaponized exploits against a wide range of U.S. and European company products, include Apple’s iPhone, Google’s Android and Microsoft’s Windows and even Samsung TVs, which are turned into covert microphones.”

[Em engenharia de software, uma vulnerabilidade “zero day” é uma vulnerabilidade desconhecida pelos desenvolvedores de software]

Os documentos vazados têm vários manuais de operação da CIA (organizados num tipo de wiki interno) e explicações de como vários sistemas funcionam, que falhas eles têm e como explorá-las.

A imagem é um quadro com os exploits que eles usam para invadir diferentes versões do iOS (sistema operacional usado pelo iPhone). É um screenshot dessa página.

A consequência do vazamento é, por um lado, uma democratização das ciberarmas da CIA. Por outro, a obsolescência delas e, consequentemente, enfraquecimento da agência. De um lado um extenso arsenal de armas da CIA pode estar sendo usado por outros agentes para invadir nossos computadores e celulares. De outro a CIA perde a vantagem que tinha e a médio prazo essas falhas tendem a ser corrigidas por atualizações dos sistemas.

“Still working through the publication, but what @Wikileaks has here is genuinely a big deal. Looks authentic.”

(Edward Snowden sobre o vazamento)


Update (15h52):

Um dos documentos da CIA vazados pelo WikiLeaks é uma lista de coisas que os desenvolvedores de malware devem fazer e não fazer. Tem dicas como:

  • DO NOT leave dates/times such as compile timestamps, linker timestamps, build times, access times, etc. that correlate to general US core working hours (i.e. 8am-6pm Eastern time)
  • DO NOT use US-centric timestamp formats such as MM-DD-YYYY. YYYYMMDD is generally preferred.

(entre muitas outras)

Se os caras se preocupam com isso, “evidências” podem apontar que um software escrito pela CIA tenha sido feito, sei lá, por russos…


Update (17h43):

A nota da Open Whisper Systems sobre o #Vault7 é otimista e mostra como, contraditoriamente, estamos avançando em segurança digital:

“A reportagem CIA/WikiLeaks de hoje é sobre colocar malware nos telefones; nenhum dos exploits é no Signal ou quebra a criptografia do protocolo do Signal. A reportagem não é sobre Signal ou WhatsApp, mas na medida em que ela é, nós a vemos como a confirmação de que o que estamos fazendo está funcionando. Criptografia de ponta a ponta em toda parte está empurrando as agências de inteligência da vigilância em massa não detectável para ataques caros, de alto risco e direcionados.”

Discussão sobre notícias falsas

As eleições municipais no Brasil foram repletas de boatos contra as candidaturas do PSOL.

Luciana Genro foi atacada o tempo todo por compartilhamentos de notícias falsas que a acusavam de todo tipo de absurdo. Marcelo Freixo chegou até a ter que lançar um site “A Verdade sobre Freixo” devido à enorme quantidade de farsas.

É necessário pensarmos em formas de combater essa boataria.

Por um lado me parece interessante que a mídia americana, chocada com a vitória de Trump contra Clinton, esteja refletindo sobre isso e pressione o Facebook para combater esse tipo de desinformação.

Por outro, é necessário ter as ressalvas de que soluções como subir no ranking os sites da mídia tradicional pode ser nefasto para movimentos e mídia alternativa, e que uma abordagem anti-abuso baseada em feedback na própria plataforma tem que ser bem planejada para não possibilitar coisas como um grande número de robôs da direita censurar um conteúdo legítimo nosso denunciando como fake, por exemplo.

Update (16/11/2016, 19h47): Facebook e Google declaram guerra aos sites de notícias falsas

Publicado originalmente no Facebook.

Hoje completa 62 anos a morte de Alan Turing, personagem fundamental da história da computação e um dos maiores gênios do século XX.

Turing formalizou os conceitos de “algoritmo” e “computação” ao criar a máquina universal abstrata que serve de modelo para nossos computadores digitais.

Além disso, inaugurou a inteligência artificial através de um famoso artigo, “As máquinas podem pensar?”, que propõe um teste que tentamos vencer até hoje.

Não bastasse as contribuições mais teóricas, historiadores estimam que a Segunda Guerra Mundial foi encurtada em dois anos devido aos aliados conseguirem decodificar mensagens criptografadas pela Enigma, operação na qual Turing teve papel determinante.

Porém, apesar da vitória contra os nazistas, da criação do computador e da inteligência artificial, Turing foi submetido à castração química porque a sociedade não aceitava sua orientação sexual. Se envenenou aos 42.

As lutas da população LGBT são necessárias. Todo apoio!

Publicado originalmente no Facebook.

WhatsApp anuncia criptografia de ponta a ponta

A criptografia de ponta-a-ponta do WhatsApp, muito aguardada por mais de um ano, é uma ótima notícia para a nossa privacidade. Ser de ponta-a-ponta significa que, a partir de agora, nenhum intermediário consegue ler ou ouvir nossas conversas, nem mesmo o próprio WhatsApp.

Tecnicamente, o celular A encripta cada uma das mensagens que envia diretamente com a chave pública do celular B; ou seja, é como se a mensagem fosse protegida por um cadeado que apenas o celular B pode abrir. A segurança de que só B pode abrir é garantida pela dificuldade de problemas matemáticos antigos que a humanidade não sabe como resolver de forma eficiente, como fatorar um número composto grande em primos ou encontrar o logaritmo discreto sobre um grupo bem escolhido.

A implementação do WhatsApp foi desenvolvida em conjunto com a Open Whisper Systems, empresa muito respeitada e conhecida pelo Signal, aplicativo que é recomendado por Edward Snowden, Laura Poitras e Bruce Schneier, entre outros especialistas em privacidade e criptografia. Alguns detalhes dessa parceria e da implementação foram explicados no blog da Open Whisper Systems e na página de segurança do WhatsApp.

Diferentemente da implementação do Telegram, a do WhatsApp suporta criptografia de ponta a ponta em chats em grupo, anexos, mensagens de voz e chamadas de voz nas várias plataformas nas quais ele está disponível (incluindo até o Nokia S40). Além disso, as conversas são automaticamente encriptadas, i.e., não é preciso fazer nada para usar criptografia de ponta a ponta (como se faz no Telegram com a criação de secure chats).

Dessa forma, para quem se preocupa com grampo, não existe motivo de segurança para se preferir o aplicativo russo, ainda que possam existir vários outros motivos ignorando-se a questão da segurança (suporte a grupos com até 5000 pessoas, stickers, links para pessoas se adicionarem a grupos, nicknames etc).

A única questão ainda não resolvida pela qual eu acho que alguns poderiam preferir Telegram é a trivial auto-destruição de mensagens. Esse simples recurso ajuda os usuários a não guardarem as mensagens recebidas nos seus próprios celulares, protegendo-os no caso em que seus celulares são invadidos tempos depois de mensagens terem sido recebidas (seja por meios virtuais — tipo uma falha no Android — ou físicos — tipo a polícia). Acho esse recurso legal, mas não suficiente para preferir o Telegram sobre a implementação de criptografia ponta-a-ponta mais confiável e completa lançada pelo WhatsApp.

Publicado originalmente no Facebook.

Richard Stallman é um dos hackers mais importantes da história. Quando era estudante de doutorado em Ciência da Computação no MIT, viveu a transição dos dias em que todos os programas eram abertos para os dias em que as ideias computacionais se tornaram privatizáveis através do modelo do sofware proprietário.

Ao perceber que não tinha mais o direito de mexer no código da sua impressora para fazer ela funcionar como ele gostaria, nem poderia compartilhar os programas que gostava com seus amigos, o americano ficou preocupado com o que poderia ser a computação no futuro se esse modelo fosse o único. Não quis ser conivente. Imediatamente largou o doutorado, escreveu o sistema operacional GNU (os aplicativos que compõem o que é injustamente chamado somente de Linux e são usados na grande maioria dos grandes servidores do planeta) e lançou o GNU Manifesto, que deu origem ao software livre.

No final de 1985, Stallman fundou a Free Software Foundation (FSF) e pelos últimos quase 30 anos escreveu e viajou o mundo para divulgar o software livre e combater patentes de software, DRM e outros sistemas técnicos e legais que ameaçam a liberdade dos usuários de computador.


Julian Assange tornou-se o inimigo número 1 do imperialismo ao divulgar, através do WikiLeaks, informações que os grandes capitalistas não queriam ver divulgadas. Alguns exemplos são a explicação de mortes de civis no Iraque (incluindo o conhecido vídeo Collateral Murder, que mostra o ataque de dois helicópteros americanos a um grupo de civis em Bagdá e inclui a morte de dois jornalistas da Reuters e duas crianças), negócios diplomáticos e esquemas de corrupção envolvendo governos, bancos e grandes empresas.

O australiano encontra-se refugiado na Embaixada do Equador em Londres há mais de 1 ano. Se sair do conjunto de salas onde vive, no terceiro andar de um pequeno prédio, será imediatamente preso pela polícia britânica e extraditado para a Suécia, de onde pode ser enviado aos EUA. A situação não o fez parar de lutar. O WikiLeaks segue publicando e Assange acaba de criar o Partido WikiLeaks, na Austrália, pelo qual ele será candidato a senador nas eleições em setembro.

Além disso, lançou no final do ano passado o livro Cypherpunks (com Jacob Appelbaum, Jeremie Zimmermann e Andy Muller-Magoon), no qual discute a liberdade e o futuro da internet. O livro tem tudo a ver com os vazamentos de Edward Snowden e com a luta da qual Richard Stallman foi símbolo durante toda a sua vida. Num texto publicado há poucos dias no jornal The Guardian (que encontra-se traduzido aqui), ele fala sobre como a criptografia e o software livre são importantes na luta anti-imperialista.


O perfil do WikiLeaks no Twitter divulgou nesta madrugada que Richard Stallman e Julian Assange se encontraram ontem a noite para discutir a campanha pela liberdade de Edward Snowden e Bradley Manning.

Há uma tentativa constante de cooptar o movimento do software livre e separá-lo de outras lutas por liberdades fundamentais. Certa vez, ouvi de um ativista pelo software livre confrontado por perguntas sobre o mundo contínuo (aquele que indignou Pitágoras porque não cabe nem em infinitos bytes) que “sua luta é só para o software ser livre, não para todas as coisas”.

Por isso o encontro de Assange com Stallman é tão importante. Mais do que o encontro de dois homens, simboliza o encontro de movimentos com ideias que combinam e são fundamentais para construir outro mundo, mais livre e mais igualitário, que depende de ativistas hackers e não-hackers para se tornar real. É tempo de nos juntarmos e atuarmos em todas as frentes.

789758853

Como a criptografia é uma arma fundamental na luta contra os estados do império

O que começou como um meio de manter a liberdade individual pode agora ser usado por estados menores para afastar as ambições dos maiores.

Julian Assange, The Guardian (tradução: Tiago Madeira)

Os cypherpunks originais eram em maioria libertários californianos. Eu era de uma tradição diferente, mas nós todos procurávamos proteger a liberdade individual da tirania do estado. Criptografia era nossa arma secreta. Foi esquecido quão subversivo isso era. A criptografia era então propriedade exclusiva dos estados, para utilização nas suas várias guerras. Escrevendo nosso próprio software e disseminando-o por toda parte nós libertamos a criptografia, a democratizamos e a espalhamos através das fronteiras da nova internet.

A repressão resultante, sob várias leis de “tráfico de armas”, falhou. A criptografia se tornou padronizada nos navegadores e em outros programas que as pessoas agora usam cotidianamente. Criptografia forte é uma ferramenta vital na luta contra a opressão do estado. Essa é a mensagem no meu livro, Cypherpunks. Mas o movimento pela disponibilidade universal da criptografia forte deve ser feito para fazer mais que isso. Nosso futuro não depende da liberdade de indivíduos sozinhos.

Nosso trabalho no WikiLeaks dá uma profunda compreensão da dinâmica da ordem internacional e da lógica do império. Durante a ascensão do WikiLeaks, vimos evidências de pequenos países intimidados e dominados por maiores ou infiltrados por empresas estrangeiras e influenciados para agirem contra eles mesmos. Vimos expressões da vontade popular negada, eleições compradas e vendidas, e as riquezas de países como a Quênia sendo roubadas e leiloadas a plutocratas em Londres e Nova Iorque.

A luta pela autodeterminação latinoamericana é importante para muito mais pessoas do que as que vivem na América Latina, porque ela mostra ao resto do mundo que isso pode ser feito. Mas a independência da América Latina ainda está engatinhando. Tentativas de subversão de democracia latinoamericana ainda estão acontecendo, incluindo mais recentemente Honduras, Haiti, Equador e Venezuela.

Por isso a mensagem dos cypherpunks é de especial importância para audiências latinoamericanas. A vigilância em massa não é uma questão somente para a democracia e a governabilidade — é uma questão geopolítica. A vigilância de uma população inteira por uma potência estrangeira naturalmente ameaça a soberania. Intervenção após intervenção nos assuntos da democracia latinoamericana nos ensinaram a sermos realistas. Nós sabemos que as velhas potências ainda vão explorar qualquer vantagem para atrasar ou suprimir a eclosão da independência da América Latina.

Considere geografia simples. Todo mundo sabe que os recursos do petróleo dirigem a geopolítica global. O fluxo de petróleo determina quem é dominante, quem é invadido e quem está condenado ao ostracismo por parte da comunidade global. Controle físico mesmo sobre um segmento de um oleoduto produz uma grande potência geopolítica. Governos nessa posição podem extrair enormes concessões. Numa tacada, o Kremlin pode sentenciar a Europa oriental e a Alemanha a um inverno sem aquecimento. E mesmo a perspectiva do Tehran controlar um oleoduto ao leste para Índia e China é um pretexto para a lógica bélica de Washington.

Porém, o novo grande jogo não é a guerra por tubulações de petróleo. É a guerra por tubulações de informação: o controle sobre os caminhos de cabos de fibra óptica que se espalham por via submarina e terrestre. O novo tesouro global é o controle sobre os fluxos de dados gigantes que conectam continentes e civilizações inteiras, ligando as comunicações de bilhões de pessoas e organizações.

Não é segredo que, na internet e no telefone, todas as estradas que saem e chegam na América Latina passam pelos Estados Unidos. A infraestrutura da Internet direciona 99% do tráfego para e da América do Sul sobre cabos de fibra óptica que atravessam fisicamente as fronteiras dos EUA. O governo dos EUA não mostrou nenhum escrúpulo sobre quebrar a sua própria lei ao explorar esses cabos e espionar seus próprios cidadãos. Não existem tais leis contra espionar cidadãos estrangeiros. Todos os dias, centenas de milhões de mensagens de todo o continente latinoamericano são devoradas por agências de espionagem estadounidenses, e guardadas para sempre em galpões do tamanho de pequenas cidades. Os fatos geopolíticos sobre a infraestrutura da internet, logo, tem consequências para a independência e para a soberania da América Latina.

O problema também transcende a geografia. Muitos governos e militares latinoamericanos protegem seus segredos com hardware criptográfico. Isso são caixas e programas que embaralham as mensagens e então desembaralham-as na outra extremidade. Os governos as compram para manter seus segredos em segredo — frequentemente com grandes despesas para o povo — porque eles estão corretamente preocupados com a interceptação das suas comunicações.

Mas as empresas que vendem esses dispositivos caros desfrutam de laços estreitos com a comunidade da inteligência dos EUA. Seus presidentes e altos funcionários são frequentemente matemáticos e engenheiros da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA) capitalizando nas invenções que eles criaram para o estado de vigilância. Seus dispositivos são muitas vezes deliberadamente quebrados: quebrados com um propósito. Não importa quem está usando ou como eles são usados — agências dos EUA ainda podem desembaralhar o sinal e ler as mensagens.

Esses dispositivos são vendidos para os países da América Latina e de outros lugares como uma forma de proteger seus segredos, mas são na verdade uma forma de roubar seus segredos.

Enquanto isso, os Estados Unidos estão acelerando a próxima grande corrida armamentista. As descobertas do vírus Stuxnet — e então dos vírus Duqu e Flame — anunciam uma nova era de armas-programas altamente complexas feitas por estados poderosos para atacar estados mais fracos. Seu primeiro ataque agressivo contra o Irã está determinado a minar os esforços iranianos de soberania nacional, um prospecto que é um anátema para os interesses dos Estados Unidos e de Israel na região.

Houve um tempo que o uso de vírus de computador como armas ofensivas era enredo de romances de ficção científica. Agora se tornou uma realidade global estimulado pelo comportamento irresponsável do governo de Barack Obama em violação ao direito internacional. Outros estados vão agora seguir o mesmo caminho, aumentando as suas capacidades ofensivas para se recuperarem.

Os Estados Unidos não são os únicos culpados. Nos últimos anos, a infraestrutura da internet de países como Uganda foi enriquecida por investimento direto chinês. Empréstimos pesados são distribuídos em troca de contratos africanos para as empresas chinesas construírem a infraestrutura de backbones de internet ligando escolas, ministérios do governo e comunidades no sistema global de fibra óptica.

A África está ficando online, mas com hardware fornecido por um aspirante a potência estrangeira. Será que vai ser a internet o meio pelo qual a África vai continuar subjulgada no século XXI? A África será novamente o espaço de confronto entre potências mundiais?

Essas são apenas algumas das formas importantes pelas quais a mensagem dos cypherpunks vai além da luta por liberdade individual. A criptografia pode proteger não somente as liberdades civis e direitos dos indivíduos, mas a soberania e independência de países inteiros, solidariedade entre grupos com causas comuns e projetos de emancipação global. Pode ser usada para lutar não apenas contra a tirania do estado sobre o indivíduo mas a tirania do império sobre estados menores.

Os cypherpunks ainda têm que fazer seu maior trabalho. Junte-se a nós.

Redes sociais e democracia

Há alguns meses, muitos administradores de páginas no Facebook reclamaram pela internet que suas páginas estavam começando a levar bem menos visitantes para os seus sites do que de costume. Em alguns casos, as entradas via Facebook teriam caído pela metade, mesmo com a quantidade de curtidas crescendo bastante.

Na época, comentou-se que essa queda no tráfego coincidiu com um novo recurso da rede social chamado “posts promovidos”, através do qual as empresas podem pagar ao Facebook para colocarem o seu conteúdo no feed de notícias de mais usuários.

A coincidência dos eventos fez com que parecesse que o Facebook estivesse artificialmente diminuindo o tráfego das páginas para ganhar dinheiro forçando seus donos a usarem o recurso de posts promovidos para voltarem a ter a quantidade de visitas que tinham anteriormente.

Porém, o Facebook insistiu que não estava fazendo nada do tipo. Ele estaria apenas tentando manter os feeds dos usuários sem tantos posts promocionais (que os usuários não gostariam de ver). Em outras palavras, a empresa de Mark Zuckerberg disse que está do lado dos usuários contra os anunciantes, embora esteja ganhando dinheiro no negócio.

Desculpa esfarrapada

Se o objetivo de fazer os posts de páginas serem menos visualizados era tornar o Facebook com menos posts de empresas e mais de pessoas, por que ao mesmo tempo criaram os posts promovidos? Se a empresa está disposta a investir dinheiro para fazer seu post ser visualizado, então tudo bem incomodar o usuário? E como ficam as páginas que não são de empresas, mas de organizações e comunidades que não têm dinheiro para investir na divulgação de posts?

As contradições foram se acumulando e há cerca de um mês tivemos outra novidade: o Facebook começou a liberar o recurso de promover posts não só mais para páginas (empresas, anunciantes), mas também para usuários “normais” (eu e você). Nos últimos dias, mais e mais usuários no Brasil têm tido acesso ao botão Promote nas suas atualizações de status. As atualizações promovidas certamente tomarão cada vez mais espaço das atualizações que você gostaria realmente de ver na sua rede social. Como fica aquela velha desculpa?

Computação vs. Dinheiro

Em geral, o que decide se o que publicamos no Facebook aparece ou não para cada um dos nossos amigos é um algoritmo chamado EdgeRank (se quiser saber mais, dê uma olhada neste site, em inglês) que avalia basicamente nosso grau de afinidade, a interação de outras pessoas com a publicação e há quanto tempo ela foi feita. Critérios computacionais razoáveis para não encher seu feed com zilhões de atualizações irrelevantes. De fato, estima-se que seus posts cheguem a apenas 12% dos seus amigos.

Com a mudança, criou-se uma variável (nada computacional) a mais aí nesse algoritmo: o dinheiro que o usuário tem e está disposto a pagar para promover sua publicação. A defesa do Facebook baseia-se no fato de que com o algoritmo tradicional pessoas com quem você não interage normalmente poderiam não ficar sabendo de uma notícia importante que você gostaria que todos ficassem sabendo como um casamento ou uma gravidez. A princípio, o argumento parece fazer sentido, mas a interação numa notícia como essas não deveria já aumentar o EdgeRank suficientemente para ela aparecer para todos os seus amigos? Se não aumenta, por que ficar com a solução fácil? Talvez o algoritmo devesse ser repensado. Faz sentido encontrar atualizações de status que não são relevantes para mim simplesmente porque um amigo virtual pagou para me mostrar?

Facebook na contramão da democracia

A lógica dos posts promovidos é a lógica dos anúncios da TV. Em vez de resolver problemas de ranqueamento com inteligência, inventa-se a variável dinheiro. Sua opinião é mais importante simplesmente porque você tem um megafone e os outros não.

O argumento do Facebook não gerou grandes polêmicas porque ele funciona dentro da mesma lógica que estamos acostumados a ver o mundo funcionar. Mas esse modo de pensar não deve parecer natural.

A internet é um meio de comunicação inovador e com potencial revolucionário por causa de suas características descentralizadas e democráticas, completamente opostas aos meios de comunicação que a mídia tradicional utiliza.

Posts promovidos podem parecer pequenos detalhes sem importância. Porém, pensar na utilidade de um recurso como esse na rede social mais utilizada do planeta (que tem cumprido papel tão importante em grandes mobilizações sociais) é muito importante para conhecermos seus limites. O convite a blogar ganha um novo argumento.

Escreva um blog e compartilhe suas ideias

O crescimento da internet em todo o planeta expressa a necessidade da nossa geração de experimentar meios de comunicação diferentes dos que a mídia tradicional nos propõem. A sociedade é cada vez mais dependente dessa rede, que conecta as pessoas das mais distantes localidades em tempo real.

A internet não é a mesma de dez anos atrás. Uma conexão hoje é condição necessária para a utilidade de um computador e a rede está cada vez mais presente em diferentes dispositivos, em especial nos celulares. A web é hoje o espaço das aplicações e dos serviços: um espaço virtual aparentemente infinito para onde você faz upload de toda a sua vida. Você usa a internet para ouvir músicas, baixar filmes, editar documentos, conversar com amigos, pagar contas, planejar viagens, organizar calendário, ver mapas, guardar fotos, entre muitos outros usos. Porém, o principal deles continua sendo compartilhar, ou seja, difundir ideias.

Compartilhar sempre foi o cerne da internet. Desde a criação dos primeiros sites pessoais, passando pelos blogs e por ferramentas que auxiliam a sua criação, chegando às mais diferentes ferramentas de redes sociais. Por isso, a disputa da rede é feita através das brigas em torno do compartilhamento: o que pode e não pode compartilhar, o anonimato necessário para compartilhar verdades inconvenientes, a neutralidade dos serviços contra o filtro do que passa e não passa pela rede.

Por um lado, temos aqueles que defendem uma internet mais restrita e com menos liberdade, isso é, com mais cara de TV. A censura do Wikileaks, juntamente com a perseguição a Julian Assange, e os projetos de lei SOPA/PIPA (EUA), Sinde (Espanha), Lerras (Colômbia) e Azeredo (Brasil) foram os casos que mais chamaram atenção nos últimos tempos.

Por outro lado, tecnologias estão sendo construídas e superadas em tempo recorde para tornar o compartilhamento mais fácil. Os levantes recentes no Oriente Médio demonstraram a eficácia da internet em ajudar ativistas políticos e sociais a organizarem protestos, disseminarem informações para o público e enviarem notícias de prisões e repressões ao restante do mundo. Do ponto de vista da tecnologia, o Facebook, pela sua capilaridade, é hoje a maior expressão da internet de curtir e compartilhar.

A rede de Mark Zuckerberg teve papel destacado em importantes acontecimentos sociais e políticos do ano passado. Há vários exemplos. Organização e divulgação dos protestos que culminaram na queda de Hosni Mubarak no Egito. Construção do movimento 15-M da juventude da Espanha e de outros movimentos de indignados por todo o planeta. Surgimento do movimento Occupy Wall Street nos EUA. Aqui no Brasil, difusão de diversos atos contra o aumento da passagem de ônibus, Marcha da Liberdade, Marcha das Vadias, Fora Ricardo Teixeira, entre outros.

A internet de hoje não é a mesma do ano passado. Pelo seu funcionamento democrático e pela sua dimensão global, ela muda muito rápido. Por isso, cabe a nós experimentar o tempo todo novas formas de explorar o ciberespaço para aproveitar todo o seu potencial viralizante e discutir ideias que nos auxiliem na construção de instrumentos de mudança social que organizem mais e mais pessoas ao redor do mundo.

Embora o Facebook seja uma ferramenta de utilidade incontestável, sua hegemonia tem me preocupado. Não pelo motivo que sempre leio por aí (o de estarmos compartilhando toda a nossa vida com uma empresa que não tem uma política de privacidade muito razoável), mas principalmente por outros dois: seu caráter efêmero e seus algoritmos que nos separam em bolhas.

Achar algo que você leu no mês passado no Facebook é um pesadelo. Ainda que você lembre quem foi que compartilhou ou em que grupo, você precisa andar e andar na barra de rolagem até fazer seu cooler começar a gritar de tanto processamento de JavaScript para encontrar o que você queria. No caso de querer encontrar comentários ou uma coisa que você não lembra quem foi que postou, é difícil até imaginar por onde começar. Os posts do Facebook não são indexados por sites de busca e suas mensagens vão ficando sufocadas embaixo de uma pilha que cresce quanto mais você usa a rede social. Por mais que exista a tentativa da linha do tempo para você navegar por anos e meses, é inegável que o Facebook é a rede social do que está acontecendo e não do que aconteceu.

Além disso, sua rede de amigos no Facebook é muito limitada. Primeiramente porque você só pode ter 5000 amigos (mais assinantes, é verdade), mas principalmente porque uma porcentagem muito pequena deles efetivamente vêem o que você posta. Vou dar um exemplo: De julho a outubro publiquei todos os dias atualizações de status sobre as eleições municipais no meu perfil divulgando as propostas dos meus candidatos. Na véspera das eleições, mandei e-mails e mensagens no Facebook para grande parte dos meus contatos pedindo voto neles. Várias pessoas ficaram felizes com a recomendação e disseram que até receberem a mensagem nem sabiam que eu estava envolvido na campanha do PSOL.

Faz sentido. O algoritmo do Facebook provavelmente seleciona postagens de temas que você se interessa (costuma postar, curtir, comentar, compartilhar) para você ler. Os posts sobre banana tendem a ser visualizados por quem gosta de banana. Aí você fica fazendo propaganda de bananas para seus amigos bananeiros. Bom para receber curtidas e melhorar sua auto-estima, ruim se você quer discutir as vantagens da banana com mais pessoas que não são do seu grupo de estudos sobre banana. Além de que tem um monte de gente que gosta de banana, mas nunca vai ver seus posts simplesmente porque não é seu amigo.

Passei os últimos anos escrevendo muito no Facebook. O Facebook certamente é uma ferramenta muito importante, mas estou convencido de que ele tem um potencial infinitamente maior se caminhar junto com a escrita de blogs. Posso citar pelo menos três motivos:

  1. Os blogs divulgam mensagens menos efêmeras e com mais conteúdo. Por isso, são espaços mais adequados à formulação e ao registro de ideias (que certamente não devem deixar de ir para as redes sociais para serem disseminadas nas bolhas).
  2. Os blogs são indexados pelo Google. Com isso, aparecem nos resultados das buscas de quem se interessa pelas coisas que escrevemos e seus links fortalecem os sites que queremos difundir para o mundo através do aumento do seu pagerank.
  3. Os blogs não só enviam mensagens, mas iniciam conversações. Posts em blogs geram não só reflexões, mas comentários, posts em outros blogs e discussões nas redes sociais.

Tenho uma rede de amigos que escreve coisas muito legais nas redes sociais. Debate os temas da atualidade, formula política, faz críticas inteligentes sobre uma porção de assuntos relevantes. Há muitas (bilhões, eu diria) pessoas que não leio no Facebook, que talvez leiam este post e que certamente também têm muito a contribuir para o saudável debate de ideias que precisamos travar o tempo todo para mudarmos as pessoas e mudarmos o mundo. Esses comentários merecem e precisam superar as fronteiras dos algoritmos do Facebook para gerar mais discussão e influenciar outras pessoas. Por isso, escrevo para fazer o convite: escreva um blog e compartilhe suas ideias!

Tem um blog? Compartilhe um link dele nos comentários.

43 anos de Internet

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 5 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Há exatos 43 anos foi escrito o primeiro RFC (Request for Comments), motivo pelo qual muitos comemoramos no dia 7 de abril o nascimento da Internet. Imagino que poucas pessoas já leram ou sabem o que são RFCs fora do meio nerd: em resumo, são simples documentos de texto com não mais de 80 caracteres de largura que regulamentam os protocolos usados na Internet e são fundamentais para o desenvolvimento dos programas que você usa diariamente, inclusive o que você está usando para abrir o meu blog (seja no seu computador, no seu celular, ou no seu óculos).

Traduzi para o português (meio correndo e talvez porcamente; me corrijam se acharem alguma coisa muito errada) e recomendo a leitura do texto abaixo, escrito pelo cara que fez o primeiro RFC e publicado pelo The New York Times há três anos (para o aniversário de 40 anos da Internet). Além do valor histórico, acho que é um texto que tem muito a ver com o debate sobre as possibilidades que a internet do Wikileaks e do Mega Upload nos abre hoje e sobre os valores democráticos da rede, que têm sido duramente combatidos pelo conservadorismo do governo dos Estados Unidos e por iniciativas como a SOPA nos EUA e a Lei Azeredo no Brasil.

Como a Internet obteve suas regras

* Stephen Crocker

Hoje é uma data importante na história da Internet: é o aniversário de 40 anos dos chamados RFCs (Request for Comments). Fora da comunidade técnica, poucos sabem o que são RFCs, mas esses simples documentos moldaram o funcionamento interno da Internet e têm desempenhado um papel significativo no seu sucesso.

Quando os RFCs nasceram, não havia a World Wide Web. Mesmo no final de 1969, havia apenas uma rede rudimentar ligando quatro computadores em quatro centros de pesquisa: a UC Los Angeles, o Stanford Research Institute, a UC Santa Barbara e a Universy of Utah em Salt Lake City. O governo financiou a rede e os cem ou menos cientistas da computação que a utilizaram. Era uma comunidade tão pequena que todo mundo se conhecia.

Muito planejamento e muitas deliberações tinham sido feitos sobre a base da tecnologia da rede, mas ninguém tinha pensado muito no que fazer com ela. Então, em agosto de 1968, um punhado de estudantes e funcionários dos quatro locais começaram a se reunir intermitentemente pessoalmente para tentarem descobrir. (Fui sortudo o suficiente para ser um dos estudantes da UCLA incluídos nessas grandes discussões.) Só na primavera seguinte nós percebemos que deveríamos começar a escrever nossos pensamentos. Pensamos que talvez devêssemos juntar memorandos temporários e informais sobre os protocolos da rede, as regras pelas quais os computadores trocam informação. Me ofereci para organizar nossas primeiras notas.

O que deveria ser uma tarefa simples acabou se tornando um projeto desesperador. Nossa intenção era apenas encorajar outras pessoas a dialogarem, mas fiquei preocupado que soasse como se estivéssemos tomando decisões oficiais ou afirmando autoridade. Na minha cabeça, eu estava incitando a ira de algum professor de prestígio em algum estabelecimento da Costa Leste. Eu estava realmente perdendo o sono com a coisa toda e quando finalmente decidi escrever meu primeiro memorando, que lidava com a comunicação básica entre dois computadores, era madrugada. Tive que trabalhar no banheiro para não incomodar os amigos com quem eu estava hospedado, que estavam todos dormindo.

Ainda com medo de soar presunçoso, rotulei a nota “Request for Comments” (Pedido de Comentários). O RFC 1, escrito 40 anos atrás, deixou muitas perguntas sem resposta e logo se tornou obsoleto. Porém, os RFCs se enraizaram e floresceram. Eles se tornaram o método formal de publicar padrões do protocolo da Internet, e hoje são mais de 5000, todos disponíveis online.

Começamos a escrever essas notas antes que nós tivéssemos e-mail e mesmo antes que a rede estivesse realmente funcionando, então nós escrevíamos nossas visões para o futuro no papel e mandávamos pelo correio. Enviávamos uma impressão para cada grupo de pesquisa e eles tinham que tirar suas cópias.

Os primeiros RFCs variavam de grandes visões para detalhes mundanos, embora o segundo rapidamente tenha se tornado o mais comum. Menos importante do que o conteúdo desses primeiros documentos era o fato de que eles eram disponíveis de forma gratuita e qualquer um poderia escrever um. Em vez de um modelo de tomada de decisão baseado em autoridade, nós confiamos num processo que chamamos de “consenso básico e código em execução”. Todo mundo era bem-vindo a propôr ideias e, se pessoas suficientes gostassem e usassem, o projeto se tornava um padrão.

No fim, todos entendiam que havia uma utilidade prática em escolher fazer a mesma tarefa da mesma forma. Por exemplo, se quiséssemos mover um arquivo de uma máquina para a outra, se você projetasse o processo de uma forma e eu projetasse de outra, então qualquer pessoa que quisesse falar com nós dois teria que usar duas formas diferentes para fazer a mesma coisa. Então houve muita pressão natural para evitar tais inconvenientes. Provavelmente ajudou que naqueles dias nós evitávamos patentes e outras restrições; sem incentivo financeiro para controlar os protocolos, era muito mais fácil chegar a acordos.

Isso foi o melhor para a abertura dos projetos técnicos, e a cultura dos processos abertos foi essencial para permitir que a internet crescesse e evoluísse da forma tão espetacular como fez. Na verdade, nós provavelmente não teríamos a web sem eles. Quando os físicos do CERN quiseram publicar um monte de informações numa forma que as pessoas pudessem facilmente pegá-las e adicionarem às mesmas, eles simplesmente construíram e testaram suas ideias. Por causa do fundamento que colocamos no RFC, eles não tiveram que pedir permissão, ou fazerem quaisquer mudanças nas operações básicas da Internet. Outros logo copiaram-os — centenas de milhares de usuários de computador, então centenas de milhões, criando e compartilhando conteúdo e tecnologia. Isso é a Web.

Posto de outra forma, nós sempre tentamos projetar cada novo protocolo para ser útil tanto para seu próprio fim como para serem um bloco de construção disponível para outros. Nós não pensamos nos protocolos como produtos acabados, mas deliberadamente expusemos suas arquiteturas internas para fazer fácil que os outros os aproveitassem. Isso era a antítese da atitude das velhas redes de telefonia, que desencorajavam fortemente quaisquer acréscimos ou utilizações que elas não haviam sancionado.

É claro que o processo para publicar ideias e escolher padrões eventualmente se tornou mais formal. Nossas reuniões soltas e anônimas cresceram e se semi-organizaram no que chamamos de Network Working Group (Grupo de Trabalho da Rede). Nas quatro décadas desde lá, esse grupo evoluiu, se transformou algumas vezes e hoje é a Internet Engineering Task Force (Força de Tarefa da Engenharia da Internet). Ela tem alguma hierarquia e formalidade, mas não muita, e continua a ser gratuita e acessível a qualquer um.

Os RFCs cresceram também. Eles não são mais realmente pedidos de comentários, porque eles são publicados somente depois de muita examinação. Mas a cultura que foi construída no início continuou a desempenhar um papel importante em manter as coisas mais abertas do que elas poderiam ter sido. Ideias são aceitas e classificadas pelos seus méritos, com tantas ideias rejeitadas como aceitas.

A medida que reconstruirmos nossa economia, espero que tenhamos em mente o valor da transparência, especialmente em indústrias que raramente a tiveram. Seja na reforma do sistema de saúde ou na inovação da energia, as maiores recompensas virão não do que o pacote de incentivo paga diretamente, mas das perspectivas que abrimos para os outros explorarem.

Me lembrei do poder e da vitalidade dos RFCs quando eu fiz a minha primeira viagem para Bangalore, India, há 15 anos atrás. Fui convidado a dar uma palestra no Indian Institute of Science e durante a visita fui apresentado a um estudante que construiu um sistema de software bastante complexo. Impressionado, perguntei onde ele havia aprendido a fazer tudo aquilo. Ele respondeu simplesmente: “Eu baixei os RFCs e li.”

* Stephen D. Crocker escreveu o primeiro RFC há exatos 43 anos.

O sonho americano dos que mal dormem

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 5 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Lá por volta de 2007, na época em que saiu, assisti À Procura da Felicidade (The Pursuit of Happyness) em Santa Catarina. Na ocasião, minha impressão sobre o filme não foi boa e, com efeito, na minha memória não restava nada de positivo sobre ele. Me incomodou muito a mensagem do roteiro, algo como “não importa quão ferrado você está; se esforçando e acreditando nos seus sonhos você só depende de você para subir na vida”.

Inspirado pela ideia de assistir filmes que se passam em San Francisco e particularmente por ter visto um cartaz de um músico de rua na Chinatown dizendo que ele apareceu no filme, resolvi encará-lo novamente na semana passada. Dessa vez, achei tão brilhante que me vejo obrigado a escrever esta nota, que quero compartilhar com meus amigos no Brasil, para recomendá-lo.

“À Procura da Felicidade”, para muito além dessa mensagem e das belas imagens, e embora se passe na década de 80, é um fantástico retrato de uma característica muito atual da San Francisco que estou conhecendo nas oportunidades que tenho de visitá-la: uma cidade de sem-tetos, cada um por si à procura da sua felicidade. Não se trata de um problema só de San Francisco (alguém poderia argumentar que as pessoas vivem na rua lá porque é a cidade dos hippies — if you’re going to San Francisco, be sure to wear some flowers in your hair), mas de um problema que salta aos olhos nas grandes cidades dos Estados Unidos (em especial na Califórnia) e que neste país, onde a realidade dos 99% dificilmente tem dinheiro pra passar na TV, parece não ser muito divulgado e muito menos combatido da forma que deveria.

Em um estudo realizado com dados de 2005 e 2006, concluiu-se que todo ano uma a cada cinquenta crianças dos Estados Unidos encara não ter casa. Já seria absurdo, mas esse número hoje (pós-crise) é com certeza bem maior, já que várias pessoas têm perdido suas casas desde 2008. Camaradas que conheci da ISO do norte da Califórnia, que são ativistas em movimentos de moradia por aqui, estimam que 50 milhões (i.e., 1/6 de uma população de cerca de 300 milhões) já passaram pela experiência de ficarem sem teto.

Diferente de como funcionam as coisas no nosso país, aqui o governo não permite construções irregulares (tipo as nossas favelas). Como resultado, o que vemos é algumas pessoas vivendo em abrigos, algumas revezando casas de amigos, algumas nos seus carros, algumas acampadas (principalmente pós-2008), muitas nas prisões (0.7% da população dos Estados Unidos está presa neste momento e o número quadruplica se você considerar liberdades condicionais e pessoas em observação: é o recorde mundial) e muitas simplesmente nas ruas mesmo. Os abrigos são muito insuficientes para a quantidade de pessoas sem teto: em San Francisco, há uma vaga para cada quinze pessoas sem lugar para morar. Na maioria dos lugares, é preciso conquistar diariamente uma vaga.

Estou numa tentativa de falar com o máximo de pessoas que consigo para aprender sobre essa gente. Esses dias, pegando um trem, puxei conversa com um homem muito sujo, com sotaque muito engraçado (para mim) e com uma mochila, negro, velho, não me lembro o nome. Acho que ele gostou de mim: repetiu várias vezes que eu era louco, mas foi me contando várias coisas. Depois de trocarmos ideias descobri que era veterano do Vietnã. Falei pra ele que eu queria conhecer Oakland. Ele respondeu pra eu não ir, porque, nas suas palavras, “é uma cidade muito perigosa: muitos negros e sem-teto. Há muitos sem-teto aqui. Você não vê todos porque eles se escondem para não serem presos e você nem percebe que um é quando conversa com ele. Você com essa barba poderia ser um.”.

Sem entrar na discussão sobre outros problemas latentes como o racismo e a segregação, a falta de saúde, a falta de qualidade e o alto preço da educação, e a inércia dos que ainda acreditam no sonho americano e buscam [com necessidade e razão, mas usualmente em vão] individualmente a felicidade diante disso tudo, para não escrever um texto muito grande quero registrar apenas que estou há quase um mês e meio aqui e ainda me impressiono: é incrível o nível de desigualdade e de desumanidade que noto a cada minuto no país-modelo do capitalismo e na região do tão rico e inovador Vale do Silício.

A minha ideia, antes de vir pra cá, era que aqui as pessoas tivessem mais condições, que houvesse mais acesso a qualquer coisa que não só fast-food e gadgets de segunda linha: afinal, me parecia que o ganancioso capitalismo estadounidense já explora suficientemente o terceiro mundo. De fato, há muitas coisas bonitas e muito dinheiro aqui. No entanto, o dinheiro é muito concentrado e neste momento não acho que a vida dos 99% aqui seja tão melhor do que a vida dos 99% na América Latina. Talvez pela crise, pelo poder da propaganda, pelo individualismo ao qual são levados pela fé num sistema que os explora sem parar, pela aparente dificuldade de luta organizada e pela ausência de organizações de esquerda com influência de massas na história recente, seja o contrário. De qualquer forma, cada vez tenho mais certeza de que aqui e aí temos, entre outras coisas, um grande desafio em comum. A construção de outro futuro, que reinvente as relações humanas, no qual tenhamos igualdade e democracia de verdade é uma necessidade urgente e internacional.

Publicado originalmente no Juntos.