Arquivo da categoria: Cotidiano

Receita do sorvete de creme com cobertura de chocolate

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Lembram daquela analogia clássica de software livre e culinária? Me lembrou que [felizmente] podemos usar, estudar, modificar e distribuir receitas. Eis aqui, portanto, minha primeira contribuição culinária aos leitores deste blog: a receita do sorvete de creme belga com cobertura de chocolate, que aprendi com minha tia no verão passado.

A forma ideal de preparar esta receita é com três pessoas. Como isso nem sempre é possível, recomendo criar três threads ou fazer uma coisa de cada vez (aparentemente as partes dessa receita são comutativas). Cada um dos itens abaixo é uma das três partes e no fim dou as instruções de como juntar tudo.

Mas antes de mais nada, requisitos operacionais:

Recipientes necessários

  • Uma panela
  • Duas tigelas ou recepientes semelhantes (que não será preciso esquentar)
  • Uma daquelas formas de pudim que deixam um buraco no meio do que você prepara

Eletrodomésticos necessários

  • Um fogão
  • Um freezer ou geladeira com congelador forte

E agora vamos aos fatos:

#0: Creme belga

Ingredientes necessários

  • Uma lata de leite condensado
  • Uma lata de leite (i.e., uns 300ml)
  • Três gemas (o resto do ovo você vai usar no item #1)
  • Uma colher de maizena

Como fazer

  1. Misture tudo numa panela*
  2. Esquente até ferver**

* Aqui está a primeira dificuldade da receita: Como separar a clara e a gema do ovo? Eu tentei quebrar o mínimo possível a casca e deixar cair a clara em outro recipiente pra depois pegar a gema.

** Mexa bem e não deixe queimar. Queimar pode ser fatal.

#1: Creme chantilly

Ingredientes necessários

  • Três claras (o resto do ovo você vai usar no item #0)
  • Três colheres de açúcar
  • Uma lata de creme de leite sem soro

Como fazer

  1. Bata as claras num recipiente que não precisa ser uma panela (não é pra esquentar). Bata bem e só elas. Isso é importante! Eu acabei juntando tudo antes de bater e com isso meu sorvete não ficou com a consistência ideal.
  2. Adicione açúcar e mexa bastante.
  3. Adicione o creme de leite e novamente mexa.

#2: Cobertura de chocolate

Ingredientes necessários

  • Dez colheres de achocolatado em pó
  • Cinco colheres de água*

* Eu também acho estranho falar em colher de água… Se preferir pense em 15-20ml.

Como fazer

  1. Misture bem!

Final: Juntando tudo

  1. Misture os itens #0 e #1 (creme belga e creme chantilly) e mexa.
  2. Coloque cobertura em todos os cantos daquela forma de pudim deixando ela toda preta por dentro.
  3. Coloque os cremes misturados nessa forma sobre a cobertura.
  4. Ponha no freezer e espere algumas horas até ele ficar com consistência de sorvete e duro a ponto de poder desenformar.

Quando o ponto chegar, desenforme e (se você fez tudo certo) bom apetite!

Como resolver o problema do transporte público lotado em São Paulo

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Por Anônimo bêbado falando sozinho num 917H lotado, sexta-feira às 18:30

Precisa de um Bin Laden. É o único jeito. Tem que explodir tudo. Explode essa gente que acaba o problema.

Não… não precisa. Tem só que devolver. Devolve todo mundo. Quem é de Minas, quem é do Nordeste. Só fica aqui quem nasceu aqui. Não ia sobrar nem um milhão.

Devolve tudo! Faz exame de DNA pra confirmar quem nasceu aqui mesmo. Não vai sobrar nem um milhão.

Se eu fosse vereador, ou prefeito, ou alguém que pode mandar em alguma coisa, devolvia todo mundo!

Epílogo

“Ah, aleluia! Tinha um homem falando besteira aqui. Pior que ônibus lotado é essa gente gritando.” (mulher mal-humorada ao telefone, após o autor do texto descer)

Boa nova

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Resolvi fazer Ciência da Computação há muito tempo. Faz tanto tempo que eu não lembro quando foi, mas acho que eu tinha uns oito anos. Minha única certeza é que eu não fazia ideia do que era o curso (mas isso não importa — hoje acho que escolhi estudar uma das coisas mais legais que existem).

O tempo passou e cogitei fazer outras faculdades, mas nunca seriamente. Começou o 3º ano do Ensino Médio e comparei os currículos de UFSC, UNICAMP, ICMC-USP e IME-USP pra decidir que curso escolher. Ordenei-os (por motivos teóricos) da seguinte forma:

  1. IME-USP
  2. ICMC-USP
  3. IC-UNICAMP (engenharia)
  4. UFSC

Desde lá minha meta foi entrar no lugar onde hoje, felizmente, estou. Mas não foi fácil.

Passei o último ano do Ensino Médio namorando estudando, li os resumos dos livros exigidos e quando chegou novembro… não passei na primeira fase do vestibular da Fuvest.

(Felizmente passei na UFSC e vivi um ano sensacional. Morava do lado da Universidade, fiz grandes amigos, conheci professores do mais alto nível, me classifiquei pra final mundial da Maratona de Programação e aprendi mais Matemática do que em toda a vida. Mas nem todos têm a mesma sorte.)

O vestibular da USP usa um terrível sistema baseado em carreiras.

Def. Carreiras são conjuntos disjuntos não-vazios de cursos universitários que em geral tem algo em comum (e.g., uma carreira pode ter Engenharia de Produção e Ciência da Computação porque ambos são cursos pra seres humanos — não sei se poderia haver alguma outra razão mais específica, sem ser através da Lei dos Cinco, mas creio que não).

No sistema da USP o candidato escolhe uma carreira, cursos que gostaria de fazer nessa carreira e sua ordem de preferência.

Passam pra segunda fase do vestibular três vezes o número de vagas disponíveis na carreira. Depois da segunda fase, os candidatos são ordenados de acordo com a nota da segunda fase e roda-se um algoritmo assim:

1
2
3
4
5
6
7
8
for (int pos = 0; tem_vagas_sobrando() && pos < n; pos++) {
    for (int opcao = 0; opcao < 4; opcao++) {
        if (tem_vagas_no_curso(pessoa[pos].opcao[opcao])) {
            da_vaga(pessoa[pos], pessoa[pos].opcao[opcao]);
            break;
        }  
    }  
}

Estava com sono e dificuldade de pensar quando postei. Outra hora tento passar pra uma língua menos nerd.

São os institutos que decidem em que carreira seus cursos vão entrar e o negócio fica uma bagunça. A maioria das carreiras têm cursos iguais com diferença apenas de período (diurno e noturno), mas há carreiras de institutos inteiros (a FEA, por exemplo, tem apenas uma carreira onde coloca Economia [diurno e noturno], Administração [diurno e noturno], Ciências contábeis [diurno e noturno] e Bacharelado em Ciências Atuariais), de cursos iguais em diferentes campi (na carreira de Direito, por exemplo, o candidato pode escolher entre o Largo São Francisco e Ribeirão Preto) e, por fim, carreiras como a minha: Engenharia na Escola Politécnica e Computação, que oferece (versão Fuvest 2010):

  • Engenharia Civil e Engenharia Ambiental (poli)
  • Engenharia Elétrica (ênfases: Automação e controle, energia e automação elétricas, sistemas eletrônicos, telecomunicações) (poli)
  • Engenharia Mecânica e Engenharia Naval (poli)
  • Engenharia Química, Engenharia Metalúrgica, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas e Engenharia de Petróleo (poli)
  • Engenharia de Computação e Engenharia Elétrica (ênfase Computação) (poli)
  • Engenharia Mecânica – Automação e Sistemas (Mecatrônica) (poli)
  • Engenharia de Produção (poli)
  • Bacharelado em Ciência da Computação (IME!)

Reza a lenda que essa era uma carreira que tinha todos os cursos que classificam como Exatas (uma classificação ridícula, na minha opinião) e todos eles foram saindo, até que no meu ano sobraram só as engenharias da Poli e o BCC.

(E eu prefiro acreditar nisso porque me doeria acreditar o contrário — aceitar que em certo momento da História algum idiota professor decidiu que Ciência da Computação tem mais a ver com Engenharia Ambiental do que com Matemática.)

Agora veja o problema: Em um ano aqui, aprendi que trabalhar em bancos está na moda em São Paulo. Como se formar em engenharia na Escola Politécnica é garantia desse nobre emprego, fazem um monte de cursinhos (e turmas especiais neles) voltados a destruir o cérebro das ensinar crianças (o link é bom; clique!) pra jihad passar na Fuvest. O resultado é que um catarinense que quer entrar no Bacharelado em Ciência da Computação não consegue nem passar da primeira fase do concurso. Se passa pra segunda fase, ainda assim precisa competir com estudantes que colocaram o BCC na quarta opção para não decepcionar os pais e seu ego caso não passem nas três engenharias que desejam.

E não para por aí.

O BCC abre 50 vagas por ano e neste ano matricularam-se 31 calouros. Os alunos da turma (para a qual dou monitoria da disciplina Introdução à Computação) me contaram que tem 26 pessoas indo assistir as aulas. Enquanto há jovens no Brasil inteiro querendo entrar neste curso, que considero um dos melhores (se não o melhor) do país, a sala da turma de 2010 está com metade de sua capacidade porque gente que queria fazer engenharia marcou a opção do BCC e não fez a matrícula.

A solução imediata é óbvia: tirar o Bacharelado em Ciência da Computação da carreira da Escola Politécnica.

Felizmente, não sou o único que penso isso. Então, após todo esse preâmbulo, informo em primeira mão: a Congregação do Instituto de Matemática e Estatística, em sessão ordinária realizada hoje (29/04) da qual tive o enorme prazer de participar, aprovou por unanimidade essa decisão, que já havia sido aprovada (também por unanimidade) dentro do Departamento de Computação.

Será criada nesse ano na Fuvest uma carreira chamada “Bacharelado em Ciência da Computação”, que a princípio terá 50 vagas, mas para a qual será convidado o Bacharelado em Ciência da Computação do ICMC-USP (São Carlos).

A decisão é fantástica e será fundamental pra vida de diversos futuros estudantes desta faculdade. Já estou ansioso pelo ano que vem…

523

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Eu saí com um casal de alemães e aprendia sobre a política e a história deles. Ouvi sobre grupos terroristas, o NPD (um partido nazista de lá) e umas brigas políticas semelhantes às dos hooligans. Eles compreendiam e se expressavam bem em português, mas em certo momento trocaram algumas frases no seu idioma, não fiz ideia do porquê.

Então um deles me disse:

— Nós não entendemos por que os brasileiros não se revoltam, não fazem grandes manifestações em Brasília. Aqui tem muita gente passando fome, morando na favela, gente que trabalha um monte a vida inteira e não tem nada. Na Europa fazem revoluções por muito menos.

Não sabia o que responder, então disse o que me veio à mente:

— Acho que somos conformados e felizes com os nossos governos populistas e estamos mais preocupados com o carnaval e com o Campeonato Brasileiro. E, pasmem, essa nossa felicidade é até motivo de orgulho. É propaganda. Mas quem sabe um dia…

PS: A única relação do título desse post com seu conteúdo é a Lei dos Cinco (não que seja pouco). Eu usei esse título porque foi o sugerido pelo WordPress (esse é o post de ID 523 no meu banco de dados).

PPS: Today is Prickle-Prickle, the 1st day of Discord in the YOLD 3176. Feliz Estação Nova!

Perfeitamente

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 7 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Se fazem traduções de qualquer tipo de documento seja, textos, artículos, trabalhos, propaganda, cartas, etc. Falo perfeitamente Espanhol Inglês Português. Estudo aqui na USP.

Cópia precisa de um texto que li num ponto de ônibus da Cidade Universitária. Dispensa comentários.

Assembleia na FAU

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Uma memória me surgiu de repente. Precisava escrever.

Era maio de 2009. Não lembro o dia.

Campus da Universidade de São Paulo.

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Havia muito barulho e resolvi entrar.

Cerca de 400 estudantes em assembleia.

As pessoas falavam num microfone, mas era muito difícil ouvir.

Gente defendendo um lado e outro.

Recebendo aplausos, vaias.

Propostas, votações.

A maioria delas era sobre o diretor, Prof. Sawaya.

A que me lembro era para decidir se a FAU entraria ou não em greve.

Não houve contraste e os votos foram contados, um a um.

Não entrar em greve ganhou, mas isso não é importante.

O que marcou o dia, pra mim, foi um casal que estava bem a minha frente.

Ao ouvir que deveriam levantar as mãos os que eram a favor da greve, a garota olhou pro seu namorado, visivelmente triste.

E disse umas palavras que eu posso dizer, sem exagero, que mudaram minha vida:

“Eu não vejo a hora de terminar esse curso. Porém, não tenho coragem de votar contra a greve.”

E levantou as duas mãos.

Pra ela a universidade era mais importante do que ela.

A ponto de valer a pena defender a visão em que acreditava mesmo que isso significasse adiar sua formatura.

No IME só ouvi o pensamento inverso, gente preocupada apenas em terminar o seu curso e indiferente aos problemas de sua universidade.

Não há um dia lá em que eu não veja uma prova de que individualismo é a cara de São Paulo.

Porém, há esperança.

Diagnóstico de Alice

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

O problema do meu Amazon PC Slim L92 é uma incompatibilidade da sua placa-mãe com seu processador.

Fontes afirmam que testes realizados na Amazon PC revelaram que trocando o meu processador (Merom T5750) por um Penryn T8100 (US$ 230 nos EUA) ou T9300 (US$ 350 nos EUA) não há mais problema pra usar o computador com 4GB de memória RAM e um sistema operacional de 64 bits.

É evidente que a culpa originalmente não era da Amazon PC, mas da Compal, que foi capaz de fabricar e vender um laptop com processador incompatível com a placa-mãe. Porém, a Amazon PC não só não testou suficientemente o produto, como sua política de solução do problema foi escondê-lo aplicando este hack no software.

Exijo que a Amazon PC reverta a sua política de esconder o problema assumindo a culpa e consertando ou trocando o meu laptop por um com configuração igual ou superior, pois foi ela que me vendeu o produto e ela que me deve a garantia (ora, se vender laptops fosse só comprar de fora e colocar um preço eu também venderia laptops). Sugiro ainda ao pessoal da Amazon PC que eles reclamem e peçam indenização da Compal, mas isso já está fora da minha jurisdição.

Informo a todos os leitores que tomarei todas as providências que estiverem ao meu alcance pra que isto aconteça e que atualizarei este blog quando houver novas informações sobre o caso.

[update 27/ago/2009] O pessoal do Fórum Clube do Hardware afirma que a Intelbras resolveu o problema trocando por Penryn T6400. Este é melhor porque é mais barato que os sugeridos pela Amazon. Estou convencido que qualquer Penryn resolve o problema.

Sobre os meus 5²³ problemas com meu laptop

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Comprei na Fnac no dia 15 de janeiro deste ano um Amazon PC Slim L92 12” com as seguintes especificações:

  • Processador: Intel(R) Core(TM)2 Duo CPU T5750 @ 2.00GHz
  • Placa-mãe: Compal JFT00 (versão da bios: 1.05A)
  • Disco rígido: Samsung HM250JI (250GB)
  • Memória RAM: 4GB DDR2 SODIMM (dois pentes de 2GB)

O resto é irrelevante para este post, mas pros geeks desocupados deixo aqui o lspci e o lsusb:

root@alice ~ # lspci -nn
00:00.0 Host bridge [0600]: Intel Corporation Mobile PM965/GM965/GL960 Memory Controller Hub [8086:2a00] (rev 03)
00:02.0 VGA compatible controller [0300]: Intel Corporation Mobile GM965/GL960 Integrated Graphics Controller [8086:2a02] (rev 03)
00:02.1 Display controller [0380]: Intel Corporation Mobile GM965/GL960 Integrated Graphics Controller [8086:2a03] (rev 03)
00:1a.0 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB UHCI Controller #4 [8086:2834] (rev 03)
00:1a.7 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB2 EHCI Controller #2 [8086:283a] (rev 03)
00:1b.0 Audio device [0403]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) HD Audio Controller [8086:284b] (rev 03)
00:1c.0 PCI bridge [0604]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) PCI Express Port 1 [8086:283f] (rev 03)
00:1c.1 PCI bridge [0604]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) PCI Express Port 2 [8086:2841] (rev 03)
00:1c.2 PCI bridge [0604]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) PCI Express Port 3 [8086:2843] (rev 03)
00:1d.0 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB UHCI Controller #1 [8086:2830] (rev 03)
00:1d.1 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB UHCI Controller #2 [8086:2831] (rev 03)
00:1d.2 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB UHCI Controller #3 [8086:2832] (rev 03)
00:1d.7 USB Controller [0c03]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) USB2 EHCI Controller #1 [8086:2836] (rev 03)
00:1e.0 PCI bridge [0604]: Intel Corporation 82801 Mobile PCI Bridge [8086:2448] (rev f3)
00:1f.0 ISA bridge [0601]: Intel Corporation 82801HEM (ICH8M) LPC Interface Controller [8086:2815] (rev 03)
00:1f.1 IDE interface [0101]: Intel Corporation 82801HBM/HEM (ICH8M/ICH8M-E) IDE Controller [8086:2850] (rev 03)
00:1f.2 SATA controller [0106]: Intel Corporation 82801HBM/HEM (ICH8M/ICH8M-E) SATA AHCI Controller [8086:2829] (rev 03)
00:1f.3 SMBus [0c05]: Intel Corporation 82801H (ICH8 Family) SMBus Controller [8086:283e] (rev 03)
01:00.0 Ethernet controller [0200]: Atheros Communications Inc. AR242x 802.11abg Wireless PCI Express Adapter [168c:001c] (rev 01)
02:00.0 Ethernet controller [0200]: Marvell Technology Group Ltd. 88E8055 PCI-E Gigabit Ethernet Controller [11ab:4363] (rev 12)
root@alice ~ # lsusb
Bus 002 Device 002: ID 0bda:0158 Realtek Semiconductor Corp. Mass Stroage Device
Bus 002 Device 001: ID 1d6b:0002 Linux Foundation 2.0 root hub
Bus 006 Device 001: ID 1d6b:0001 Linux Foundation 1.1 root hub
Bus 005 Device 001: ID 1d6b:0001 Linux Foundation 1.1 root hub
Bus 004 Device 001: ID 1d6b:0001 Linux Foundation 1.1 root hub
Bus 001 Device 002: ID 04f2:b052 Chicony Electronics Co., Ltd 
Bus 001 Device 001: ID 1d6b:0002 Linux Foundation 2.0 root hub
Bus 003 Device 002: ID 147e:2016  
Bus 003 Device 001: ID 1d6b:0001 Linux Foundation 1.1 root hub

Alice (é o nome do laptop) veio com Windows Vista 64 bits e a primeira coisa que notei nela foi um estranho desligamento do nada (no seu primeiro dia de vida), antes mesmo de eu instalar Linux! (ou seja, nos seus primeiros minutos, pois obviamente a primeira coisa a fazer quando se recebe um computador com Windows é instalar um Linux)

Compal JFT00

Pensei ser problema do sistema operacional e não dei bola. Mas aí a coisa ficou estranha: coloquei um CD minimal do Gentoo amd64 e quando ele iniciava o computador desligava do nada.

Para não precisar resolver o problema na hora, instalei um Ubuntu 32 bits (que, estranhamente, não desligava) e entrei na internet para pesquisar.

A página que melhor refletiu esse problema foi essa: 64-bit Intrepid automatic permanent reboot loop related to having exactly 4GB of memory (Ubuntu Bug #272530) e talvez também essa.

Como o laptop estava com lacres de garantia, ao invés de abrir e tirar 2GB de memória pra testar levei-a até a divisa entre Florianópolis e São José (um local lá perto de onde o Peterson vive) para a Wil Informática, única autorizada da Amazon PC na região.

Lá chegando o cara do suporte falou que tinha outros laptops da Amazon dando problema e que podia ser devido aos 4GB de memória. Trocou os pentes e pensou que funcionaria. Funcionou por alguns minutos na mão dele. Chegando em casa notei que o problema continuava e, como não tinha mais lacres, tirei um pente.

O laptop com 2GB de memória RAM não teve problema algum. Instalei Gentoo, pesquisei mais um pouco e encontrei a opção mem=4000M que deveria passar para o Kernel só reconhecer 3 e com isso funcionar com 64 bits.

amazonPC

Continuei pesquisando, entrei em contato com a Amazon (que não ajudou em nada a não ser sugerir algo equivalente a mem=4000M pra Windows) e troquei e-mails com o Wil (que prometeu passar minha queixa para a Amazon trocar minha placa-mãe e desde 9 de fevereiro não me respondeu). No fim, não tive opção senão ficar com o laptop e, como ele não dava problemas com 3GB, resolvi deixar pra lá.

Há cerca de dois meses, porém, o laptop começou a apresentar outro problema. De vez em quando (quando eu fazia-o processar muito), ele desligava do nada. Quem tem noção de como é o Gentoo sabe que fazer o computador processar muito faz parte do dia-a-dia.

Estranhando o comportamento, mas atribuindo-o a eu estar usando versões bleeding edge (hard masked) de Kernel, GCC & etc, resolvi usar um Ubuntu 32 bits por um tempo até ter disponibilidade pra reinstalar um Gentoo com carinho.

Nos primeiros dias de Ubuntu ele travava com frequência, mas acreditei que fosse por culpa da placa de vídeo (tinha duas opções no Ubuntu: usava Compiz — blacklisted pa minha placa de vídeo — ou tinha um lag infernal pra trocar de área de trabalho no Gnome. Fiquei com a primeira), então não dei bola. Curiosamente os problemas cessaram e continuei usando o Ubuntu [razoavelmente-]feliz por mais algum tempo. De vez em quando o computador desligava quando eu fazia operações bastante pesadas e eu estranhava, mas pensava que era coincidência.

Funtoo

Nesse fim de semana ouvi falar do Funtoo e, mesmo com a agenda cheia, resolvi parar de usar Ubuntu de uma vez e fazer a Alice voltar a ter um sistema firme e forte. Baixei o stage 3 do ~core2_32, caprichei nos arquivos de configuração e quando rodei um emerge -DN world surpresa! O laptop desligou.

Superaquecimento? Podia ser, o cooler fazia um barulho desumano, embora o tempo em São Paulo fosse muito frio. O ACPI não me ajudava, porque a temperatura da thermal zone ficava oscilando entre 42, 55, 63, 68, 73 e 79 graus celsius o tempo todo, assim como o barulho do cooler.

Deixei-a desligada por um dia, coloquei-a com as pontas apoiadas em livro, super ventilada, e fui compilar o Gentoo. Novamente, o laptop desligou.

Só pode ser o problema da BIOS, pensei. Vou ver se tem uma versão nova… E não é que tem?

Windows Vista = shit

Ótimo, sofro um pouco mas instalo o Vista, atualizo a BIOS e depois isso vai estar corrigido. Alterei minha tabela de partições, criei uma partição primária especialmente pro Windows (porque sei que ele é chato com isso), iniciei com enorme desgosto a instalação do Vista e depois de digitar a product key mais de uma vez cheguei a conclusão que não ia conseguir instalá-lo. E depois ainda dizem que Linux é que é difícil…

Bom… Vou tentar instalar o Gentoo 64 bits, afinal ele já tinha funcionado no início do ano. Baixei e queimei um system rescue cd, o stage 3 do ~core2 e fui à luta. Resultado: desligamento sempre que tentava compilar alguma coisa pesada. Notava uma mensagem estranha muitas vezes: gcc internal compiler error

Está trabalhando demais? Vou tentar compilar com MAKEOPTS=”-j1″. Porém, mesmo resultado.

Resolvi voltar lá, configurei o Kernel e fui compilar. Em vários pontos dava essa segmentation fault (eu ia retirando as partes que davam esse erro), um deles (o último que eu anotei, aí resolvi desistir) foi no reiserfs:

fs/reiserfs/dir.c:231: internal compiler error: Segmentation fault

Pensei que só podia ser porque estava usando versões de Kernel e GCC muito novas, potencialmente instáveis (2.6.30-gentoo-r5 e 4.4). Mas por via das dúvidas resolvi procurar na internet. Eis o que encontrei:

- Random segfaults during compilation. These are signalled by compilation
  failing at undetermined points. Often trying to recompile will succesfully
  compile the file it was complaining about, but will fail for another. This is
  in general a sign of hardware problems.
...
There are multiple causes that can cause the above symptoms:
- Flaky hardware. This is showstopper number one. The cause can be either:
  - Insufficient power supply. To detect this try to unplug as many auxiliary
    devices (like cd-players, usb devices, etc.)  as possible and see whether
    the problem persists
  - Overclocked memory or CPU's can show random anomalous behaviour. Worse some
    hardware has these problems even at "factory speed". Lowering the clockspeed
    would be the solution to this problems
  - Overheated CPU's. CPU's have several calculation units which have a specific
    location on the chip. Compilation tends to intensively use a few of those
    units. This can cause heat problems within these units even when the overall
    chip temperature is within limits. If overheating is a problem a better cpu
    cooler often works. (Underclocking also works as heat increases with
    frequency)
  - Broken chipsets. There are some chipsets on motherboards which are broken.
    sometimes the os (read linux kernel) can work around some of these bugs,
    sometimes the only solution is a new motherboard.

Resolvi ainda testar o Funtoo estável pra desencargo de consciência, mas dessa vez o system rescue cd não bootou!!! Suponho então Broken chipset ou overclocked memory or CPU. Qual dessas? Apostaria na primeira, mas de fato não faço muita ideia, porque não entendo nada de hardware.

Resignado, ontem enviei e-mails detalhados para quatro assistências técnicas de São Paulo. Acabou o horário comercial há duas horas e nenhuma delas me respondeu.

Minha grande dificuldade é explicar isso pras assistências técnicas que, em geral, são compostas por pessoas que não entendem nada de Linux, nada de compilação e não compreendem nem mesmo o problema que tenho. Não que a última seja fácil, nem eu entendo esse problema (mas eu pelo menos sei que há algo errado). Elas testam deixando o computador ligado por algumas horas e, notando que ele não desliga, pensam que está tudo normal.

that-damntechsupportguy

Creio inclusive que há outros Compal JFT00 (a Intelbras produziu vários desses, além da Amazon) com o mesmo defeito, mas usuários comuns de computador nem devem notar.

Solução? Amanhã telefonarei pra Amazon e incomodarei eles até eles consertarem Alice de vez ou me prometerem um laptop novo. Por sorte Alice ainda está na garantia, que vai até janeiro de 2010. Espero que até lá eu já tenha resolvido tudo isso…

Greve na USP

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Na verdade trata-se da narração do dia de hoje, cujo principal evento interessante para o público em geral é a greve na USP, contada informalmente por alguém que presenciou um ato e não tem lado muito bem definido (embora em algumas coisas concorde com um ou com outro). É importante ainda deixar claro de início que nem mesmo discutirei os motivos da greve aqui, porque quero evitar discussões pela internet (em geral há mais trollismo do que na vida real).

Enfim, acordei às 4:00 e não consegui mais dormir. Rafael ontem me recordou algo importante que Vinícius de Moraes disse em seu Testamento: que o tempo é curto e não para de passar.

Tomando a frase como mote para o dia, saí para caminhar no campus da USP, que tem estado lindo ensolarado. O plano era simples: conhecer coisas, conhecer pessoas, fazer algo aleatório, fazer algo diferente, tentar me tornar uma pessoa mais completa (i.e., desnerdiar, curiosamente no Dia do Orgulho Nerd). Devo deixar claro que não me falta coisa diferente para fazer se considerarmos trabalhar e estudar para uns 10 assuntos diferentes como coisas diferentes, mas sinto falta de coisas diferentes como o convívio social na UFSC.

Então, após uma rápida aula de Cálculo, saí vagando pelo campus. Visitei o prédio da FAU, da FEA, alguns da ECA (inclusive cheguei a tocar piano numa sala de estudo do departamento de música) e acabei na entrada do departamento de letras da FFLCH. Vi que havia cerca de 20-30 estudantes reunidos conversando na grama e, como quem não quer nada, me juntei a eles.

O que estava acontecendo era um debate sobre movimentos estudantis. Um grupo majoritário argumentava contra o UNE (e em especial o CONUNE) e incentivava o Congresso Nacional dos Estudantes, que é realizado por um novo movimento estudantil que se justifica pela burocratização e corrupção do primeiro.

Cerca de uma hora depois (ou talvez um pouco mais) de muitas opiniões e excelentes falas (preciso aprender a argumentar do jeito desse pessoal), o debate acabou e fiquei por ali pra ver o que acontecia. Uma garota simpática deve ter percebido que eu era de fora e perguntou o que eu tinha achado do debate.

Como se tratava de um debate sobre um assunto sobre o qual não tenho experiência alguma, disse que achei interessantes os argumentos e que estava ali justamente para ouvir coisas diferentes. Disse que me parece simpática a idéia de um movimento estudantil que substitua o UNE e o CONUNE, mas preciso saber muito mais antes de tomar partido.

Conheci mais algumas pessoas (que escreveram este documento) e fui com elas para o ato que estava tendo em frente a reitoria. Afinal, por que não? O dia estava sendo muito interessante até aqui.

Comi um espetinho (super gostoso, por apenas um real… e acompanha pão!) e conversamos sobre uma porção de coisas (na verdade eu mais ouvi, não sou de falar muito num grupo de pessoas que não me conhecem), principalmente sobre universidade e política. Impressionei-me com a riqueza das idéias e com a inteligência da discussão. Ouvi excelentes argumentos e aprendi bastante sobre os motivos da greve atual e sobre aquela greve de 2007. Descobri, pelos próprios participantes, o que é o DCE da USP.

Era cerca de 13:30 e várias pessoas (dentre funcionários, professores e alunos de USP, UNICAMP e UNESP) gritavam no autofalante. Havia tambores, faixas e pessoas pintadas. Hoje deveria acontecer uma reunião entre o CRUESP (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas) e o Fórum das Seis (representantes de alunos, professores e funcionários de USP, UNICAMP e UNESP).

As pessoas que falavam no autofalante disseram que a reitoria não tinha permitido a entrada dos representantes e convidaram todos a ir para o outro lado da reitoria (a entrada) para pressionar a entrada.

Pelo que entendi, os funcionários da USP exigiam que Brandão (ex-diretor do sindicato que foi demitido no início desse ano, um dos motivos da greve) participasse como seu representante no Fórum das Seis, enquanto a reitoria não queria permitir. Além disso, a reitoria se negava a receber dois representantes dos alunos de cada universidade (por algum motivo ela só queria receber um, embora dos professores e funcionários ela aceitasse receber dois).

Houve uma negociação e a reunião pareceu ter sido cancelada por causa dessa divergência, o que foi extremamente revoltante para todos os presentes. Então a manifestação seguiu com gritos e cantos como “Sai Sueli [(reitora da USP)], entra Brandão!”, “Entra Brandão, senão ocupação!”. Foi baixando o nível para “Acabou o amor, isso aqui vai virar o inferno” e obviamente acabou com o uso de força. Estudantes e funcionários presentes arrombaram a porta usando a tampa de bueiros e invadiram a reitoria, fato agora pouco noticiado no UOL (não com tantos detalhes como os que eu escrevo). Presenciei um evento histórico. E há rumores que nesse momento a reitoria está ocupada, como em 2007. [update] Agora dizem que há tropas de choque na reitoria e estou ouvindo daqui helicópteros sobrevoando a USP. O negócio ficou feio MESMO. [/update]

Fato: a greve está tomando proporções maiores e se tornando mais perigosa. Mais funcionários estão aderindo, os outros campi estão aderindo, UNESP e UNICAMP estão aderindo. A invasão (e possível ocupação) da reitoria da USP é bem significativa. Há muitas coisas pelas quais os estudantes, professores e funcionários lutam (e em algumas delas eles tem razão, noutras é muito difícil se posicionar) nesse mês de maio e tenho impressão de que a Reitoria não dá muita importância (já passaram três semanas sem circular e sem bandejão e enquanto a greve estava fraca praticamente não houve discussão), o que faz mal para toda a população que visita a universidade.

Sobre a greve dos estudantes: Nesta semana estudantes de todos os institutos da USP estão fazendo assembléias que culminarão numa grande Assembléia Geral nessa quinta que decidirá pela greve ou não-greve (acredito que a decisão seja pela não-greve).

Sobre a greve dos professores: Também nesta semana (acho que amanhã) a ADUSP (Associação de Docentes da USP) decidirá se haverá ou não greve. Como não houve reunião hoje, é bem possível que ocorra. Porém, duvido que eu deixe de ter aulas, pois meus professores no IME já se manifestaram explicitamente contra a greve e contra a ADUSP.

Não é meu objetivo nesse post defender ou criticar a invasão da reitoria. Mas foi extremamente interessante participar desse evento, conhecer pessoas e ouvir excelentes discussões. Para mim, foi um ótimo dia. Desestressante, divertido. De certa forma (politicamente, ideologicamente, socialmente) um pouco pesado, que me deixou cheio de dúvidas e sem saber ao certo o que é certo (não que antes eu soubesse), mas precisamente o que eu precisava. Agora é hora de voltar a estudar… :)

Fora de casa

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Incrível como as últimas semanas passaram rápido e como de repente chegou o dia 16 de abril.

Parto de Guarulhos hoje às 18:40, faço escala em Amsterdã e chego em Estocolmo amanhã.

Stockholm Old Town
Creative Commons License photo credit: Christopher Neugebauer

Para quem quiser torcer ou acompanhar online, a prova do ICPC é dia 21, às 05:00 BRT.

Volto de Estocolmo no dia 23. Por isto, a não ser que a viagem esteja muito entediante, este recém-iniciado blog ficará de férias até o dia 24.

Até mais!