Arquivo mensais:abril 2012

Como baixar fotos dos álbuns da UOL

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Se você não é nerd, não tem tempo, não tem coração e não tem curiosidade, recomendo que ignore todo o texto e leia somente o item 3.

Por causa da forma como os álbuns de fotos do UOL são feitas, copiar suas fotos é uma tarefa difícil para a maioria dos usuários. Não acho que a UOL faça assim de propósito, mas por uma questão de usabilidade mesmo: há dois botões enormes em cima das fotos para você avançar para a próxima foto ou voltar para a anterior, e é por causa deles que você não consegue ver o “Copiar endereço da imagem” quando clica com a tecla direita na área da imagem (porque você não está realmente clicando na imagem, mas num botão transparente).

No entanto, há várias formas de copiar fotos dos álbuns da UOL. Neste post apresento algumas. Para testar, você pode tentar aplicar essas ideias neste álbum.

0. Soluções toscas

Como eu disse no início, os webmasters do UOL aparentemente não fazem os álbuns se comportarem assim de propósito, mas por causa de botões gigantes. A maneira mais fácil de copiar uma foto de um álbum do UOL é clicar bem na coluna exatamente no meio dela, evitando as duas setas. Você pode passar o mouse devagar pelo meio da foto até que o seu cursor deixe de ser uma mãozinha e seja uma seta. Pra saber se você deve ir pra esquerda ou pra direita é só ir na direção da seta que você não está vendo.

Outra solução também tosca é simplesmente tirar um screenshot da tela em que você está (apertar a tecla PrintScreen na maioria dos computadores deve funcionar) e recortar a imagem. Eu imagino que essa seja a solução mais usada, mas pessoalmente acho ela terrível.

Não pare de ler! Prometo que as próximas soluções vão ser mais legais.

1. Somente para o Firefox: desativar estilos

Desativar o CSS da página é uma forma fácil de acabar com todo seu leiaute e dessa forma copiar a imagem sem se preocupar com perfumarias. Você provavelmente pode fazer isso em qualquer navegador usando plugins (e nos navegadores que não suportam CSS é até mais fácil: você nem precisa fazer nada!) e no Firefox em particular há um botão no menu (Exibir » Estilos » Sem estilos).

2. JavaScript na barra de endereço

Em geral, você pode escrever um script na barra de endereço para executá-lo na página em que você está. Há um tempo atrás todos os navegadores aceitavam isso, mas aparentemente muitos têm desativado esse recurso por questões de segurança, inclusive o Firefox. De qualquer maneira, se seu navegador suportar, você pode simplesmente digitar:

javascript:document.getElementById("setaEsq").style.width=document.getElementById("setaDir").style.width="50px";void(0);

na barra de endereço quando estiver na página do álbum do qual quer baixar fotos.

Isso vai reduzir o tamanho dos botões, fazendo com que a área clicável seja bem maior.

Exercício para quem souber ou quiser aprender JavaScript: Escreva um script que abra a foto numa nova aba em vez de simplesmente deixá-la clicável. Transforme-o num bookmarlet (veja o próximo item).

3. Bookmarlet

A solução anterior nos incentiva a criar um botão que execute esse script para não termos que decorá-lo nem copiá-lo sempre. Eis aqui esse botão para você: Aumentar área clicável das fotos dos álbuns da UOL. Clique com a tecla direita nesse link e adicione-o aos seus favoritos. Quando você estiver num álbum, clique nesse favorito e a imagem vai se tornar magicamente clicável :)

4. Firefox e GreaseMonkey

Se você usa Firefox e tem instalada a extensão GreaseMonkey, instale o seguinte user script (que executa o mesmo código que colei no item 2) e sempre que você abrir um álbum as fotos serão clicáveis: Download do userscript

// ==UserScript==
// @name Copiador de fotos UOL
// @description Torna mais fácil copiar fotos de álbuns da UOL
// @author  Tiago Madeira <contato@tiagomadeira.com>
// @include http*://*.uol.com.br/album/*
// @version 0.9
// ==/UserScript==
 
(function(){
    window.onload = (function() {
        document.getElementById("setaEsq").style.width = "50px";
        document.getElementById("setaDir").style.width = "50px";
    });
})();

Mas estou lendo este post em 2020 e o UOL mudou! Ou eu quero baixar fotos do site X, não do UOL!

A solução 1 (desativar estilos) funciona em 99% dos casos. Não quer ver sites sem estilo? Continue lendo.

5. Se você não quiser utilizá-la e se você estiver usando Firefox, pode clicar no ícone ao lado do endereço do site na barra de endereço e aí no botão “Mais informações”. Isso vai abrir uma tela com uma seção “Mídia” onde é possível ver e salvar imagens, ícones e vídeos que seu navegador baixou para mostrar a página. Esse método funciona também para copiar vídeos HTML5, inclusive do YouTube:

6. Se você não quiser procurar uma imagem no meio de um monte de mídias, a última versão do seu navegador deve ter um botão “Inspecionar elemento” no menu de contexto sempre que você clica com a tecla direita em qualquer lugar da página. Usando essa ferramenta é possível ver o código HTML do que você está vendo (ela é diferente e melhor do que simplesmente ver o código-fonte da página porque usando a inspeção de elementos você vê o código do momento atual, depois dos scripts mudarem as coisas). Se você pedir para inspecionar alguma coisa transparente em cima da imagem, em geral não vai ser difícil achar a própria imagem. Este screenshot é do Chrome:

Há inúmeras soluções mais nerds, mas quis manter a lista com sugestões fáceis e que não precisam de nada além do seu navegador. Alguma outra ideia simples, criativa e divertida? Blogue por aí ou me conte pra eu aumentar a lista!

43 anos de Internet

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Há exatos 43 anos foi escrito o primeiro RFC (Request for Comments), motivo pelo qual muitos comemoramos no dia 7 de abril o nascimento da Internet. Imagino que poucas pessoas já leram ou sabem o que são RFCs fora do meio nerd: em resumo, são simples documentos de texto com não mais de 80 caracteres de largura que regulamentam os protocolos usados na Internet e são fundamentais para o desenvolvimento dos programas que você usa diariamente, inclusive o que você está usando para abrir o meu blog (seja no seu computador, no seu celular, ou no seu óculos).

Traduzi para o português (meio correndo e talvez porcamente; me corrijam se acharem alguma coisa muito errada) e recomendo a leitura do texto abaixo, escrito pelo cara que fez o primeiro RFC e publicado pelo The New York Times há três anos (para o aniversário de 40 anos da Internet). Além do valor histórico, acho que é um texto que tem muito a ver com o debate sobre as possibilidades que a internet do Wikileaks e do Mega Upload nos abre hoje e sobre os valores democráticos da rede, que têm sido duramente combatidos pelo conservadorismo do governo dos Estados Unidos e por iniciativas como a SOPA nos EUA e a Lei Azeredo no Brasil.

Como a Internet obteve suas regras

* Stephen Crocker

Hoje é uma data importante na história da Internet: é o aniversário de 40 anos dos chamados RFCs (Request for Comments). Fora da comunidade técnica, poucos sabem o que são RFCs, mas esses simples documentos moldaram o funcionamento interno da Internet e têm desempenhado um papel significativo no seu sucesso.

Quando os RFCs nasceram, não havia a World Wide Web. Mesmo no final de 1969, havia apenas uma rede rudimentar ligando quatro computadores em quatro centros de pesquisa: a UC Los Angeles, o Stanford Research Institute, a UC Santa Barbara e a Universy of Utah em Salt Lake City. O governo financiou a rede e os cem ou menos cientistas da computação que a utilizaram. Era uma comunidade tão pequena que todo mundo se conhecia.

Muito planejamento e muitas deliberações tinham sido feitos sobre a base da tecnologia da rede, mas ninguém tinha pensado muito no que fazer com ela. Então, em agosto de 1968, um punhado de estudantes e funcionários dos quatro locais começaram a se reunir intermitentemente pessoalmente para tentarem descobrir. (Fui sortudo o suficiente para ser um dos estudantes da UCLA incluídos nessas grandes discussões.) Só na primavera seguinte nós percebemos que deveríamos começar a escrever nossos pensamentos. Pensamos que talvez devêssemos juntar memorandos temporários e informais sobre os protocolos da rede, as regras pelas quais os computadores trocam informação. Me ofereci para organizar nossas primeiras notas.

O que deveria ser uma tarefa simples acabou se tornando um projeto desesperador. Nossa intenção era apenas encorajar outras pessoas a dialogarem, mas fiquei preocupado que soasse como se estivéssemos tomando decisões oficiais ou afirmando autoridade. Na minha cabeça, eu estava incitando a ira de algum professor de prestígio em algum estabelecimento da Costa Leste. Eu estava realmente perdendo o sono com a coisa toda e quando finalmente decidi escrever meu primeiro memorando, que lidava com a comunicação básica entre dois computadores, era madrugada. Tive que trabalhar no banheiro para não incomodar os amigos com quem eu estava hospedado, que estavam todos dormindo.

Ainda com medo de soar presunçoso, rotulei a nota “Request for Comments” (Pedido de Comentários). O RFC 1, escrito 40 anos atrás, deixou muitas perguntas sem resposta e logo se tornou obsoleto. Porém, os RFCs se enraizaram e floresceram. Eles se tornaram o método formal de publicar padrões do protocolo da Internet, e hoje são mais de 5000, todos disponíveis online.

Começamos a escrever essas notas antes que nós tivéssemos e-mail e mesmo antes que a rede estivesse realmente funcionando, então nós escrevíamos nossas visões para o futuro no papel e mandávamos pelo correio. Enviávamos uma impressão para cada grupo de pesquisa e eles tinham que tirar suas cópias.

Os primeiros RFCs variavam de grandes visões para detalhes mundanos, embora o segundo rapidamente tenha se tornado o mais comum. Menos importante do que o conteúdo desses primeiros documentos era o fato de que eles eram disponíveis de forma gratuita e qualquer um poderia escrever um. Em vez de um modelo de tomada de decisão baseado em autoridade, nós confiamos num processo que chamamos de “consenso básico e código em execução”. Todo mundo era bem-vindo a propôr ideias e, se pessoas suficientes gostassem e usassem, o projeto se tornava um padrão.

No fim, todos entendiam que havia uma utilidade prática em escolher fazer a mesma tarefa da mesma forma. Por exemplo, se quiséssemos mover um arquivo de uma máquina para a outra, se você projetasse o processo de uma forma e eu projetasse de outra, então qualquer pessoa que quisesse falar com nós dois teria que usar duas formas diferentes para fazer a mesma coisa. Então houve muita pressão natural para evitar tais inconvenientes. Provavelmente ajudou que naqueles dias nós evitávamos patentes e outras restrições; sem incentivo financeiro para controlar os protocolos, era muito mais fácil chegar a acordos.

Isso foi o melhor para a abertura dos projetos técnicos, e a cultura dos processos abertos foi essencial para permitir que a internet crescesse e evoluísse da forma tão espetacular como fez. Na verdade, nós provavelmente não teríamos a web sem eles. Quando os físicos do CERN quiseram publicar um monte de informações numa forma que as pessoas pudessem facilmente pegá-las e adicionarem às mesmas, eles simplesmente construíram e testaram suas ideias. Por causa do fundamento que colocamos no RFC, eles não tiveram que pedir permissão, ou fazerem quaisquer mudanças nas operações básicas da Internet. Outros logo copiaram-os — centenas de milhares de usuários de computador, então centenas de milhões, criando e compartilhando conteúdo e tecnologia. Isso é a Web.

Posto de outra forma, nós sempre tentamos projetar cada novo protocolo para ser útil tanto para seu próprio fim como para serem um bloco de construção disponível para outros. Nós não pensamos nos protocolos como produtos acabados, mas deliberadamente expusemos suas arquiteturas internas para fazer fácil que os outros os aproveitassem. Isso era a antítese da atitude das velhas redes de telefonia, que desencorajavam fortemente quaisquer acréscimos ou utilizações que elas não haviam sancionado.

É claro que o processo para publicar ideias e escolher padrões eventualmente se tornou mais formal. Nossas reuniões soltas e anônimas cresceram e se semi-organizaram no que chamamos de Network Working Group (Grupo de Trabalho da Rede). Nas quatro décadas desde lá, esse grupo evoluiu, se transformou algumas vezes e hoje é a Internet Engineering Task Force (Força de Tarefa da Engenharia da Internet). Ela tem alguma hierarquia e formalidade, mas não muita, e continua a ser gratuita e acessível a qualquer um.

Os RFCs cresceram também. Eles não são mais realmente pedidos de comentários, porque eles são publicados somente depois de muita examinação. Mas a cultura que foi construída no início continuou a desempenhar um papel importante em manter as coisas mais abertas do que elas poderiam ter sido. Ideias são aceitas e classificadas pelos seus méritos, com tantas ideias rejeitadas como aceitas.

A medida que reconstruirmos nossa economia, espero que tenhamos em mente o valor da transparência, especialmente em indústrias que raramente a tiveram. Seja na reforma do sistema de saúde ou na inovação da energia, as maiores recompensas virão não do que o pacote de incentivo paga diretamente, mas das perspectivas que abrimos para os outros explorarem.

Me lembrei do poder e da vitalidade dos RFCs quando eu fiz a minha primeira viagem para Bangalore, India, há 15 anos atrás. Fui convidado a dar uma palestra no Indian Institute of Science e durante a visita fui apresentado a um estudante que construiu um sistema de software bastante complexo. Impressionado, perguntei onde ele havia aprendido a fazer tudo aquilo. Ele respondeu simplesmente: “Eu baixei os RFCs e li.”

* Stephen D. Crocker escreveu o primeiro RFC há exatos 43 anos.