Arquivo mensais:agosto 2011

Direto do Chile

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Os Carabineros, los pacos hijos de Pinochet, saíram à caça. Pegavam qualquer um pelo caminho. Como zombies babando atrás de sangue novo. Corríamos para ajudar uns aos outros. Numa rua distante, sacaram um dos nossos.

(Nathalie Drumond, 25/08/2011)

É bastante raro eu escrever um post no meu blog para recomendar outro. Nem lembro a última vez que fiz isso, mas provavelmente foi na época do 1001 Gatos de Schrödinger. Os relatos da minha amiga Thalie, que está no Chile acompanhando e participando da mobilização dos estudantes e do povo chileno, me intimam a fazê-lo.

É tempo de mudança no mundo. As revoluções árabes inspiraram multidões a irem pras ruas em busca de alternativas mais democráticas (com o povo no poder de fato) à política dos banqueiros e das empresas que impera em todo o planeta. Nossa geração, que cresceu nos anos 90, começou a perceber que o capitalismo não é invencível e vê que a ação coletiva pode produzir mudanças.

O exemplo foi pra vários países vizinhos, seguiu pra Europa (Espanha, Grécia, Islândia, Inglaterra, Portugal, entre outros), até pros Estados Unidos (grande mobilização em Wisconsin no primeiro semestre, que a mídia quase não mostrou) e há mais de dois meses tem grande expressão aqui perto, na América Latina: no Chile.

Protesto dos estudantes no Chile

Como o professor Vladimir Safatle escreveu há duas semanas na Folha de São Paulo: Nessas horas, vale a lição de Maria Antonieta: aqueles que não percebem o fim de um mundo são destruídos com ele. Há momentos na história em que tudo parece acontecer de maneira muito acelerada. Já temos sinais demais de que nosso presente caminha nessa direção. Nada pior do que continuar a agir como se nada de decisivo e novo estivesse acontecendo.

No caso do Chile, a Folha continua agindo como se nada de novo estivesse acontecendo. Em meio a uma greve geral convocada para ontem e hoje, ela noticiou que “Para esta quarta-feira não está previsto qualquer protesto no Chile”. Na verdade, pasmem: a única notícia sobre o Chile que vi na mídia tradicional ontem foi a fusão entre um banco chileno e um de outro local. Procurei por “Chile” na página inicial da Folha Online e o Firefox posicionou meu cursor numa promoção de passagens aéreas.

Nesse prospecto, e aproveitando a facilidade que a internet nos proporciona pra compartilhar em tempo real informações boicotadas por essa velha imprensa, o blog de uma revolucionária que acompanha por dentro tudo o que está acontecendo em Santiago tem um valor inestimável.


Thalie no Chile

O Direto do Chile é, nas palavras da Thalie: uma espécie de diário de bordo da estada no Chile e do rumo das mobilizações. Trata de política, não apenas daquela dos profissionais de gabinete, mas principalmente de uma nova forma de se fazer política que tem despontado neste último período. É sobre a política que move mulheres e homens a tomar as ruas e as praças pelo mundo que trataremos aqui, mais especificamente daquela que está sendo criada e recriada com as mobilizações do Chile. Inspirada pelos dizeres dos niños ao longo das marchas “que se perca o ano letivo, mas não se deixe passar a educação de Pinochet”. Já basta! É tempo de construir o novo e ele está em nossas mãos.

Visita (e divulgação) obrigatória: diretodochile.juntos.org.br

Em defesa dos pseudônimos

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 6 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Tradução por Tiago Madeira do artigo A case for pseudonyms (29/jul/2011), escrito pela Jillian York (Electronic Frontier Foundation).

pseu·dô·ni·mo
    — substantivo nome fictício usado por um autor para ocultar sua identidade

Existem inúmeras razões pelas as quais os indivíduos podem desejar usar um nome diferente daquele com o qual nasceram. Eles podem estar preocupados com ameaças às suas vidas, empregos ou com retaliações políticas ou econômicas. Eles podem querer evitar discriminação ou podem preferir usarem um nome que é mais fácil de pronunciar ou de soletrar em determinada cultura.

Online, as razões se multiplicam. A cultura da internet por muito tempo encorajou o uso de “nomes de usuários”, pseudônimos que podem ou não estarem associados a identidade de uma pessoa fora da rede. Habitantes de longa data do meio virtual podem ter nicknames que já duraram mais de vinte anos.

Discursos pseudônimos tiveram um papel fundamental através da história também. Dos esforços literários de George Eliot e Mark Twain até as defesas políticas de Publius em O Federalista [Federalist Papers, uma série de 85 artigos argumentando para a ratificação da Constituição dos Estados Unidos] ou as cartas de Junius para o Public Advertiser [jornal britânico do século XVIII], o povo contribuiu fortemente para o debate público sob pseudônimos e continua o fazendo até hoje.

Um novo debate em torno do pseudonimato em plataformas online tem surgido como um resultado da política de identificação do Google+, que requer que os usuários se identifiquem pelo “nome que seus amigos, família ou colegas de trabalho geralmente chamam”. Essa política é similar a do Facebook, que exige aos usuários “fornecer nomes e informações reais”. A política do Google em pouquíssimas semanas atraiu significativa atenção da comunidade e de fora dela, provocando o debate sobre se uma plataforma social deve colocar limites na identidade. Um número considerável de usuários do Google+ já experimentou a desativação de suas contas como um resultado dessa política, que Kirrily “Skud” Robert, um ex-funcionário do Google expulso do serviço por se identificar como “Skud”, documentou em detalhes.

Aqueles a favor do uso de “nomes reais” em plataformas sociais apresentaram uma série de argumentos: que os nomes reais melhoram o comportamento dos usuários e criam um ambiente mais civilizado; que os nomes reais ajudam a prevenção contra perseguição e assédio tornando mais fácil ir atrás dos infratores; que uma política de exigir nomes reais impede agentes da lei de entrarem no sistema para espionarem os usuários; que nomes reais fazem os usuários responsáveis por suas ações.

Embora esses argumentos tenham seus méritos, eles ignoram o problema. O dever dos defensores dessas políticas de nomes reais não é mostrar que o uso de nomes reais tem um lado positivo, mas mostrar que esses benefícios superam inconvenientes muito sérios.

Considere, por exemplo, Wael Ghonim, o egípcio (agora famoso) cuja página no Facebook, Somos todos Khaled Said, inspirou milhares a participar dos levantes de janeiro. Embora a página tenha sido criada no verão de 2010, não muito depois da morte de Khaled Said nas mãos dos policiais, não foi até o fim daquele ano que ela começou a ganhar impulso. E, no entanto, sua presença nos protestos quase não aconteceu: em novembro de 2010, a página caiu depois de seu administrador (que agora sabemos que era Ghonim) foi relatado por usar um pseudônimo. O Facebook esteve apto a oferecer uma solução, permitindo uma pessoa “identificada” a substituir Ghonim, mas esse caso foi excepcional, em grande parte devido à capacidade de Ghonim de se conectar ao pessoal do Facebook para resolver o problema. Nem todos têm essas conexões e não há forma de saber quantas pessoas já caíram através das rachaduras, por assim dizer, porque elas não tinham conhecimento sobre como apelar contra a desativação de uma conta. No caso de Ghonim, usar seu nome real teria o colocado num risco considerável. E, embora pseudonimato não ofereça garantias, torna consideravelmente mais difícil para as autoridades identificar ativistas.

Há inúmeras razões pelas as quais um indivíduo pode se sentir mais seguro por se identificar sob um nome diferente do seu nome de nascimento. Adolescentes que se identificam como membros da comunidade LGBT, por exemplo, são regularmente ameaçados online e podem preferir se identificar na internet com um pseudônimo. Indivíduos cujo conjugês trabalham para o governo ou são muito conhecidos, muitas vezes podem querer esconder aspectos de seu próprio estilo de vida e podem se sentir mais seguros operando sob um nome diferente online. Sobreviventes de violência doméstica que precisam não ser encontradas por seus agressores podem querer alterar o seu nome, inteiro ou uma parte. E qualquer pessoa com opiniões políticas impopulares pode optar por não arriscar sua vida por meio da identificação com um pseudônimo.

Como o juiz John Paul Stevens, da Suprema Corte americana, escreveu na decisão do caso McIntyre v. Ohio Elections Comm’n 514 U.S. 334, 357 (1995):

“O anonimato é um escudo contra a tirania da maioria. Assim, exemplifica o propósito por trás da Carta dos Direitos dos EUA e, em particular, da Primeira Emenda, que foi escrita para proteger indivíduos impopulares da retaliação — e suas ideias de serem suprimidas — na mão de uma sociedade intolerante. O direito de permanecer anônimo pode ser abusado quando protege conduta fraudulenta. Mas o discurso político, por sua natureza, terá algumas vezes consequências desagradáveis e, em geral, nossa sociedade atribui maior peso ao valor da liberdade de expressão do que aos perigos do seu uso indevido.”

Assim como usar nomes “reais” pode ter consequências reais, obrigar o uso de nomes “reais” pode também, excluindo da conversa qualquer pessoa que teme retaliação por compartilhar seus pontos de vista. Embora a obrigação de usar nomes reais possa aumentar a “civilidade” da conversa, é quase certamente em detrimento da diversidade.

As blogueiras do Geek Feminism compilaram uma wiki destacando pessoas e grupos prejudicados por uma política de nomes reais, demonstrando as centenas de potenciais razões pela as quais uma pessoa pode querer usar um nome diferente do seu próprio. Embora muitos exemplos da lista demonstram casos de indivíduos em risco que usam um pseudônimo por razões de segurança, há outras importantes razões pelas as quais alguém pode escolher o pseudonimato também.

Um exemplo é Michael Anti, o jornalista chinês cujo nome de nascimento é Jing Zhao. Anti foi expulso do Facebook em janeiro de 2011, presumivelmente depois de alguém relatá-lo por usar um nome diferente do qual ele nasceu. Apesar de ter usado seu pseudônimo por quase uma década (com o qual assinava textos no New York Times e em todo lugar), o Facebook insistiu na aplicação rigorosa de sua política.

No Google+, exemplos similares tem surgido, assim como falsos positivos, levando o Google+ a revisar alguns de seus processos, inclusive deixando de desativar imediatamente as contas, em vez disso mostrando ao usuário um aviso e oferecendo-o a oportunidade de alinhar seu nome com sua política.

No entanto, políticas que requerem nomes “reais” são quase impossíveis de aplicar em larga escala e, como vários exemplos demonstraram, a aplicação tende a ser enviesada contra indivíduos que são muito conhecidos ou têm inimigos, como resultado do mecanismo da comunidade reportar.

É direito das empresas — Google, Facebook ou outra qualquer — criar políticas como acharem melhor para seus serviços. Mas é uma visão curta dessas empresas sugerir que uma política de “nomes reais” cria maior potencial para a civilidade, quando elas a fazem às custas da diversidade e da liberdade de expressão. De fato, esse giro para a elaboração de políticas que requerem nomes “reais” vai ter um efeito inibidor sobre a liberdade de expressão online.