Arquivo mensais:abril 2009

Fora de casa

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Incrível como as últimas semanas passaram rápido e como de repente chegou o dia 16 de abril.

Parto de Guarulhos hoje às 18:40, faço escala em Amsterdã e chego em Estocolmo amanhã.

Stockholm Old Town
Creative Commons License photo credit: Christopher Neugebauer

Para quem quiser torcer ou acompanhar online, a prova do ICPC é dia 21, às 05:00 BRT.

Volto de Estocolmo no dia 23. Por isto, a não ser que a viagem esteja muito entediante, este recém-iniciado blog ficará de férias até o dia 24.

Até mais!

Refeição especial

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Refeição especial
Acho que é isso que chamam de globalização

A KLM tem ao menos um cliente insatisfeito. Onde posso optar por uma picanha mal passada?

Problemas ao comentar?

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Duas pessoas reportaram que este blog não está aceitando comentários. Eu acabei de testar e não tive problemas, porém acho estranho que ele esteja há cinco dias sem receber comentários (ou nem tanto, já que as pessoas também vivem fora da internet e os últimos quatro dias foram de Páscoa) e duas pessoas diferentes não conseguiram comentar.

Se você não está conseguindo comentar, favor deixar um comentário para eu investigar o problema.

No mais, estou temporariamente sem internet em casa (e espero que ela volte hoje), motivo pelo qual estou ausente na internet.

Assaltos no entorno da USP

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Sidney, estudante de geologia na USP, foi assaltado (e espancado) na semana passada numa das saídas de pedestre da USP e relatou sua história chocante em seu blog no Stoa. Vale muito a pena ler, inclusive os comentários onde se discute uma solução. O mais impressionante é o descaso da Guarda Universitária e da Polícia.

O último comentário até o momento (número 34) é sobre a entrada de pedestres que eu uso:

A coisa anda feia mesmo, hoje tentaram me assaltar praticamente na porta de casa. Isso porque moro a uns 20 metros de um portão de pedestres próximo ao da Vila Indiana (a portaria do mercadinho… nem todo mundo sabe onde fica) na Rua Francisco dos Santos. De uns meses para cá, os assaltos tem sido quase que diários.

Hoje tomei uma coronhada na boca e só não levaram as minhas coisas porque a rua estava cheia de testemunhas e um senhor ameaçou chamar a polícia. Realmente é preciso fazer alguma coisa, pois do jeito que está não pode ficar.

Apesar de saber que não surte muito efeito, peço para todos que foram atacados fazerem B.O.s, pois só assim ele podem mapear a área e verem que essa região está sendo muito visada.

Estatísticas estranhas

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

A linha verde é a quantidade de subscribers do feed desse blog, segundo o Feedburner. A linha azul é a quantidade de vezes que um artigo foi lido (ou clicado) por algum desses leitores.

Feed Statistics

Como vocês podem notar, antes de eu criar este blog o feed estava estabilizado em 100. Logo que eu criei a quantidade de leitores aumentou substancialmente até quase 200. De um dia pro outro, de repente, como se para me confundir criando uma parábola, a quantidade de leitores começou a diminuir muito. Agora chegou em 78 (menos que eu tinha antes de começar a escrever).

Alguém tem algum palpite para o que está havendo?

O mês de abril

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

São incríveis nove dias de aula, dos quais três já passaram.

Calendário de Abril

Legenda:
Os dias vermelhos são sábados, domingos ou feriados na USP. Os dias verdes passarei na Suécia competindo na final mundial do ACM ICPC. Os dias amarelos (como é de se esperar somando as cores em RGB) são feriados na USP que eu passarei em Estocolmo.

Novo site do “meu” colégio

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Estudei no Colégio Salesiano Itajaí por 11 anos, da primeira série do Ensino Fundamental ao terceiro ano do Ensino Médio. Desde a oitava série (2004) trabalhei desenvolvendo o seu site em troca de bolsa de estudos. Durante a maior parte deste tempo o site esteve hospedado no meu servidor.

Quando eu concluí minha vida escolar lá (em 2007) fiquei devendo uma reformulação no site para passar para um servidor novo e deixar tudo bonitinho para outra pessoa poder assumi-lo. Ano passado acabei não conseguindo trabalhar nele e hoje, um ano e meio depois, ele foi publicado. Um alívio.

Programei em PHP e em JavaScript (usando o JQuery, que é uma mão na roda), usei banco de dados MySql e as linguagens de marcação XHTML 1.0 e CSS 2.0. O site é 100% administrável, conta com mais de 1100 notícias e 33000 fotos que já estavam cadastradas em sua versão anterior, seu conteúdo está todo disponível sob uma licença Creative Commons e seu código client-side está todo disponível sob a GPL.

Visite: www.salesianoitajai.g12.br

Site do Colégio Salesiano Itajaí

O dia em que passei na USP

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Agora faz quase um mês. Do nada me veio na cabeça e lembrei que preciso registrar. Era 11 de março, quarta-feira. Floripa estava extremamente ensolarada e andar na rua me fazia suar.

O dia corria normalmente. Acordei cedo e fui para a UFSC, porque estava dando aulas de preparação para a OBI para os calouros todos os dias. Estava com muito sono, porque na terça dois amigos tinham vindo à minha casa comer um bife e acabei indo dormir tarde. Não lembro ao certo o que ensinei para os calouros, mas ainda estava no básico de C. Se eu não me engano, foi vetores.

Às 10:00 eu tive aula de H-Cálculo III. As aulas de H-Cálculo são as que mais sinto falta aqui na USP. Era um curso extremamente rigoroso, a ponto de provar todas as propriedades de limites, derivadas e integrais a partir de teoria dos conjuntos e de treze axiomas dos reais. A aula do dia era sobre o Teorema de Bolzano-Weierstrass em \mathbb{R}^n.

Seja S \subset \mathbb{R}^n um conjunto limitado contendo uma quantidade infinita de pontos. Então existe pelo menos um ponto de \mathbb{R}^n que é ponto de acumulação de S.

A idéia da prova não é muito complexa, mas a prova em si, rigorosa como o professor gostava, é grande. Três horas e cinco páginas de caderno depois, a aula acabou depois da demonstração do Teorema da Interseção de Cantor.

O problema das aulas de quarta do PAM era que perdíamos o horário de almoço. Nesta quarta em especial eu comi um pão de queijo e segui para a sala em que passava o dia na UFSC, a INE513. A INE513 é uma sala que nós [maratonistas] ganhamos com três máquinas (que conjecturo que sejam as mais antigas do departamento). Era um lugar pequeno, mas tinha ar condicionado e era muito bom para passar o tempo e estudar.

No térreo do INE encontrei dois amigos que também estavam indo estudar para a Maratona. Eles falavam com um gringo e eu entrei na conversa. O espanhol estava procurando um freelancer na área de desenvolvimento web para pôr em prática uma grande idéia que ele teve. Ele pediu para usar um computador para me mostrar o que ele queria e levei-o para a INE513. Lá ele explicou durante mais de uma hora o que ele queria e ao fim ficou com meu e-mail para entrar em contato.

Assim que ele foi embora (era por volta das 15:00), resolvi dar uma olhada no site da Fuvest para ver se algum conhecido tinha sido aprovado na quarta chamada.

Não cogitava a hipótese de eu ter sido aprovado, porque minha classificação na carreira de “Engenharia Politécnica e Computação” foi 1322 (enquanto o último colocado da quarta chamada do ano passado tinha ficado com classificação 1181).

Meu desempenho na Fuvest

Porém, para minha surpresa, meu nome estava na lista. Minha primeira frase foi:

“Vinícius, passei no IME!”

Ele não acreditou. Ninguém acreditaria. Nem eu acreditava. Meus planos pro primeiro semestre já estavam feitos lá na UFSC e minha grade de horários só tinha aulas boas: H-Cálculo III, H-Álgebra Linear III e Álgebra I.

Liguei para os meus pais e para a minha namorada. Mandei e-mails para os meus irmãos e para meus tios paulistanos que me abrigaram durante várias provas de vestibular e transferência nos dois anos anteriores.

Parei pra ler o manual da Fuvest, em especial a parte de matrículas. Descobri que deveria estar em São Paulo na sexta-feira, 13. Ou seja, deveria sair correndo.

Eufórico, perdi mais algum tempo com o manual e saí andando pela UFSC em busca dos documentos necessários. Por um ato falho, cheguei até a porta da aula de Álgebra, mas não cheguei a entrar.

Conseguir a desmatrícula na UFSC foi difícil. Eu devia um real para a biblioteca e só podia pagar através de uma Transferência para a Conta Única do Tesouro Nacional, i.e., deveria enfrentar a fila do caixa do Banco do Brasil. Na quarta não consegui mais nada, mas fiquei até umas 21:00 na INE513 conversando com meus colegas da UFSC Time Limit Exceeded.

No dia seguinte acordei cedo novamente e, após mais uma aula para calouros e a desmatrícula na UFSC, almocei com meus amigos na Pizza Hut. Logo depois do almoço “de despedida”, num sol de rachar, saí de casa com tudo que consegui e peguei um ônibus para Itajaí, de onde no mesmo dia partiria para São Paulo e para uma nova vida.

São Paulo - Consolação
Creative Commons License photo credit: Jefferson Breves

Semana santa

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Acordei às 06:30. Às terças eu tenho aula de Álgebra ás 08:00 e não queria perder essa, porque a professora ficou de corrigir minha nota. Peguei o circular às 07:35. Cheguei no IME às 07:45. Horário perfeito.

Porém, observei que as salas estavam fechadas e não havia alunos. Vi apenas seguranças, moças da limpeza e um ou outro professor. Perguntei para um segurança what the hell estava havendo. Ele informou que não tem aula na Semana Santa.

Jesus on the Cross
Creative Commons License photo credit: DNQA

Lembrei-me que tinha ouvido algo sobre a Semana Santa na semana passada, mas não dei muita atenção. Acho que meu cérebro ignorou porque não viu sentido em emendar uma semana inteira por causa de um feriado na sexta. Pensei que deveria ter ido mais nas aulas semana passada que algum professor teria avisado. Mas tudo bem. Porque notei que felizmente a biblioteca estava aberta, logo minha ida ao IME não teria sido em vão.

Havia reservado um livro que seria devolvido anteontem chamado Matching Theory (László Lovász, M. D. Plummer). É um livro fora de circulação, raríssimo e que, segundo consultas na internet, só existe em duas bibliotecas no Brasil: a do IME-USP e a do IMPA.

Eu estou procurando este livro desde o início de março, quando ainda estava em Floripa. Reservá-lo foi uma das primeiras coisas que fiz quando cheguei no IME (logo depois de fazer a carteirinha na biblioteca, é claro). Estava extremamente feliz por finalmente poder tê-lo.

Então pedi o livro à moça. Ela deu uma olhada nos livros que tinham chegado. Disse que este livro não chegou e que nem via sentido em ele ter chegado na semana santa. Eu disse-lhe que deveria ter chegado no dia 05. Ela duvidou. Eu insisti pra ela olhar na ficha. Ela olhou, riu (da minha cara) e disse que o livro estava com um professor.

“E daí?”, pensei. “Os professores devem ter um tempo maior de entrega, e só. Certo?”

Não. Errado. Perguntei à moça se o professor tinha atrasado a devolução e ela respondeu dizendo que os professores não só tem um prazo maior como não precisam devolver o livro no prazo. Ora, para quê o prazo então?

Controlei-me e perguntei então qual é o professor que estava com o livro. Provavelmente é alguém do grupo de otimização combinatória (talvez o meu orientador de iniciação científica), eu poderia falar com ele pra tirar cópias. A moça respondeu que não pode dizer.

Excelente então, fico sem livro e sem previsão de quando o professor vai devolver, sem nem saber se o livro ainda existe. Talvez eu nunca consiga o livro. Quem sabe?

Educadamente agradeci e fui pegar o circular para voltar pra casa. Há cinco dias estou morando a 160m da Entrada do Mercadinho (i.e., 700m do ponto de circular mais próximo dentro da Cidade Universitária).

Quando estava quase chegando ao ponto de ônibus, vi o circular passando. Droga, mais uns 15 minutos de espera. Para não ficar sem fazer nada, resolvi ir andando.

A USP é enorme e tenho a impressão que andar com o Network Flows (Ahuja, Magnanti, Orlin) na mochila aumenta consideravelmente o seu tamanho.

Há ao menos duas maneiras de ir andando do IME pra minha casa. A primeira é o menor caminho, passando pela Rua do Matão (que não tem esse nome em vão, de fato fica no meio de uma selva). A segunda é o maior caminho, mas é pela civilização. Optei pela segunda.

Após três quilômetros e uns 30 minutos, cheguei (cansado) aqui (e, é claro, no meio do caminho outro circular passou por mim). Uma hora decididamente inútil. Acho que foi o meu trote.

foto_206 green hair
Creative Commons License photo credit: FADB
Ok, menos, também não foi tão ruim quanto o dele.

Ao menos nunca mais me esquecerei que na USP não tem aula na Semana Santa.

Probabilidade

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 8 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

Curiosamente as melhores aulas (em conteúdo e rigor matemático) que estou tendo no IMEUSP neste semestre são as de Introdução à Probabilidade e Estatística I (MAE 121). Digo “curiosamente” porque

0. Nunca gostei de estatística (e acreditava que este seria o foco da disciplina);

1. Álgebra e Cálculo tem um conteúdo que acredito ser bem mais matemático;

2. Sinceramente, não esperava nada desta disciplina.

Surpreendi-me porque, de fato, desde que entramos na matéria de Probabilidade tudo até agora foi definido ou provado formalmente. Por exemplo, espaço de probabilidade é a tripla (\Omega, F, P), onde \Omega é o espaço amostral, F é uma \sigma-álgebra que representa o conjunto dos eventos e P: F \rightarrow [0, 1] é a função probabilidade. Com três axiomas em cima dessa definição provamos uma porção de coisas.

Muito interessante. A probabilidade é uma área que eu desconhecia completamente (e discriminava em pensamento por andar sempre junto com Estatística), mas que é muito mais legal (em nível matemático) do que eu pensava.

Probability and Measure
Creative Commons License photo credit: John-Morgan