A Viagem de Théo

ATENÇÃO: Este conteúdo foi publicado há 10 anos. Eu talvez nem concorde mais com ele. Se é um post sobre tecnologia, talvez não faça mais sentido. Mantenho neste blog o que escrevo desde os 14 anos por motivos históricos. Leia levando isso em conta.

A partir de hoje publicaremos sugestões de livros com temática parecida com a do nosso site, junto com os habituais artigos do Mal Vicioso. Queremos compartilhar com você algumas das fontes de nossas idéias e também queremos que você compartilhe conosco livros que você leu e gostou.

O primeiro que vamos sugerir é A Viagem de Théo.

  • Autora: Catherine Clément (francesa)
  • Editora (no Brasil): Cia. das Letras
  • Páginas: 614
  • Sinopse: Por que tantas pessoas se aproximam de uma religião ou sentem vontade de ter uma vivência espiritual qualquer? Por que não somos todos ateus? Foram perguntas assim que levaram Catherine Clément a escrever A viagem de Théo, um romance sobre os fundamentos das religiões mais praticadas no mundo: catolicismo, judaísmo, budismo, protestantismo, islamismo, etc. Com um conhecimento profundo do tema e um admirável equilíbio intelectual, ela nos faz viajar na companhia de Théo e Marthe – ele, um adolescente que vive enfiado nos livros e sofre de uma doença grave; ela, uma mulher cosmopolita que esbanja vitalidade. Juntos eles vão aos principais centros sagrados do mundo e, enquanto visitam os templos e participam das festas rituais, oferecem-nos a certeza de que as religiões são uma das maiores aventuras que a humanidade já pôde sonhar.
A Viagem de Théo
Capa do livro

Gosto de livros que induzem a filosofar de uma maneira simples, por meio de uma história, tais quais O Mundo de Sofia, Bíblia, Al Corão, Tudo depende de como você vê as coisas, Efeito Borboleta (filme) e Alice no País das Maravilhas.

A Viagem de Théo é um ótimo romance que desmistifica o mundo das religiões e entrete o leitor nos mistérios que envolvem o próximo destino do protagonista. Em alguns momentos, o enredo cansa de tão óbvio (a autora faz questão de dizer que sit down significa sente-se).

Algo notório é o fato de que o universo religioso apresentado a Theo não é constituído apenas por cristãos, judeus e islâmicos. Aqui onde vivemos não se fala de religiões asiáticas como o budismo e o hinduísmo. No máximo seus deuses são retratados em cangas de praia ou camisetas, mas nada sabemos sobre eles. Esses credos e muitos mais são muito bem abordados no livro, de forma clara até a um leitor leigo. Enquanto viaja, a autora descreve os fiéis, a fé, os locais onde seus ritos são praticados e o principal: em que acreditam

Ainda não terminei a leitura, (eu e a Carol estamos na página 234), mas vale a pena tanto pelo romance como pela didática! ;-)

A primeira pessoa do texto é o Tiago, mas foi a Carol que editou as palavras pro texto ficar legível…

7 comentários sobre “A Viagem de Théo

  1. Eu li e recomendo. Li duas vezes e é um ótimo livro.Antes de ler “O Mundo como Vontade e Representação” e “Shakespeare: a Invenção Humano” tinha sido um dos maiores livros que li, ainda mais se considerar que a letra é miúda.Pararam na parte da India não é mesmo? É uma parte muito legal…Mas virão melhores…Só não gostei do final.Mas não vou contar que ele xxxxxxx!

  2. Isso! Acabamos de pegar o avião e visitar o mahantji!

    Acho que se a autora for ateu (ou atéia, ateua, algo do tipo… por que eu nunca vi um ateu do sexo feminino?) eu acho que ele morre. Se não, ele deve ser salvo, mas sem uma religião, porque seria muita falta de imparcialidade por parte da autora… :-)

    Mas não conte não, senão perde a graça… hehehe

  3. Gostei bastante da dica apesar de minha relação controversa com o que se refere a misticismo e autoridade – características principais das religiões. O lado filosófico e idealista das religiões é algo muito bem visto por mim, porém a escravidão(do pensamento) que elas proporcionaram na prática é algo totalmente tenebroso. Procurarei nas livrarias por aqui, esse press release me agradou bastante.

    Bom mesmo eu ouvisse falar do livro um mês antes, quando minhas férias apenas começavam e o tempo me dava tempo.

    Um grande abraço.

  4. Gostei bastante da dica apesar de minha relação controversa com o que se refere a misticismo e autoridade – características principais das religiões. O lado filosófico e idealista das religiões é algo muito bem visto por mim, porém a escravidão(do pensamento) que elas proporcionaram na prática é algo totalmente tenebroso.

    Concordo plenamente.

  5. Um ótimo livro. É daqueles que vc se sente na obrigação de acabar de ler. E faz o leitor ficar com vontade de conhecer cada cantinho do mundo e das religiões…

Deixe uma resposta